01/04/15

chipa guazù estilo campo paraguayo



http://guaraniportugues.blogspot.com/

Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.
Cecy Fernandes de ASSIS

16/02/15

Che kuairũ resa, de Francisco Martín Barrios, recitada por Rudi Torga



http://guaraniportugues.blogspot.com/

Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.
Cecy Fernandes de ASSIS

Che kuairũ resa, de Francisco Martín Barrios, recitada por Rudi Torga



http://guaraniportugues.blogspot.com/

Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.
Cecy Fernandes de ASSIS

08/06/14

Pukarã /Piada

http://guaraniportugues.blogspot.com/Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.Cecy Fernandes de ASSIS


Oĩ peteĩ hesatũ ha peteĩ karai kavaju árigua ohasa hesatũypýpe. Hesatũ he’i ichupe: ― Cheraha nendive kavaju ári./Havia um cego e um homem montado a cavalo passou ao lado do cego. O cego disse-lhe: ― Leve-me contigo no cavalo.
― Iporã, rorahata, he’i ichupe. Ha upéi opyta hikuái kavaju árigua. Karai ojogua salame ha hesatũ he’i ichupe: ― Eme’ẽ chéve peteĩ vore ne salame./ Está bem, vou levar-te, disse-lhe. E assim ficaram os dois montados no cavalo. O senhor comprou salame e o cego disse-lhe: Dê-me um pedaço do salame.
― Iporã, ame’ẽta ndéve. Upéi karai kavaju árigua he’i hesatũme: ― Mba’éichapa ne remaña che ahasahague nde ypýpe kavaju áripi./ Está bem, vou te dar. Então o senhor montado no cavalo disse ao cego: ― Como tu viste que eu passava a teu lado montado no cavalo?
― Ha mba’éicha remaña salame ha’úhague./ E como viste que eu comia salame?
Hesatũ he’i: ― Ahetũ salame. Oho hikuái jevy kavaju áripi./ O cego disse-lhe: Eu cheirei o salame. E eles continuaram montados no cavalo.
Ha upéi tape áripi ohasa peteĩ yvyra rakã. Karai ojayvy yvyragui. Hesatũ ho’a.
Então sobre o caminho passava um galho de árvore. O senhor abaixou-se sob o galho. O cego caiu.
Hesatũ he’i: ― Mba’ere nderéiri chéve yvyra oĩ hague./ O cego disse-lhe: Por que não me disseste que havia uma árvore?
 Karai he’i ichupe: Che aimo’ã rehetũta hague./ O senhor disse-lhe: Eu pensei que tu havias cheirado.

07/06/14

Pyhare*nde áva kuehe guare!/Que noite agitada foi anoite passada

http://guaraniportugues.blogspot.com/Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.Cecy Fernandes de ASSIS



* Nde áva (tuvicha, tuvicha guasu) é uma expressão idiomática, significando um grande distúrbio, alvoroço, agitação. Ex.: Ayvu nde áva./ Grande vozerio.  Ayvu nde áva ojapo hikuái oguahẽvo huvicha./ Gritavam vivas entusiasmadas ao chegar seu chefe

Ohai Guaraníme: David Galeano Olivera
Original://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/que-noche-la-de-anoche)

 
Aime ko’ápe,/Estou aqui,
Che rupápe, / Em minha cama,
Roguerekóngo che akãme./Com o pensamento fixo em ti.
Peteĩ mba’énte aipotavéva: roipyhyse/Só desejo uma coisa: agarrar-te.
Ha rojopy hatã porã mokõive che pópe, / E apertar-te duramente entre minhas duas mãos.
Otytýi gueterei cheakãme mandu’a ange pyhare guare/.Latindo ainda em minha cabeça a lembrança da noite passada.


Ko pyhare hakuvóvape, / Nesta noite sufocante,
Rojapyhyse mbarete porã/ Tenho ganas de pegar-te.
Ha’e haguã ndéve opaite mba’e añandúva. / Para dizer-te tudo o que sinto.
Pe mandu’a arekóva ndehegui chemoingo asy. / Tua lembrança me deixa angustiada.
Ne apysẽ… ha upéi reguékuri. / Tu apareceste... e desapareceste.



Opaite mba’e oikókuri upe pyhare ha ko tupamíme. / Tudo aconteceu naquela noite e nesta cama.
Jereviápe rejákuri cherehe. / Com confiança aproximaste de mim.
Retĩ’ỹre mba’evégui,/Sem pudor nenhum.
Rejángo che rete opívore./Tu colaste em meu corpo nu.
Rehechakuaávo noroñanduiha, / Percebendo minha indiferença,
Reja rejavékuri…/ Aproximaste mais e mais...




Reisu’upániko ko che retemi…/ Mordeste por todo meu corpo...
Remomba’eguasu’ỹre mba’eve…/ Sem importar-te com nada...
Chembotavyraiete. / Deixas-te me louca.
Aikuaa’ỹre mba’épa ajapóta / Não sabia o que fazer,
Ajehekýi haguã ndehegui. / Para livrar-me de ti.


Hasypeve… Akékuri. / Por fim... Adormeci.
Ko ára, apáyvo, / Hoje, quando acordei,
Roheka chetarovaite. / Procurei-te desesperadamente.
Jepémo po’a’ỹre./ Contudo não tive êxito.
Ndorojuhuvéima. / Não te encontrei mais.


Nereimevéima. / Já não no estavas.
Rehojepéma. / havias partido!
Ahoja tuichakue javeve, / Em todas as cobertas,
Opyta mba’e ojehuva’ekue rapykuére. Havia rastro do ocorrido.
Che retére reheja nde rapykuére tapiaite guarã. / Em meu corpo deixas-te marcas para sempre.
Rapykuére pypuku péicha péichante ndokueramo’ãiva/ Marcas intensas que parece que não vão sarar
Ha heta ára ojekuaátava cherehe. / E por muito tempo serão percebidas em mim.


.
Ko pyhare voi añenóta ha roha’ãrõta. / Esta noite deitarei cedo e vou esperar-te.
Reguahẽ vove…/ Quando chegares...
Ndaikuaaseivoi mba’épa ojehúta… /Não quero imaginar o que irá acontecer...
Ajeitýta nde ári./ Vou lançar-me sobre ti.
Ku leõ ñarõite ojeityháicha ambue mymba ári./ Como o leão feroz se lança sobre outro animal.
Ha nderehomo’ãvéima./E já não poderás partir.
Ndaikatumo’ãvéima regue chehegui. / Já não poderás escapar de mim.


Rojopyvaipáta añendu meve nde rete ruguy. / Vou apertar-te até sentir o sangue de teu corpo.
Péicha añoite ikatúta apytu’u ndehegui: / Somente assim poderei descansar:

Ñati’ũ, añamembyreikóva! / Pernilongo, filho de uma puta!


03/06/14

Káso ñemombe’u: *Pychãi/ Causo de Pychãi

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.Cecy Fernandes de ASSIS

Vídeo/Fazendo chipa kavure: https://www.youtube.com/watch?v=IGSsHToQYFI





*Pychãi é uma figura literária como o Pedro Malasartes. Personagem tradicional nos contos populares da Península Ibérica. É engraçado, invencível, astucioso, inesgotável de expedientes para driblar as contrariedades. A menção mais antiga do personagem está na cantiga 1132 do Cancioneiro da Vaticana, datado do século XIII e XIV:

Omombe’úva: Abdón Galeano Benítez
Ohaíva: David Galeano Olivera
Ombohasa portugépe: Cecy Fernandes de Assis

Chipa kavure/ Conhecida no Sul do Mato Grosso do Sul como cu de boi.


Pychãi niko omba’apo ipaíno ndive. Ára ha ára, pyharevete, oguerahava’erã vaka kamby távape ha upe tembiapópe ichupe hymba burromi, hérava Lovi./ Pychãi trabalhava com seu padrinho. Dia a dia, de madrugada, deveria levar leite na cidade e para fazer isso tinha um burrinho, chamado Lovi.
Pe ipaíno rógape niko oiko avei mokõi karia’y ndohayhúiva Pychãime. Mokõive ndoikuaaseivoi mba’eve Pychãigui, kóvape ohayhuvégui paíno. Mokõive he’imiva’erã: “Ágãnte jajukáne ko añamemby.” /Na casa do padrinho viviam também dois moços que não gostavam de Pychãi. Ambos não conheciam nada de Pychãi e nem porque este que era mais amado pelo padrinho. Os dois viviam dizendo: “Qualquer dia mataremos esse filho do diabo.”
Peteĩ ára, mokõive karia’y ñaña oñemotenonde Pychãi rehe. Ha’e oho oha’ãrõ tapeku’ápe ichupe. Ha’e ojapo hikuái ichupe guarã chipa kavure, Pychãi ho’usetéva. Ha’ekuéra ojukaséguiPychãime omyenyhẽ chipa kavure venénogui. /Uma manhã os dois moços perversos, se adiantaram a Pychãi. Eles foram encontrá-lo no meio do caminho. Eles fizeram-lhe uma chipa kavure que Pychãi gostava muito de comer. Eles queriam matar Pychãi enchendo-o com chipa kavure envenenada.
Pychãi oguahẽvo upépe, mokõive osẽmavoi omomaitei ichupe ha he’i: “Na’ápe rojapo ndéve ko chipa kavure haku vevúi asýva, roikuaaporãgui nde re’useha.”/ Pychãi chegou ali e claro,  os dois já saíram para cumprimentá-lo e disseram: “Fizemos para ti esta chipa kavure quentinha e deliciosa, porque sabemos que tu gostas de comer.
Pychãi niko oaguyjeveme’ẽ ichupekuéra ha omoingéta jave chipa ijurúpe ho’uhaguáicha; Lovi oñepyrũ hasẽ’ihasẽ’i, nimbora’e iñembyahýi avei. Upémarõ, Pychãi ombohasa chipa kavure iburromíme ha upéva ohechávo mokõive karia’y ñaña osapukaivoi ichupe: “Aníke reme’ẽ Lovípe, kóvango ore rojapo ndéve guarãiténte.” / Pychãi agradeceu-lhes e quando ia enfiar a chipa na boca para comê-la, Lovi começou a relinchar, certamente tinha fome também. Então, Pychãi passou a chipa kavure para o burrinho e vendo isso os dois moços malvados logo gritaram para ele: “Não dê para o Lovi, isso nós fizemos nós fizemos apenas para ti.”
Upémarõ Pychãi orahajevy ijuru gotyo chipa kavure ha upe jave mokõive ojere ha ñe’ẽguyguýpe he’i hikuái: “¡Por fín! Omanótama ko tavyrón.” Upe javete niko Pychãi ombohasa ñemihaitépe chipa kavure Lovípe, peteĩ jurupe’ápe ho’upáva./ Então Pychãi levou, outra vez, a chipa kavure até a sua boca, “Os dois moços viravam-se e cochichavam, dizendo: “Por fim, esse bestalhão logo morrerá.” Entretanto, Pychãi passou, escondido, a chipa Kavure ao Lovi, com a boca aberta comeu tudo.
Ojerejevy mokõive karia’y ha oporandu Pychãime: “Ha nde chipa kavurépa moõ oĩ.” Pychãi oipichy hye ha he’i ichupekuéra: “Che ryépe. Hetereíngo osẽ peẽme.” Péva ohendúvo mokõivéva otimbo upégui oimo’ãgui Pychãi omanotamaha. Viraram-se outra vez os dois moços e perguntaram a Pychãi: “E a tua chipa Kavure, onde está?” Pychãi esfregou a barriga e disse-lhes: “Na minha barriga, estava muito saborosa.” Ao ouvir isso, os dois pensaram que por causa do veneno, Pychãi logo morreria.
Upe riremínte, Pychãiopytu’u aja peteĩ yvyrajero’a guýpe, ohecha mba’éichapa Lovi ho’a ha omanoite vera. Oho omaña hese ha ohechakuaa añetehápe omanohague. Upémarõ oujevy oguapy yvyrajero’a guýpe ha hasẽhína hymba burromíre./ Apenas um pouco depois, enquanto Pychãi descansava sob a sombra de uma árvore, viu como Lovi caiu e rapidamente morreu. Foi olhá-lo e percebeu que, realmente, tinha morrido. Então, novamente, voltou a sentar-se embaixo da árvore, chorando pela morte de seu burrinho.
Ivaive haguã, sapy’a riremi ohecha mbohapy jagua saite oñemboja ha ho’upaitevoi Lovípe. Ha umi mbohapy jagua saite ohóta jave ka’aguýre ho’a avei ha omano. Pychãi niko hasẽvéntema ohechávo mba’éichapa umi jagua saite ho’u iburromíme./ Para piorar, um pouco depois, viu quatro cães selvagens que se juntaram e comeram todo o Lovi. E aqueles quatro cães selvagens, enquanto iam para o mato, também caíram e morreram. Pychãi chorou mais ainda ao ver como aqueles cães selvagens comeram seu burrinho.
Oñembosako’i aja ojevyhaguáicha ipaíno rógape, ohecha pokõi yryvu oguejýva ha okarúva umi mbohapy jagua saite re’õnguére, ha upéi ovevéta jave, ¡chipléky!, ho’a yvýpe ha omanónte avei./ Enquanto se preparava para voltar à casa de seu padrinho, viu sete urubus que desciam e comiam os cadáveres dos quatro cães selvagens e depois, enquanto voavam, pumba! Caíram na terra, mortos também.
Pychãi oguahẽ ipaíno rógape ha omombe’u ichupe pe ojehúva ha he’i ipaínope: “Añembyasyetereíniko. Asẽta aha mombyry ko’águi jahechápa ndojehasái chehegui ko py’arasy añandúva.” Ipaíno he’i ichupe: “Nei, mba’épiko ja’éta ndéve.”/ Pychãi chegou à casa de seu padrinho e contou-lhe o que aconteceu e disse a seu padrinho: “Estou muito triste. Sairei e irei para longe daqui e veremos se acaba toda essa tristeza que sinto.” Seu padrinho disse-lhe: “Bom, o que diremos a ti?”
Ha Pychãi osẽ ha oho. Ha’éngo ogueraha hendive hi’upyrã: mandi’o, chipa, aloha ha ijaomimi. Ipaíno marangatu ome’ẽ avei ichupe pirapiremi./ E Pychãi saiu e foi. Ele, certamente, levou consigo como sua matula: mandioca, chipa, bebida, e suas roupinhas. Seu bondoso padrinho deu-lhe também um pouco de dinheiro.
Heta ára oguata rire opa avei ichugui ijavío ha ivare’añepyrũma. Upe jave niko oguahẽ peteĩ tavamíme ojuhuhápe heta kuimba’e osãingóva ijajúrigui./ Muito tempo depois de caminhar muito, acabou sua matula e a fome começou. Entretanto ele chegou a uma pequena cidade e encontrou muitos jovens que estavam enforcados.
 Oñemboja peteĩ tujami rendápe ha oporandúvo ichupe mba’épa ojehu umi kuimba’épe, kóva he’i ichupe: “Oiméngo ore rey hekoreígui ojapo peteĩ concurso, ha umi osãingóva ijajúrigui niko ha’e umi operdeva’ekue.”/ No lugar, ao aproximar-se de um velhinho perguntou-lhe o que havia acontecido com os jovens, ele respondeu-lhe isto: “Porque temos um rei libertino que fez um concurso, e os enforcados, foram os que perderam.”
Pychãi oñakãpire’ỹi ha oporandujevy tuja’ípe: “Mba’eichagua concurso piko aipóva.”/ Pychãi coçou a cabeça e perguntou outra vez ao velho: Que tipo de concurso é esse?”
 Tuja’i he’i ichupe: “Karai rey niko oreko itajýra peteĩ hérava la Princesa, oikuaáva maravichu oĩva guive ko yvy ape ári. Ha ha’etépe ore rey he’i opavavépe: “Taha’eha’éva peñembojakuaa che rajy rendápe ha peity ichupe pene maravichu ha sapy’arei ha’e ndoikuaairõ amomendáta hese che rajy. Amboja’óta ichupe che yvy, ha amboja’ópa avei ichupe che pirapire ha che itaju. Ha katu, che rajy oikuaárõ pe maravichu ñembohovái, amosãingokáta ijajúrigui, opavave ohechatahápe.”/ O velho respondeu-lhe: “ O senhor rei tem uma filha, chama-se princesa, ela conhece todas as adivinhas que há sobre a terra. E assim nosso rei diz para todos: “Quem quer que seja, aproximai-vos de minha filha e lançai-vos a ela vossa adivinha e imediatamente, se ela não souber, vou fazer casar com minha filha. Dividirei com ele minha terra e dividirei também com ele todo o meu dinheiro e meu ouro. Mas se minha filha souber a resposta da adivinha, vou enforca-lo para que todos possam ver.”
Pychãi niko nahendavéima vare’águi ha upémarõ oho ha ombota karai rey róga rokẽ ha ojepe’ávo he’i: “Ajúngo aipo concursohápe.”/ Pychãi não aguentava mais de fome e assim foi bater na porta do rei e ao abri-la disse: “Vim para o concurso.”
Karai rey he’i ichupe: "Ehasákatu ne mitã molde vai, arpa fórro. Napépe oĩ che rajy, la Princesa. Eñemboja hendápe ha eity ichupe ne maravichu.” O rei disse-lhe; “ Passe pois, menino mal feito como forro de harpa. Ali está minha filha, a princesa. Aproxime-se dela e lance-lhe tua adivinha.”
Pychãi oñemboja ha he’i la Princesape: “Maravichu, maravichu, mba’émotepa… kavu, kavu, ojuka Lovípe, Lovi ojuka mbohapýme, mbohapy ojuka pokõíme.” Ohendúvo upévango, la Princesa oñakãpire’ỹi ha opyta omaña mombyry. Pychãi aproximou-se e disse à princesa: “O que é, o que é…Kavu, kavu (chipa kavure), matou Lovi, Lovi matou os três. Os três mataram os sete.” Ao ouvir isso a princesa coçou a cabeça e ficou olhando longe.
 Upéi ohenói itúvape ha he’i ichupe: “Papá, chéngo ndaikuaái mba’épa pe maravichu oitýva chéve ko karia’y.” Karai rey he’i itajýrape: “Ivaietereíngo ko arriero, mi hija. Eikéna nde bibliotekápe ha eheka upépe pe maravichu ñembohovái.”/ Então ela chamou seu pai e disse-lhe: “Papai, eu não sei essa adivinha que me foi lançada pelo jovem. O senhor rei respondeu a sua filha: “Esse arrieiro é muito feio, minha filha. Entre na tua biblioteca e procure lá a resposta para a adivinha.”
Oikéngo la princesa ha nosẽvéi. Oime’árango una semanahaguépe osẽjevy. Oho itúva rendápe ha oñakãmbovava ichupe: “Ndaiporivoínte pe maravichu ñembohovái mamove.” / A princesa entrou e não saiu mais. Passado uma semana, saiu outra vez. Foi ao lado de seu pai e com a cabeça baixa disse-lhe: “Não há resposta para esta adivinha em nenhuma parte.”
Upémarõ, karai rey ohenói Pychãime ha he’i ichupe: “Ere oréve ne maravichu ñembohovái ha aníke ndejapu, cháke ndejapúrõ romosãingokáta nde ajúrigui, amoite okápe.”/ Então o senhor rei chamou Pychãi e disse-lhe; “Diga-nos a resposta de tua adivinha e não mintas, cuidado, se mentir nós te enforcaremos ali na praça.”
Oñemboja Pychãi ha he’i: “Chéngo arekova’ekue che rymba burromi, herava Lovi. Ichupéngo ojukava’ekue chipa kavure oñe’envenenava’ekue. Che burro omano riremi mbohapy jagua saite ouva’ekue ho’upaite ichupe ha umi jagua saite ohóta jave, ho’a ha omano avei. Uperiremínte, siete yryvu oguejy hikuái ha okaru umi mbohapy jagua saitére ha ovevemo’ã jave umi siete yryvu ho’a avei omano./ Pychãi aproximou-se e disse: “Eu tinha um burrinho chamado Lovi, ele foi morto por uma chipa kavure que lhe envenenou. Depois que meu burro morreu, três cães selvagens vieram e comeram-no todo e enquanto andavam caíram e morreram. Um pouco depois, sete urubus desceram e comeram os três cães selvagens e enquanto voavam os sete urubus também caíram e morrera.”
Ha upévare chemandu’ávo ajapo pe maravichu aityva’ekue la Princesape, ha he’íva: kavu, kavu, ojukápe a Lovi, Lovi ojuká mbohapýpe ha mbohapy ojuka pokõime… ha upévango la nde rajy la Princesa ndoikuaáiva.”/ E então ao lembrar-me disso, fiz a adivinha e lancei para a princesa e disse: O que é, o que é… Kavu, kavu (chipa kavure), matou Lovi, Lovi matou os três. Os três mataram os sete.”

Karai rey oñakãity… omomenda itajýra la Princesa Pychãire. Ha’e omboja’o ichupe mbytetépe ijyvy guasuete, ipirapire ha umi itaju oguerekóva… Ha kóicha opa! / O senhor rei abaixou a cabeça… Fez sua filha, a princesa, casar-se com Pychãi. dividiu com ele a metade de suas extensas terras, seu dinheiro e o ouro que possuía… E assim acaba! 

15/05/14

HISTORIA DE VIDA: LA ABUELA VENDEDORA DE PAN DE QUESO



http://guaraniportugues.blogspot.com/

Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.
Cecy Fernandes de ASSIS

13/05/14

TIMOTEO GARCETE MENDOZA MBYA GUARANI, OPYGUA de la Comunidad KA'AGUY P...



http://guaraniportugues.blogspot.com/

Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.
Cecy Fernandes de ASSIS