16/05/2009

Ka'a mombe'upy - Lenda da erva-mate

KA’A mombe'upy - Lenda da erva-mate Peteĩ áraje Ñande Ru ou, tujamíramo, yvy ape ári oguatávo. Ikane’õmarõ oheka peteĩ ogami opytu’u haguã. Dizem que uma vez Nosso Pai veio, já estava velhinho, passear na terra. Já estava muito cansado e procurou uma casinha para descansar. Ohohápe mavave ndoipe’ái ichupe hóga rokẽ. Maymávante oñembotavypa ichugui. Ipahaitépe, oguahẽ peteĩ tujami rógape. Ao chegar ninguém lhe abriu a porta da casa. Todo só o enganava. Por fim, chegou a casa de um velhinho. Ogajára ombohasa ichupe hógape, ome’ẽ ichupe y ha tembi’u, ha okemi haguã avei ome’ẽ ichupe. Upe tujami oikoje itajýra ndive, ha mokõive rasa oñangareko porã Ñande Ru rehe. O dono da casa convidou-o a entrar na casa, deu-lhe água e comida e também cama para ele dormir. Dizem que esse velhinho, com sua filha, cuidaram muito bem de nosso Pai. Ohecharamógui tujami ha tajýra reko marangatu, Ñande Ru ojevy rire yvágape omoheñoiukáje tujami róga korapýpe, peteĩ ka’avo pyahu avave ndoikuaáiva. Porque viu que o velhinho e sua filha eram pessoas boas, Nosso Pai, depois de voltar ao céu, fez nascer no quintal da casa do velhinho, uma planta nova que ninguém conhecia. Upei oguahẽkuri tujami rendápe Ñande Ru remimbou; ombo’eva’ekue tujami ha tajýrape mba’eichaitépa ojepuru’arã upe ka’avo pyahu, hérava ka’a, opytava’ekue mokõivéva poguýpe. Depois chegou ao lado do velhinho, Nosso Pai, ensinou ao velhinho e sua filha como usar aquela planta nova, chamada erva-mate, que ficou sob a guarda dos dois.

14/05/2009

O leão e o rato: Leõ ha anguja Esopo (620-560 a.C.) - As fábulas de Esopo são uma coleção de fábulas creditadas a Esopo, um escravo e contador de histórias e que viveu na Grécia Antiga. Peteĩ jevy osẽ haitýgui peteĩ anguja ha ojejuhu peteĩ leõ tuichaitereíva ndive. Leõ ohechávo ichupe ho’useterei. Era uma vez um rato que saiu de sua toca e encontrou um enorme leão. O leão queria comê-lo. - Anína che’u leõ. Ikatúnte peteĩ árape reikotevẽ cherehe. Leõ ombohovái: - Mba’e che piko aikotevẽta nderehe, nemichĩeterei ningo! - Por favor, leão não me comas. Pode ser que um dia precise de mim. O leão respondeu-lhe: - Como precisarei de ti, tu és, realmente, tão pequeno? Leõ ohechávo mba’e michĩmi ipy’akangypaite ha opoi ichugui. O leão, ao ver quão pequeno era o rato, teve muita pena e soltou-lhe. Peteĩ ára, anguja ohendu ongyryry vaipaitéva. Upéva karai leõ. Og̃uahẽvo oĩháme, ohecha leõ ñuhã ryepýpe. Um dia, o rato ouviu uns rugidos terríveis. Era o senhor leão. Ao chegar no lugar, viu o leão dentro de uma rede. - Che roguenohẽta upégui! He’i anguja. - Nde? Nemichĩeterei, nandepu’akamo’ãi. - Eu te salvarei! Disse o rato. - Tu? És muito pequeno, acho que tu não és capaz. Anguja oñepyrũ oñamindu’u iñapytĩháre ha leõ isãso. O rato começou a roer a corda da rede e o leão pôde salvar-se. Upe guive, ha’ekuérantema angirũ ojohayhúva. Desde então, os dois ficaram amigos para sempre.

13/05/2009

Maravichu

Maravichu - Ñe’ẽñemiguerojera - Adivinhas Maravichu, maravichu, ha’e tavarandu ha’e umi porandu ojejapóva heta mba’ére ha ñañepyrũ péicha: - Maravichu, maravichu mba’émbotepa: ha oha’ãrõva ñembohovái katupyry. O que é, o que é: adivinhas pertencem ao folclore e são perguntas que se fazem sobre muitas coisas e começam assim: - o que é, o que é: e das quais esperam-se respostas corretas. Techapyrã - Exemplo. Maravichu maravichu, mba’émotepa, ñapo’ẽramo hesape okaru.Mbohovái: jetapa.O que é, o que é: quando colocamos a mão em seus olhos ela come. Resposta: tesoura.
Maravichu, maravichu, mba’émotepa: peteĩ karai po’i oike ka’aguýpe haosẽ iñakã rehe ysypo.Mbohovái: ju.
O que é, o que é: um senhor magro entra no mato e sua cabeça sai por um cipó. Resposta: agulha.
Maravichu, maravichu mba’émbotepa: ko’ẽvo opu’ã ha pyhare oke.
Mohovái: kuarahy.
O que é, o que é: de manhã levanta e de noite dorme. Resposta: o sol.
Maravichu, maravichu mba’émbotepa: ojere ndaha’éi Karroséu, oguereko ju ha ndaha’éi ao’apoha.
Mbohovái: aravopapaha.
O que é, o que é: Gira e não é carrossel, tem agulha e não é costureira
Resposta: relógio.