14/09/09

Ñe’ẽpoty rysýi joja - Rimas de Gustavo Becquer

Rimas de Gustavo Becquer Tradução para o Guarani: Félix de Guarania
I
Che aikuaa peteĩ purahéi iporãva Che ñe’ã pyharépe oguerúva ko’ẽ marandu, Ha ko’ãva ha’e heseguáva. Purahéi pytũháre oipysóva yvytu. Hi’aitévaku chéve ajapo kuatiáre, Aipyahávo che kũre ijeróva ñe’ẽ. Arapýre toho purahéi ñeporãva, Mborayhu, kunũ’u henỹhéva ipype. Ha rei añorairõ, marõve indikatúíva, Añandúgui ikangy, imboriahu che ñe’ẽ. Ikatúmo, che pópe nde po mokõivéva. Mbeguekatumi nde apysápe ha’e. I Eu sei um hino gigante e estranho Que anuncia na noite da alma uma aurora, E estas páginas são desse hino Cadências que o ar dilata nas sombras. Eu quisera escrevê-lo, do homem Domando o rebelde, mesquinho idioma, Com palavras que fossem a um tempo Suspiros e risos, cores e notas. Mas vão é lutar; que não há cifra Capaz de encerrá-lo, e apenas, oh formosa!, Se, tomando em minhas mãos as tuas,
Pudesse, ao ouvido, cantar-te-o a sós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.