19/01/10

CHAVUKU - Mymbakuéra mombe’upy - Lenda sobre animais

http://guaraniportugues.blogspot.com/

CHAVUKU - Mymbakuéra mombe’upy
CHAVUKU - Lenda sobre animais

Ohai Guaraníme: David Galeano Olivera

http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/chavuku-1

Ahendu haguã: http://www.logoslibrary.eu/pls/wordtc/new_wordtheque.w6_context.more_context?parola=0&n_words=1&v_document_code=239&v_sequencer=10336&lingua=gn






Ymáje oikova’ekue Guaranikuéra apytépe peteĩ karia’y iporã ha imbaretéva, hérava Chavuku. Mavave ikatu’ỹva ombojoja ichupe katupyry ha mbaretépe.
Ojeroviaitereígui ijehe Chavuku nohenduvéi Tuvichavetépe. Péicha avei opuka jahéi vai umi itujavéva rehe. Maymávante okyhyje ichugui.
Peteĩ ára, peteĩ kuimba’e katupyry oñemoangirũse hese. Chavuku ndoipotáigui iñirũrã he’i ichupe: “Che chembareteve. Upévare naikotevẽi angirũre”, upéi Chavuku ojuka upe karia’ýpe.
Ambue árape ojejuhu peteĩ tuicháva mborevi ndive. Mborevi ojerovia imbaretére. Chavuku he’i ichupe: “Che chembareteve” ha ojeitýmakatu hi’ári. Mborevi ojehekýi ichugui ha osẽ oñani ka’aguýre.
Oĩva guivénte okyhyje ha oñani henonderãgui.
Chavuku nomba’apóigui ndoguerekói hi’upyrã, upehaguére oñepyrũ omymbajukareipa, jepémo naiñembyahýi.
Upéinte, Ka’apóra, ka’aguy ñangarekohára, ojehechauka ha oñemoñe’ẽ ichupe. Chavuku, jepiveguáicha he’ijevýma ndaiporiha ha’éicha imbaretéva ko yvy ape ári ha puka sorópe. Upéicharõ jepe, ome’ẽ iñe’ẽ Ka’apórape, he’ívo nomymbajukareimo’ãiveha.
Mavave noñembojavéi hese; opavavénte okyhyje ichugui. Ha’eñoite ojehecha. Ohohápente hóvare omboty hikuái okẽ.
Peteĩ ára Chavuku oguahẽ peteĩ tujami tapỹi me. Tujami he’i ichupe: “Ndaikatuvéima amýi ha ndarekói mba’eve ame’ẽ haguã ndéve; jepérõ upéicha, agãitéma oguahẽta hikuái kokuégui che ra’ykuéra. Ha’ekuéra oguerúta avati”.
Chavuku he’i ichupe “Nda’uséi avati, nde ra’ykuérante umi itavýva ajeve ho’u avati”. Upéi he’ive “Itujáva guive omanova’erã, mba’evéma ndaikatúi ojapo, ndaikatupyryvéima”.
He’ipávo umi mba’e Chavuku ojuka tujamíme.
Upe riremínte oguahẽ tujami ra’ykuéra ha ohechakuaávo hikuái mávapa itúva jukahare, oñondivepa osẽ omuña ha ojuka hikuái Chavukúpe.
Ñande Ru ohenói Chavuku ángape ha he’i ichupe: “Ani reñemondýi, reikovejevýta; jepiveguáicha, nde nembaretevéta. Rejapóta rejaposéva, reguerekóta reipotáva guive “.
Tuicha vy’ápe Chavuku ou jevy yvy ape ári, upéicharõ jepe, maymávante oñani henonderãgui.
Ohecha rire ha’ãnga hoy’u jave ysyrýpe, ohechakuaa hete ojoguaha peteĩ mbarakaja guasúpe, nimbora’e oiko ichugui jaguarete. Py’atytýipe oguereko te’ỹi atýpe.
Upéi, heta ára ohasa rire, omano ha hetekue opyta umi mymba ipy’amirĩvéva rembi’urã.




Tradução para o guarani: Cecy Fernandes de Assis.
http://guaraniportugues.blogspot.com/




Dizem que antigamente vivia entre os guarani(s) um jovem bonito e forte chamado Chavuku, ninguém podia igualar-se a ele em destreza e força.
Porque acreditava muito em si próprio não ouvia mais seus superiores.
Assim também se ria com desagrado das pessoas mais velhas. Todos lhe temiam.
Um dia, um jovem hábil quis fazer amizade com ele. Chavuku não aceitou sua amizade disse-lhe: “Eu sou mais forte, por isso não preciso de tua amizade” logo Chavuku matou esse jovem.
Outro dia encontrou-se com uma grande Anta. A Anta acreditava em sua força. Chavuku disse-lhe: “Eu sou mais forte”, e já se jogou sobre ela. A Anta se esquivou dele e saiu correndo para o mato.
Todos lhe temiam e corriam da sua frente.
Porque Chavuku não trabalhava, não tinha o que comer, assim começou a matar a toa todos os animais, por isso não passava fome.
Por fim, o Ka’apóra, cuidador do bosque, demonstrou e dialogou sobre seu comportamento.
Chavuku, como sempre, continuava dizendo que não existia outro como ele na terra. Mesmo assim, deu sua palavra ao Ka’apóra, dizendo-lhe que já não mataria mais os animais.
Ninguém se aproximava mais dele, todos o temiam. Encontrava-se sozinho. Em qualquer lugar que ia, em sua cara, batiam-lhe a porta.
Um dia Chavuku chegou à casa de um ancião. Este disse-lhe: “Já não posso mover-me e não tenho mais nada para dar-te; mas logo chegarão meus filhos da chácara. Eles trarão milho “.
Chavuku disse-lhe: “Não quero comer milho, só a teus filhos, que parecem estarem loucos se lhes apetece comer milho. “ Logo disse: “Todos os anciãos devem de morrer, já nada podem fazer, não servem para nada “.
Ao acabar de dizer tudo isto, Chavuku matou o pobre ancião. Logo ao chegar os filhos do ancião e ao ver quem era o assassino de seu pai, todos juntos perseguiram Chavuku até alcançar e dar-lhe morte.
Nosso Pai chamou Chavuku e disse-lhe: Não te assustes, vais viver de novo; como sempre, vais ser ainda mais forte. “Vais fazer o que queiras, vais ter tudo o que queiras “.
Com muita alegria Chavuku voltou à terra, e mesmo assim de novo todos saiam correndo de seu caminho.
Enquanto bebia água do córrego, se viu refletido na água, e viu que seu corpo parecia- se a um gato grande.
Com fortes latidos no peito andava entre as pessoas.
Depois de muito tempo ele morreu e seu corpo ficou para comida dos animais mais indefesos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.