19/04/09

Ka’i Ha Jaguarete - O Macaco e a Onça

Jaguarete jeko ho’úse tapia ka’i. Ymaguare ha’e ojeka mba’éichapa ho’u haguã ichupe. Ha ka’i ningo ndaitavýi voi. Peteĩ ára, ka’aguýpe, kuarahy ijyvate jevýma hína, Jaguarete ohendu sapi’a peteĩ tok, tok. Peteĩ tekove ombota oĩ hápe yvyra oikytĩ haguã. Upemáramo he’i ojeupe: - Che aháta ahecha máva piko ojapo hína upéa. Ha oho. Oguahẽ ka’aguýpe ha omaña Ka’ípe. Ha’e nipo oikytĩ oĩ hápe yvyra ojapo haguã hógarã. Jaguarete oguahẽ upépe ha ojuhu ka’i omba’apo heta. Ha’e omboja’ose hína yvyra rehe. Ndohupytýi mba’eve. Ha’e peteĩmínte ningo ihácha. Ha Jaguarete he’i ichupe: - Che ro’úta! Ko’agã che rou’úta! Ko’agã repagata odeve chéve. Ka’i pya’e voi oikuaáma mba’épa ojapota Jaguarete rehe. Ha he’i ichupe: - Ko tembiapo kóva hasyeterei ijapópa. Ajerureta ndéve peteĩ mba’e. Epytyvõmi chéve amboja’o ko yvyra ha upéi che’u. Rejapo rejaposéva. Jaguarete oñembotavy kuri. - Iporã, Jaguarete he’i Ka’ipe. Amboja’o haguã yvyra, tekotevẽ mokõi hácha. Peteĩ ohekýi aja ambue omoĩ pono oñemboty ichugui. Ka’i peteĩnte oguereko hácha ha upearã ndaikatúi ojoka. Ha upéarehe he’i jaguaretépe oipytyvõ haguã ichupe. Ka’i ningo ndaitavýi voi. Ha’e oikuaa mba’épa ojapota Jaguarete rehe ndo’úi ichupe. Ka’i he’i jaguaretépe: - Ágã aitýta che hácha ko’ápe ha ko yvyra ojejurupe’a jave emoĩ mokõive nde po pono oñemboty. Upéicharamo mante japópa voíta. Upéi katu che’úta. Ha ka’i oity ihácha umi yvyra rehe. Pe yvyra ojejurupe’a porã. Ha’e he’i jaguaretépe: - Emoĩ katu nde po mokõive pe yvyra pa’ũme. Ani rehekýi nde po. Jaguarete omoĩ ipo yvyra pa’ũme. Upe jave Ka’i ohekýi pe ihácha. Ha yvyra oñembotýpe Jaguarete po mokõive rehe hatã ojopy yvyrápe. Jaguarete opyta hasẽ hína upépe. Ka’i, katu opo yvyra rakã rehe ha oñe’ẽ: - Mba’éiko ojehu ndéve, che ryke’ými. Upéarehénte piko resapukai eterei? Uperõ ohoma yvyra yvate. Aratirícha ipy’ae, Ka’i okañy jevýma jaguaretégui. Jaguarete katu opyta upépe omba’apo oipe’a haguã ipo pe yvyra pa’ũmegui. Jaguarete ojerereko iñakarandúvaramo, ha nipora’e itavy. Ka’i peteĩ jevy okañỹ Jaguaretépe ha ha’e ndo’úi ka’i. Ka’i katu imba’ekuaáve (iletrado) jaguaretégui. A Onça e o Macaco Dizem que a onça sempre quis comer o macaco. Há muito tempo ela procurava um modo de comê-lo. Mas o macaco não é bobo. Um dia, na mata, o sol já estava alto, de repente a onça ouviu um toc, toc. Alguém estava golpeando uma árvore para cortá-la. Então a onça falou consigo: - Vou ver quem está fazendo isso E foi. Chegando à mata, a onça viu o macaco. Na verdade ele estava derrubando uma árvore para fazer sua casa. E a onça chegou ali e encontrou o macaco trabalhando muito. Ele queria partir a madeira. Não estava conseguindo nada, pois ele só tinha um machado. A onça chegou e disse a ele: - Vou te comer! Agora vou te comer! Tu vais me pagar tudo o que me deves. O macaco, rapidamente, já sabia o que fazer com a onça e disse a ela: - Este trabalho é muito difícil de realizar. Vou te pedir um favor. Ajude-me a partir está madeira e depois me comas. Faças o que queres fazer. A onça bobeou. - Está bem, a onça disse para o macaco. Para partir uma madeira precisa-se de dois machados. Quando um abre, o outro entra para não fechar a abertura. O macaco tinha só um machado e por isso não estava conseguindo rachar a madeira. Então pediu para a onça ajudá-lo. O macaco não é bobo. Ele sabe o que fazer para a onça não comê-lo. Disse para a onça: - Agora vou cortar aqui com meu machado e quando abrir a fenda, tu pões tuas duas mãos para não fechar o corte. Assim vamos acabar logo. Depois tu podes me comer. O macaco enfiou seu machado na madeira. A madeira abriu-se bem. Então ele disse para a onça: - Metas tuas duas mãos na abertura da madeira e deixe-as ali. A onça colocou as mãos na fenda. O macaco tirou o machado. A madeira fechou-se e as duas mãos da onça ficaram bem presas na madeira. A onça ficou chorando ali. O macaco saltou em um galho de árvore e falou: - O que aconteceu contigo, meu irmãozinho! Apenas por isso estás gritando tanto? Então foi para o alto da árvore. Mais rápido que um raio, o macaco fugiu, outra vez, da onça. Ela ficou ali trabalhando para tirar suas mãos da fenda da madeira. A onça acha-se sábia, mas é boba. O macaco, mais uma vez, correu da onça e ela não o comeu. O macaco é mais sabido que a onça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.