30/08/09

Aguara kerampipu

Ka’aru pytũ peteĩmeje Ka’i oñatõi mbaraka hína ha Ñati’ũ opurahéi po’i vai oikóvo ijerére. Ka’i iñakãraku ha osẽsema okeramombáy kuñatãinguérape mbarakapu ha opurahéi joyvýpe. Upe jave oguahẽ Aguara, ohendu Ka’ípe ha pya’ete oñekuave’ẽ opurahéi haguã. Ao escurecer, uma tarde, o Macaco tocava o violão e o Pernilongo cantava com sua voz fina, em seu redor. O Macaco se entusiasmou e já quis sair para acordar as moças, com o duo de música e canto. Enquanto isso, chegou o Guará e escutou o Macaco e logo se ofereceu para cantar. -Nde niko, nde juruguasu eterei ha ndeahy’oturu vai avei, ndaikatumo’ãi reho orendive o ombotove Ka’i. - Repurahéi vaiete nde, nderehomo’ãi mante ore ndive, he’i Ñati’ũ. Aguara itĩndymi, opoko ijurukue tujáre. Ka’i oiporiahuverekoite gua’u ichupe, osapymi popy’ỹi py’ỹi ha oñekuave’ẽ ichupe: - Ñambovyvy po’i porãna ndéve nde juru rehose eterei ramo ore ndive. - Tu tens a boca muito grande e tua garganta soa muito ruim, não podes ir conosco, negou o Macaco. - Cantas muito mal e não vamos deixar que nos acompanhe, disse o Mosquito. -O Guará ficou triste e tocou sua velha bocarra. Finalmente, parece que o Macaco teve pena do Guará e com uma olhadela detalhada ofereceu-lhe: - Vamos coser-te a boca para fazê-la mais fina, se tanto queres ir conosco. -Na katu, ombohovái oñe’e ári ka’ípe. Aguara oñeno. ombojeko iñakã Ka’i retyma ári ha Ñati’ũ ipojáima ju ha inimbóre ha pya’e pya’e ombovyvymane ra’e Aguara juru. Heta hy’ái rire Ñati’ũ ohenduka Ka’ípe: - Ema’ẽmína, mba’éichapa opyta porãta ipytu mbarete reínte ko aña ra’y, omokachiãi nati’ũ. Bom, faça-a, respondeu em seguida o Guará. Deitou-se e apoiou sua cabeça na perna do Macaco, O Pernilongo conseguiu agulha e linha e rapidamente começou a coser a boca do Guará. Depois de suar muito o Pernilongo disse para o Macaco: - Olhe que bom ficará quando sopre este filho do diabo, brincou o Pernilongo. - Aníntena rehetũ ha embovyvy pya’eve jaha haguã voimi, ombohovái Ka’i. Oparire hembiapo ojogueraha hikuái, Ka’i mbarakaja ijyva guýpe. Aguara apére Ñati’ũ oturuñe’ẽ po’i ohóvo. Oñemoaguĩ ohóvo kuñatãi porã peteĩ rógagui ipirĩ sapy’a Aguara ha oporandu: Jaguápa ndaipóri chéne ko’árupi. -Deixa-te de brincadeiras, costures mais rápido para irmos de uma vez, respondeu o Macaco. Quando terminou seu trabalho puseram-se em marcha, o Macaco com o violão embaixo do braço e o Mosquito no lombo do Guará ia assobiando fino. Ao aproximarem-se da casa de uma moça linda, o Guará arrepiou-se e logo perguntou: - Não tem cachorro aqui? - Mba’e jagua katu piko ndekuaáta ndéve anína rejepy’apy. - Ndénteko ere upéva, ikatĩnguéko mombyry oñehetũ hína, he’i Ka’i. Upeichaháguinte javoráigui operere tataupa. Oñemohendýi Aguara, osapukái ha ojoropaite ijuru vyvypy. Oñemboja kuñatãi rovetãme ha Aguara ijahy’o turu vai jevýnte. - Que cachorro irá conhecer-te, não te preocupe. - Tu dizes isto, porque seu cheiro sente-se desde longe, disse o Macaco. Nesse momento, do mato, voou uma perdiz. O Guará se assustou, gritou e arrebentou a costura de sua boca. Depois se aproximou da janela da moça e sua garganta soou feia, outra vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.