14/01/10

POMBÉRO OJEHECHAUKÁRÔGUARE



FOTO: http://images.google.com/imgres?imgurl=http://fc05.deviantart.com/fs44/f/2009/142/8/5/Mr__Pombero_by_phuk13.jpg&imgrefurl=http://www.taringa.net/posts/arte/2853447/Galer%25C3%25ADa-de-Arte-T!---Mes-de-Julio.html&usg=__8uSZHDT_-yyCdQhgverJVurcA7c=&h=816&w=885&sz=227&hl=pt-BR&start=255&sig2=HGhtiNgOhdNiiC8B1zdtDw&um=1&tbnid=4l_zw9FzsO9xAM:&tbnh=135&tbnw=146&prev=/images%3Fq%3Dpomb%25C3%25A9ro%26ndsp%3D21%26hl%3Dpt-BR%26rlz%3D1T4GGLJ_pt-BRBR317BR317%26sa%3DN%26start%3D252%26um%3D1&ei=ly5PS9K_FYG4lAf9pqCWCg

POMBÉRO OJEHECHAUKÁRÕGUARE

http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/pombero-ojehechaukaroguare
http://www.portalguarani.com/obras_autores_detalles.php?id_obras=9160

DAVID A. GALEANO OLIVERA


Mariscal López niko héra peteĩ tava'i opytáva Pirivevúi jerére. Upépe jeko oikova'ekue karai Vito, hembireko, itajýra ha ita’yrakuéra ndive. Mombyrymbyry opyta upégui ambue tapichakuéra róga, upéicharamo jepe, ha'ekuéra oguerekopaite upépe oikotevẽmíva guive: kokue, mymba, tembi’urã ha opa mba’e. Maymávante hesãi ha ijuruhe ijapytepekuéra

** Karai Vito okay’upa rire ndaje ohóma kokuépe omba'apo mokõive ita’ýra ypykue ndive. Hembireko, hérava ña Nati, opytánte ojapo tembi’u, ojaojohéi, oñangareko mitã’ikuéra rehe; ha omopotĩ hogami. Asaje ha pyharekue mante ojojuhupa hikuái karuhápe térã katu tataypýpe. Vito ha Nati hekopotĩ ha ikatupyry, akói omangakuaa mitã’ikuérape Hesu Kirito rapekue ohapykueho hağua. Upevarevoi niko oiméne ha’ekuéra ndogueroviái aipo Póra, Pombéro, térã Luisõ umíva oĩha, jepéramo ohendu hikuái hapichakuéra oñe’ẽrõ ko’ã mba’e rehe, ha’ekuéra oñembotavýnte ha ndogueroviái.

** Péicha jeko, peteĩ jey, ña Nati ojapóta jave karupyhare ohechakuaa opahague ichugui ryguasu rupi’a; upérõ ohenói imembykuña’i hérava Tavi ha he’i ichupe karai Sele rógagui ohomi hağua ojogua. Upe karai Sele róga ndaje opyta mombyrymi upégui, ha oñeğuahẽ hağua upépe ojehasamante’arã peteĩ ysyry.

** Ka’arupytữ ha ijaraipa, vaicháku tuichaiterei okýtavahina. Tavi oñembosako’i oho hağua, ha osẽta jave, isy omongavajumavoi ichupe: "Anikena reñembotavy ha aipo rekyhyjégui reju chéve ponandi reheve. Cháke tuichaiterei reipo’óta, ha nderekarupyharemo ãi hi’ariete".
** Osẽ Tavi ñanihápe oipykúi karai Sele róga rape. Uperireminte, oğuahẽvo tapeku’ápe, ohupytýma katu ysyry ohasáva’erã; ha oñepyrữta jave ohasa ysyry, ohecha sapy’a kuimba’e’i hữ, ivai ha haguepáva, ojoguáva karaja’ípe, oñemyatymóivahina upe ysyry rembe’ýpe. Tuicha oñemondýi Tavi ha pya’épeko osẽ upégui ha ojapijey hóga gotyo. Oğuahẽmbotávo hógape imandu’ajey sapy’a isy ñe’ẽnguére: "Anike reju chéve ponandi reheve". Upépe ohechakuaa oğuahẽramo hogamime ryguasu rupi’a ỹre tuichaiterei oipo’otaha. Oñepy’amongeta rire sapy’ami, osẽ ohojey karai Sele róga gotyo, Áğa katu, ambue tape rupi oho. Riremínte ohupi mokõi yvyrarakã’i ha ojapójeko umi mokõivégui peteĩ kurusu, ha péicha avei oñepyrữma oñembo’e oikuaamíva guive. Oğuahẽvo ysyry rembe’ýpe o juhujeýma kuimba’e’i, ha tuichavéntema oñemondýi ha oñani.

** Tesay kukúipe oğuahẽhógape ha oñemboja isy rendápe omombe’úvo ichupe ohechava’ekue. Ña Nati ndogueroviái mba’evete ha upepentema voi ohenóikuri Tavi kyvy ypykuépe, hérava Kalo’i, ha he’ikuri chupe: "Tereho ejogua ñandéve ryguasu rupi’a karai Sele rógagui pya’e porã che memby, ha aníke nde avei reñembotavy chehegui". Kalo'i osẽ mboyvemi Tavi oñembo ja ha omombe’ujey chupe upe ohechava’ekue. Upéicharamo jepe, Kalo'i oho ha oujey ryguasu rupi’a rehe ohecha’ỹre mba’eve. Upémarõ, ña Nati tuichavéntema oja’ókuri Tavípe, ha vokóikema ipojái typycha hữre. Hetaitereíanga ombyepoti imembykuña’ípe ijapuhaguére, ha karupyhare’ỹre omondo ichupe tupápe oke hağua.

** Tavi ndaikatuivoíkuri oke ha ombotysapy’amíramomba’e hesa, ohecha iképe kuimba’e’i vaietépe. Voi opu’ã ha pochy reheve oho tamói rógape omombe’úvo hembiasakue ichupe. Karai Noni, upéicha hérava’ekue Tavi ramói, ogueroviapaite umi mba’e ojehuva’ekue mitãkuña’ípe, ha upévare oúkuri hendive oja’o heta porã ña Natípe: “Ağante ojehechau-kánendéve avei ha upépe ae regueroviáne. Upévako reikuaaséramo ha’e karai Pombéro", he’ijekoraka’e karai Noni. Ña Nati katu ombohovái chupe pukavy pa’ữme ha jahéi nungápe: "Nangána taita, umi mba’e niko ndaipóri. Japureínteko".

** Ohasa rire peteĩ jasy, karai Vito oñepyrữ, karrétape, ogueroja Pirivevúi peve takuare’ẽ ohepyme’ẽ hağua. Ko tembiapópe ndaje oipurúmiva’ekue mokõi karréta, peteĩme oguerahákuri ysyry rembe’y peve ha upégui ombohasa ha ogueraha ambue karrétape. Ña Nati ndaje ndahekoreiséi ha oipytyvõségui iména ha imembýpe, ojupi karrétape, opikanea guéi tujakuéra, ha ogueraháma katu takuare’ẽ.

** Oğuahẽvo ysyry rembe’ýpe ohecha mboypýri ağuima ouhahina iména ha imemby ambue karréta reheve. Upémaramo ha omotenondesevégui tembiapo, omoĩkuri ijyvaguýpe takuare’ẽ aty ojejokuapáva ombohasahağuáicha ysyry, ha upe jave ohecha sapy’a upe kuimba’e’i hữ, ivai ha haguepáva, oñemyatymóiva ijykerete. Tuichaiterei jeko oñemondýi ha osapukái, omombopa takuare’ẽ ogueraháva ijyvaguýpe ha itavyraívaicha oho oñemombo iména Vito jyva ári. Vito ha imemby ndive oñemboja ysyry rembe’y peve ha ndojuhuvéima mba’eve.
** Oğuahẽvo hikuái itapymíme, Vito rembireko ohenói Tavípe ha mbarete porã oañuã ichupe ha kunu’ữ pa’ữme he’i ichupe: "Añetémbora’e upe remombe’uva’ekue chéve che memby, cheñyrõmina ikatúrõ". Upete guive ña Nati okyhyje ñepyrữ ha oguerovia aipo Pombéro ikatuha sapy’apy’a ojehechauk

De: JAKAVERE YPYKUE (Asunción: Serie Ateneo de Lengua y Cultura Guaraní U.N.A., Edisa, 1989)


Quando o pombero apareceu - Quando o pombero apareceu
Tradução para o português: Cecy Fernandes de Assis
http://guaraniportugues.blogspot.com/



** Marechal López chamava-se um povoado não muito longe de Piribebuy. Ali, dizem que morava o senhor Vitor com sua senhora, suas filhas e seus filhos. Mesmo morando longe de seus vizinhos, tinham tudo o que necessitavam: chácara, animais, comida, e muitas coisas mais. Todos gozavam de boa saúde e tinham bom apetite.
**Depois do mate, o senhor Vitor sempre ia à chácara com seus dois filhos mais velhos para trabalhar. Dona Nati (Natividade), sua esposa, ficava preparando a comida, lavando roupa, cuidando das crianças e limpando a casa. Apenas na hora da sesta e de noite todos se encontravam para comer na cozinha (perto do fogo).
Vitor e Nati eram pessoas limpas e trabalhadoras. Procuravam criar seus filhos segundo os ensinamentos de Jesus Cristo (para que seguissem o caminho de Jesus Cristo). Provavelmente por isso não acreditavam nas histórias que circulavam por ali sobre fantasma, Pombero Lobisomem. Quando eles escutavam os vizinhos falar de tais coisas, se faziam de tontos e não acreditavam..


** Assim, por exemplo, uma vez, quando dona Nati estava prepararando o jantar, percebeu que se acabaram os ovos (de galinha). Então chamou sua filha (adolescente) Tavi (Otaviana) e disse-lhe que fosse à casa do senhor Sele (Celestino) para comprar mais. Essa casa (do senhor Sele) ficava algo longe dali, e para chegar a ela deveria atravessar um r
** Era um entardecer escuro e nublado e parecia que viria uma chuva torrencial. Tavi se preparou para sair e quando estava por sair, sua mãe ameaçou-a dizendo-lhe: - “Não te faças de tonta e nem penses em voltar aqui por medo, com as mão vazias. Aviso-te que receberás um grande castigo e, além disso, não jantarás”.

** Tavi encaminhou-se de imediato até a casa de senhor Sele. Pouco depois, na metade de caminho, alcançou o rio que passaria. E quando estava por começar a travessia, viu logo um homenzinho escuro, feio e peludo, parecido a um macaco, que se embalava na margem do rio. Assustadíssima, Tavi logo deu volta para regressar a sua casa. Mas a ponto de chegar de novo ali, vieram à sua memória as palavras de sua madre: "Nem penses em voltar com as mão vazias ". Lembrou que se chegasse sem os ovos seria castigada duramente. Pensando um momento, decidiu ir outra vez até a casa de senhor Sele, mas por outro caminho. Também fez uma cruz com dois raminhos de uma árvore, e rezou todas as orações que sabia. Contudo, ao chegar ao rio, viu outra vez o homenzinho, se assustou e saiu correndo.
** Chegou em sua casa banhada em lágrimas e se aproximou de sua mãe para contar-lhe o que havia visto. Dona Nati não acreditou em nada e ali mesmo chamou a Kalo'i (Carlinhos), o irmão mais velho de Tavi, para dizer-lhe: "Vá rápido à casa do senhor Sele, meu filho, para comprar ovos, e não se faça de besta". Antes que Kalo'i se fosse, ela aproximou-se de Tavi e a repreendeu outra vez sobre que havia visto. Mesmo assim, Kalo'i foi e voltou com os ovos sem ver nada. Então dona Nati repreendeu duramente a Tavi, e pegando uma vassoura castigou-a por ter mentido e mandou-a para a cama sem jantar.


** Tavi não podia dormir e cada vez que fechava os olhos via o homenzinho feio. Levantou-se aborrecida e foi à casa de seu avô para contar-lhe o acontecido. Senhor Noni (?) acreditou em tudo aquilo que havia acontecido á menina e por isso acompanhou-a para dar uma boa reprimenda em dona Nati. "Agora, logo ele se apresentará a ti e só então acreditará que ele existe. Para que saibas, que é o senhor Pombero", disse-lhe o senhor Noni. Mas Nati respondeu-lhe entre sorrisos: "Besteira, avô, essas coisas não existem. Pura mentira.
** Depois de um mês, senhor Vitor saiu para Piribebuy em sua carreta, carregando cana-de-açúcar para vender e fazer algumas compras. Nesse tipo de trabalho usavam-se duas carretas, uma para chegar ao rio e a outra para completar a viagem até o outro lado. Dona Nati, para não ficar sem fazer nada e porque queria ajudar a seu esposo e a seu filho, subiu na carreta, guiou os bois (velhos), e levou assim a cana-de-açúcar.
** Bom, ao chegar à margem (do rio), viu do outro lado que se aproximavam seu esposo e seu filho com a outra carreta. Então, como queria adiantar o trabalho, pôs embaixo do braço um (feixe) atado de cana-de-açúcar para atravessar assim o rio. Foi então quando viu logo o homenzinho escuro, feio e peludo, que se mexia de um lado a outro. Assustou-se, gritou, jogou toda a cana-de-açúcar que levava sob o braço, e como enlouquecida atirou-se nos braços de seu marido Vitor. Com Vitor e seu filho aproximou-se então da margem, mas não encontraram nada.
** Ao chegarem à sua casa, Nati chamou a Tavi e a estreitou em um forte abraço. Ternamente disse-lhe: "Pelo visto era verdade o que me contaste, minha filha. Perdoa-me se puderes". Desde então dona Nati começou temer ao Pombero e crer que ele podia aparecer a qualquer momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.