25/04/2009

Tembi'u - vori vori

Tembi’u - Vori vori http://gn.wikipedia.org/wiki/Vori Vori vori é uma comida típica do Paraguai. Não precisa de receita exata. É necessário usar apenas a farinha de milho cateto, não substitua por fubá ou Milharina. E o queijo é tipo minas meia-cura. E claro, a galinha é caipira. Também pode fazer com puchero. Mangerona no final completa esta comida que deve ser a comida preferida do anjos e santos glutões. Mba’emba’épa oraha vori vori agãgua - Ingredientes Y haku, avati ku’i (morotĩ) kesu, sevói, áho, juky, ryguasu koigua ha ryguasu rupi’a. Água quente, farinha de milho cateto, queijo, cebola, alho, galinha caipira e ovos. Vori vori ningo jukysy hypy’ũ ha he añetéva, orekóva avatiku’i ha kesu apu’amimi. Vori vori, na verdade, é um caldo espesso e muito saboroso, onde há pequenas bolas de milho e queijo (se desejar pode colocar ovos e cheiro verde). Opaichagua tembi’u paraguáicha, vori vori heta oreko proteína ha kaloría. Como toda comida paraguaia, o vori vori tem muitas proteínas e calorias. Moõguipa ou héra - Origem do nome Téra vori vori ou ypykuéra guaranígui. Pe ñe’ẽ papyeta ojejapo hag̃ua heta jevy oje’ejevy pe ñe’ẽ, péva he’ise aipórõ, vori ha’eha peteĩ, katu vori vori mokõi térã hetave. O nome vori vori é de origem guarani. O plural de uma palavra (geralmente) se faz por sua repetição, isto quer dizer, vori significa um, mas vori vori são duas ou mais bolinhas. Ñe’ẽ vori, omomokõivo he’iséva pe tembi’u vori vori, ou España, ñe’ẽ bolitagui, oñe’ẽ haguã pe mba’e apu’a avatiguigua oĩva pe jykysýpe). A palavra vori, que ao duplicar-se significa a comida vori vori, vem do espanhol, da palavra bolinha para referir-se ás bolinhas de milho que se encontram no caldo. Pe ñe’ẽ bolita ohasáva guaraníme ymave oje’e borita ha amo hu’ãme oñemombyky ha opyta vori. Upévare vori vori ha’e bolita, bolita. A palavra bolinha que passou ao guarani foi a palavra borita e, finalmente, se apocopou em vori. Então, vori vori é bolinha ou bolinhas. Mba’emba’épa oraha - Ingredientes Vori vori tee ojejapo hag̃ua ojeporu avati ku’i, kesu pyahu, jukysy hypu’ũ porãva ha avei y. Oĩ avei mbuéicha oñembosako’íva ha ojehero vori vori morotĩ. Oraha umi ambue ndive ñandy, áho, sevói, kurapepẽ, kamby ha arro. Para fazermos o vori vori típico usamos farinha de milho branco, queijo fresco, caldo gordo e, naturalmente, água. Há outras variantes denominadas genericamente vori vori branco. Levam, outros ingredientes, azeite, alho, cebola, abóbora, leite e arroz. Mba’éichapa oñembosako’i - Preparação Oñemoĩ peteĩ mba’yrúpe avati ku’i ha kesu oñembo’i pyre, ha oñemyakỹ vevuimi ko jehe’apy pe jukysy rykuépe ojejapo hag̃ua peteĩ masa ha ichugui oñembyapu’a vori. Coloca-se a farinha de milho e o queijo ralado em um recipiente, molhando esta mistura com o caldo gordo (da galinha) até formar uma massa com a qual se formarão as bolinhas. Umi vori tuichava’erã peteĩ parral’a tuichávaicha. Oñembosako’i rire umi vori oñeikotevẽtava, ojepoi peteĩteĩ pe jukysy opuvahínape ha ojeheja opupuve 10 ravo’i rupi. Pe tembi’u hypy’ũetereíramo ikatu oñemoĩve pype ytaku hi’yve hag̃ua. Cada vori deverá ter o tamanho de uma uva grande. Depois de preparada a quantidade necessária de bolinhas, se solta, uma a uma, no caldo fervente e deixe-as ferver por 10 minutos. Se o caldo estiver muito espesso, pode-se colocar mais água quente. Ambue marandu - Outras informações Vori vori yma guare ojekuaa avei vori vori jukysýpe. Vori vori. O vori vori tradicional é conhecido também como vori vori sopa. Vori vori ojekuaavéva ha’e vori vori ryguasuguigua. Kóva ojejapo hag̃ua oñemoĩ pe jukysýpe ryguasu oñemongakuaáva ogaháre ro’o pehẽngue hẽngue oñembochyryry porãva’ekue upe mboyve pytã ha herakuã’asy peve, okai’ỹme. Uma das receitas mais difundidas é a do vori vori de galinha. Este tipo fazemos colocando no caldo pedaços de galinha caipira, previamente dourados na própria gordura, até que ficar dourado forte, mas evitando que se queimem. Vori michĩetereíramo oñembohéra tu’ĩ (kotórra) rupi’a (tupi’a), péva he’ise tu’ĩ rupi’a. Quando as bolinhas são muito pequenas dá-se o nome de tu’ĩrupi’a, isto é, ovos de periquitinhos. Vori vori oĩ umi mbovymi tembi’u paraguái apytépe ojejuhúva opaite mesápe tetã Paraguáipe, jámane imboriahúva térã iviru hetáva rógape. Ojuhúta ichupe umi jekaru kakuaa oĩhápe ha upéichante avei umi tapỹi okára mboriahumíme. O vori vori é uma das poucas comidas paraguaias que se encontra em todas as mesas do Paraguai, tento na mesa de rico como de pobre. Encontra-se tanto em banquetes como também em humildes mesas de ranchos rurais.

19/04/2009

Ka’i Ha Jaguarete - O Macaco e a Onça

Jaguarete jeko ho’úse tapia ka’i. Ymaguare ha’e ojeka mba’éichapa ho’u haguã ichupe. Ha ka’i ningo ndaitavýi voi. Peteĩ ára, ka’aguýpe, kuarahy ijyvate jevýma hína, Jaguarete ohendu sapi’a peteĩ tok, tok. Peteĩ tekove ombota oĩ hápe yvyra oikytĩ haguã. Upemáramo he’i ojeupe: - Che aháta ahecha máva piko ojapo hína upéa. Ha oho. Oguahẽ ka’aguýpe ha omaña Ka’ípe. Ha’e nipo oikytĩ oĩ hápe yvyra ojapo haguã hógarã. Jaguarete oguahẽ upépe ha ojuhu ka’i omba’apo heta. Ha’e omboja’ose hína yvyra rehe. Ndohupytýi mba’eve. Ha’e peteĩmínte ningo ihácha. Ha Jaguarete he’i ichupe: - Che ro’úta! Ko’agã che rou’úta! Ko’agã repagata odeve chéve. Ka’i pya’e voi oikuaáma mba’épa ojapota Jaguarete rehe. Ha he’i ichupe: - Ko tembiapo kóva hasyeterei ijapópa. Ajerureta ndéve peteĩ mba’e. Epytyvõmi chéve amboja’o ko yvyra ha upéi che’u. Rejapo rejaposéva. Jaguarete oñembotavy kuri. - Iporã, Jaguarete he’i Ka’ipe. Amboja’o haguã yvyra, tekotevẽ mokõi hácha. Peteĩ ohekýi aja ambue omoĩ pono oñemboty ichugui. Ka’i peteĩnte oguereko hácha ha upearã ndaikatúi ojoka. Ha upéarehe he’i jaguaretépe oipytyvõ haguã ichupe. Ka’i ningo ndaitavýi voi. Ha’e oikuaa mba’épa ojapota Jaguarete rehe ndo’úi ichupe. Ka’i he’i jaguaretépe: - Ágã aitýta che hácha ko’ápe ha ko yvyra ojejurupe’a jave emoĩ mokõive nde po pono oñemboty. Upéicharamo mante japópa voíta. Upéi katu che’úta. Ha ka’i oity ihácha umi yvyra rehe. Pe yvyra ojejurupe’a porã. Ha’e he’i jaguaretépe: - Emoĩ katu nde po mokõive pe yvyra pa’ũme. Ani rehekýi nde po. Jaguarete omoĩ ipo yvyra pa’ũme. Upe jave Ka’i ohekýi pe ihácha. Ha yvyra oñembotýpe Jaguarete po mokõive rehe hatã ojopy yvyrápe. Jaguarete opyta hasẽ hína upépe. Ka’i, katu opo yvyra rakã rehe ha oñe’ẽ: - Mba’éiko ojehu ndéve, che ryke’ými. Upéarehénte piko resapukai eterei? Uperõ ohoma yvyra yvate. Aratirícha ipy’ae, Ka’i okañy jevýma jaguaretégui. Jaguarete katu opyta upépe omba’apo oipe’a haguã ipo pe yvyra pa’ũmegui. Jaguarete ojerereko iñakarandúvaramo, ha nipora’e itavy. Ka’i peteĩ jevy okañỹ Jaguaretépe ha ha’e ndo’úi ka’i. Ka’i katu imba’ekuaáve (iletrado) jaguaretégui. A Onça e o Macaco Dizem que a onça sempre quis comer o macaco. Há muito tempo ela procurava um modo de comê-lo. Mas o macaco não é bobo. Um dia, na mata, o sol já estava alto, de repente a onça ouviu um toc, toc. Alguém estava golpeando uma árvore para cortá-la. Então a onça falou consigo: - Vou ver quem está fazendo isso E foi. Chegando à mata, a onça viu o macaco. Na verdade ele estava derrubando uma árvore para fazer sua casa. E a onça chegou ali e encontrou o macaco trabalhando muito. Ele queria partir a madeira. Não estava conseguindo nada, pois ele só tinha um machado. A onça chegou e disse a ele: - Vou te comer! Agora vou te comer! Tu vais me pagar tudo o que me deves. O macaco, rapidamente, já sabia o que fazer com a onça e disse a ela: - Este trabalho é muito difícil de realizar. Vou te pedir um favor. Ajude-me a partir está madeira e depois me comas. Faças o que queres fazer. A onça bobeou. - Está bem, a onça disse para o macaco. Para partir uma madeira precisa-se de dois machados. Quando um abre, o outro entra para não fechar a abertura. O macaco tinha só um machado e por isso não estava conseguindo rachar a madeira. Então pediu para a onça ajudá-lo. O macaco não é bobo. Ele sabe o que fazer para a onça não comê-lo. Disse para a onça: - Agora vou cortar aqui com meu machado e quando abrir a fenda, tu pões tuas duas mãos para não fechar o corte. Assim vamos acabar logo. Depois tu podes me comer. O macaco enfiou seu machado na madeira. A madeira abriu-se bem. Então ele disse para a onça: - Metas tuas duas mãos na abertura da madeira e deixe-as ali. A onça colocou as mãos na fenda. O macaco tirou o machado. A madeira fechou-se e as duas mãos da onça ficaram bem presas na madeira. A onça ficou chorando ali. O macaco saltou em um galho de árvore e falou: - O que aconteceu contigo, meu irmãozinho! Apenas por isso estás gritando tanto? Então foi para o alto da árvore. Mais rápido que um raio, o macaco fugiu, outra vez, da onça. Ela ficou ali trabalhando para tirar suas mãos da fenda da madeira. A onça acha-se sábia, mas é boba. O macaco, mais uma vez, correu da onça e ela não o comeu. O macaco é mais sabido que a onça.