05/02/10

Ka´i ombotavýro guare aguarápe

http://guaraniportugues.blogspot.com/http://guaraniportugues.blogspot.com/
Ka´i ombotavýro guare aguarápe


Oiko ndaje ka’i rasaitéma ombopy’arasy ña Kali. Omongy´ápa ykua ichugui.
Péicha jepi ojapo hese ko’ẽ porã mboyve. Oipy’apy asy ichupe.
– Ágãnte ho’áne che poguýpe ha chehaitéma añembohorýta hese, he’ími ña Kali.
Peteĩ ára ha´e he´i ojeupe:
– Ajapóta ta’anga araity kakuaa porãva ha amoĩta ykua rembe’ýpe ainupã haguã ko tekove tavyrongo, he’í va´ekue pochyvére.
Upéicha, peteĩ ko’ẽ para para jave, ka’i oñemboja jevýma ohóvo ykuápe oñemotie’ỹ potávo. Ohechávo mba’e hũ guasu oñemboja ijypýpe ha he’i:

– Esẽ upégui!...

Nohendúi vaícha ichupe ha upéramõ hatãve osapukái:

- Esẽ upégui, ha’e ningo ndéve.

Nombohováimarõ ichupe oipopete ichupe peteĩ paft ha opa’ã hese:

– Ndéiko reimo’ã chepopeteĩ mba’e, he’i ha ohovapete ta´anga ichupe, ipo mokõivéma upépe opa’ã.

– Ndéiko reimo’ã ndachepýi mba’e. He’i juku’a kytãi vai ha okua hese.

Upépe opyta vaivéma mitã Ka’i.

– Nereñembohorýi chéne che rehe, hi’ambu ha opyvoi jevy.

Upeícha opyta opóvo ta’anga ku’áre ongyryry.

– Che rãiko ndaguerekói akaru haguãnte! Roisu’úta, roisu’úta.

Oñembohãimbiti ha oisu’úvo ichupe opyta omanórõ guáicha.

Nomýivéima mitã ka’i.

Upe jave oñemboja ña Kali ha osapukái ka’ípe:

– Ymaite guivéma chemopy’arasy reikóvo... Hasy peve re’ami che ñuháme nde, tekove tie’ỹ.

Ka’i oñemomanoite ta’anga araity ári.

– Rei reñembotavy nde, mba’e chavi. Che haitéma añembohorymíta nde rehe ko’ágã, iñe’ẽ pochy ña Kali.

Omoĩ ka’i ijyva guýpe ha oipykúi hóga rape. Oguãhẽ, oheka tukumbo ha oñapytĩ ka’ípe yvyra poguasu óga kupépe oĩva rehe.

– Epoimíntena chehegui, nachetie’ỹ mo’ãvéimako araka’eve.

– Upéva katu ndere’umo’ãi mante, che karai. Che haitémahína ko’ágã.

Ña Kali opuka puku hese ha osẽ upépe.

Ojecha vai ka’i, ombojeko iñakã yvyráre ha oñembyasy.

– Ko’ãga Che akyhyje ikóe, he’í ka´i.

Hesaho sapy’a aguaráre oñemboja mbegue katúva oúvo hendápe.

– Mba’ére piko reĩ reína péicha, che irũ, oporandu aguara.

– Namendaséi haguére, ka´i ombohovái. Lechãi niko chemomendase katuete imemby kuñáre. Che niko, iporãramo jepe imemby kuña. Namendaséi gueteri. Aiko porãiterei niko che año. Mba’e nde piko neremendaséi, che irũ.

– Amendase, che ningo yma guive hapykuéri aikóva. Mba’e piko ajapo va’erã, he´i aguara opuka reípa.

– Chejora pya’e aipórõ, toromoĩ che rendaguépe.

– Oĩma, che irũ.

Ojepokyty kyty ha ojora ra’e hapichápe. Ka’i, peteĩ tesapirĩme, oñapytĩ aguarápe.

– Ágã ojávo nde yképe ere ichupe remendataha, kuñaitéko ne rembirekorã, he’i ka´i aguara ijapysápe. Ha ka´i, bodokéicha, ogue ka’aguýre.

Upe riremínte osẽ oúvo kuñakarai ytaku pupu reheve. Ohechávo ichupe Aguara osapukái:

– Amendáta, amendáta ne memby kuñáre.

– Mba’e remendáta piko nde, tekove tie’ỹ. Kóina ápe he’u kóva.

Chuaa!... Ohykuavo hese ytaku.

Aguara opyta iñakuruchĩ yvyráre. Ka’i katu opyta akóinte itie’ỹ.


Quando o macaco enganou o guará
Dizem que o macaco, como tantas outras vezes, perturbava dona Kali. Sempre, antes de amanhecer, ele sujava a água de sua vertente. Isso a deixava furiosa.
– Qualquer hora ele cairá em minhas mãos. Então serei eu quem o enganará. Assim costumava dizer dona Kali.

Um dia ela disse a si mesma: – Farei uma grande figura de cera e colocarei perto da vertente para castigar esse macaco louco. Ela falava assim quando estava muito brava.

Uma manhã, ao amanhecer, o macaco aproximou-se da vertente para fazer suas travessuras.

Ao ver uma sombra negra e grande, acercou-se e disse: – Saia daí!...

A figura parecia não escutá-lo, então ele gritou mais forte:

– Saia daí! Estou te dizendo!

Como não teve resposta, plaft! Deu um tapa na figura e sua mão ficou grudada ali.

– Tu achas que eu tenho apenas uma mão? Ele disse e esbofeteou, com força, a figura.

Suas duas mãos ficaram presas.

– Acaso crês que não tenho pés? Ele disse, com voz entrecortada, e deu outros golpes, furando a figura.

Assim piorou a situação do pobre macaco.

- Não vais zombar de mim! Disse, respirando com força, e deu outra patada.
Assim ele ficou gaguejando e grudado na cintura da figura.
– Não tenho meus dentes apenas para comer! Vou te morder, vou te morder!

Abriu a boca e ao morder a figura, ele ficou como morto. Já não conseguia se mover o pobre macaco.

Nesse momento, dona Kali aproximou-se. Ela gritou para ele: – Há muito tempo que você me perturba... Mas por fim caíste na minha armadilha, seu mal-educado!

O macaco fingiu-se de morto sobre a figura de cera.

– Não adianta fingir, infeliz. Chegou a minha hora de zombar de ti. Assim disse, muito brava, dona Kali.

Colocou o macaco embaixo do braço e foi para sua casa. Chegou e procurou uma corda e atou o macaco numa árvore grossa que havia atrás da casa.

– Solte-me, por favor, nunca mais farei travessuras.

– Isso não será possível, meu senhor. Agora chegou minha vez. Dona Kali riu muito e saiu dali.

O macaco sentiu-se perdido. Encostou a cabeça na árvore e ficou muito triste.

– Agora estou com muito medo!

Ao dizer isto, desviou os olhos até uma raposa que se aproximava, lentamente.

– Por que estás assim, meu amigo? Perguntou a raposa.

– Porque não quero casar-me. Respondeu o macaco. A velha quer me casar, a todo custo, com sua filha. Mas eu, por mais linda que ela seja, não quero me casar. Vivo bem sozinho. E tu, não queres casar, amigo?

– Quero casar-me, estou afim dela, há muito tempo. O que devo fazer? Disse a raposa rindo bobamente.

– Então me desamarre rápido, para que eu te coloque em meu lugar.

– Está bem, amigo.

A raposa, esfregando as mãos, começou a desatá-lo. O macaco, num abrir e fechar de olhos, amarrou fortemente a Raposa.

– Quando ela aproximar-se, diga-lhe que vais casar e tua noiva é uma mulher de verdade. Isso o macaco disse no ouvido da raposa e mais rápido que bodoque, fugiu para a mata.

Pouco depois veio dona Kali com água fervente.

Ao vê-la a raposa gritou: – Vou me casar. Casarei com tua filha!

– Que casar que nada, seu sem-vergonha. Tome isto!

Chuaaa... Derramou na Raposa a água quente.

A Raposa ficou grudada na árvore e o Macaco continuou safado como sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.