12/01/10

Mandi’o mombe’upy - Lenda da mandioca.



Mandi’o mombe’upy - Lenda da mandioca.
http://www.datamex.com.py/guarani/tembihai_aty/mombeupyra/origen_de_la_mandioca.html


Mitãkuña neporãva kasíke rajy, ijypykuéra ohayhuetereíva, pykasúicha imarã’ỹva ha py’a potĩ mbyechaukaha teetéva, ogueroko’ẽ sapy’a umi pore nañanembotavýiva ohechaukáva hyeguasuha.

Upe kasíke, ipochyetereihápe, oporandu randu reipa mávapa ojapo hese upe mba’e vaiete. Pe mitãkuña mba’eve ndikatúi omombe’u. Upéramo itúva oja’ovaihápe he’i ichupe ojukataha, ha upeichavérõ ndorekói ñe’ẽmbojevy.

Upémaramo mitãkuña ho’a itasãme ha oñemoangaipa.

Ha upe jejuka pyhare ambuépe, kasíke oreko kuri kerayvoty iñambuéva, ou ndaje ichupe ikérape peteĩ tete herunguáva, morotíva amangu’i ro’ýicha, yvytyrusúgui, he’íva ichupe ohecha va’erãha itajýrape imara’ỹramo, jepe hyeguasu hína.

- Ha’e naiñangaipái, naiñangaipáiko nde rajy. He’ije upe anga.

Upe túva ñemondýipe ojapo he’i haguéicha ichupe upe mba’e, ha ndojapoukái upe jejuka.

Mitãkuña omoheñói peteĩ mitãkuña’íme ha omano. Upe mitãkuña’i, hérava Mani, ombovy’a kuri oĩháicha avakuérape.

Ha’e yvoty ñúicha iporã kuri, hory guyra ka’aguýicha, ha akóinte opurahéi, ojeroky ha opuka, hákatu áina!, ndoikovéi heta ary isy’ỹre, ha pya’énteko ohóma avei ndouvéi haguãguihápe.
Upe ñemano hetaiterei ndaje oñembyasy kuri ijava retãme. Oñoty ichupe hikuái peteĩ yvyra ypýpe oíva ka’aguy rembére. Ndahetái ára uperire osẽ ityvy árigui heta yvyra ra’e rogue porã porã iñambuéva, avavete voi ndoikuaáiva upérõ mba’épa hína upéva
Okakua rire umi yvyra’i, avakuéra otopa hapo orekoha so’o morotĩ hetereíva, ha upe guive oikuaa hikuái ou hague Tupã remimondo hendápekuéra, ha upe teko ndojekuaáiva ome’e hague ko’ãnga ho’o mayma avakuérape guarã.

Upe yvyra ra’e oñembohéra kuri “Mani ro’o”, ha upégui ningo osẽ “Mani’o”, térã Mandi’o.


Tradução para o português: Cecy Fernandes de Assis
http://guaraniportugues.blogspot.com/


A bela filha de um cacique, adorada por seus pais, inocente como uma pomba pura e de verdadeira castidade, apareceu um dia com os sinais inequívocos que indicavam gravidez.

O cacique, preso de uma grande indignação, em vão perguntou quem era o causador de sua desgraça.

A jovem nada pode dizer nada. O pai então a ameaçou com a pena de morte, mas nem assim obteve resposta.

Então a jovem foi feita prisioneira e condenada.

E ocorreu que a noite precedente à execução, o cacique teve um sonho estranho, apareceu-lhe um ser misterioso, branco como a neve das cordilheiras, que lhe disse que deveria considerar virgem sua filha, apesar de sua gravidez.

- Ela não tem a culpa, não é culpada, tua filha! Disse-lhe a aparição.

O pai assombrado levou em conta as palavras da aparição e revogou a pena capital.

A moça deu a luz a uma menina e morreu. A criança, chamada Mani, foi a alegria de toda a tribo

Sua morte foi motivo de uma dor imensa para toda a tribo.

Sepultaram-na ao pé uma grande árvore nos limites da selva virgem.

Em pouco tempo apareceram sobre seu túmulo lindas folhas de uma planta estranha, completamente desconhecida até então.

Quando a planta cresceu, os índios descobriram raízes que tinham uma carne branca de sabor bom, e então compreenderam que a tribo havia sido visitado por um mensageiro dos deuses, e que esse ser misterioso estava oferecendo agora sua carne a eles.

A planta recebeu o nome de Maní ro’o, carne de Mani, e tal foi a origem de Mandioca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.