10/01/10

Ka’aru kirirĩ - Tarde calada - Susy Delgado



Ka’aru kirirĩ - Tarde calada - Susy Delgado



http://www.antoniomiranda.com.br/Iberoamerica/paraguai/susy_delgado.html


Tradução para o português: Antonio Miranda




Upe ka’aru nomỹiri, te’onguetýicha kuri. Tã tã ipu mombyrýva mante oñehendu, itapu kororõ tujaguive.
A tarde estava calma como um cemitério. Só se ouvia, de vez em quando, o tantã distante de um rouco campanário.
Tavaguasu ojeaho’i reboso ñembyasýpe ha itindy, okirirĩ. Ha’ete ku hasẽva kirirĩháme, tesay’ỹme. Ikatu te’onguety voi ra’e.
A cidade, envolta de um rebuço triste, se agachava, calada. Parecia chorar em silêncio, sem lágrimas. Era talvez um cemitério.
Ha katu osoro sapy’a sapukái pyaupa kusuvi, ojokaitéva umi te’ongue angapyhy. Guyraita ratatĩ ojupi sarambípe, iñapañuái yvytu tarovárehe oguahẽ va’ekue hayhupára ñemyrõicha, ojasurúva opaite kuárape.
Mas surgiu de repente um torvelinho de gritos destemperados, quebrando por completo a paz daqueles mortos. E uma nuvem de pássaros se ergueu desordenadamente, enredando-se no vento enlouquecido que chegou como um amante despeitado, violando todos os vazios.
Yvytu pochy oinupa ha ombopepa yvoty ha tataindy, ha upérõ guarã mba’e sunu hatãvévape, oĩ osapukáiva ñembo’e ojekuaa’ỹva, oñohehápe opárupi mba’ery ka’urã hũ ha inéva, umi ita jehaipyre apytépe.

O furacão enlouquecido aplastava com palmadas certeiras as flores e as velas, quando no trono mais potente, alguém gritou uma oração estranha, espargindo um licor escuro e malcheiroso entre as lápides.

Peteĩ anguja ohua’ĩ te’ongue róga tujágotyo, ohekahápe ñemo’ã ha peteĩ tesapirĩ oikarãiva sununúpe, oveve kangy sapy’aitemi, tague hüngymíva, vevúi asy, yvytimbo sa’yju apytépe.

Um rato escapou na direção dos jazigos mais antigos buscando refúgio e em um segundo que marcou o estrondo, suspendeu um minuto, penugem gris, suave, entre a poeirada ocre.

Ha peteĩ mbarakaja ombohovái sapukáipe, guataha kyhyje, pya’e opiãva ka’arúre.

Um gato pôs um eco no grito, caminhante assustado, fugaz na tarde.

http://guaraniportugues.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.