22/04/10

Guarani yvágarehegua - Espaço celeste dos Guarani(s)

Constelação de Órion
http://guaraniportugues.blogspot.com/
Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.

Guarani yvágarehegua - Espaço celeste dos Guarani(s)

Site - http://www.astropar.org/html/cielodelosguaranies.html
Por Blas Servín, Gráficos: Arq. María Griselda Servín
Trabalho apresentado na sede da Sociedade Científica do Paraguai em 11/2000.
Mávapa: Prof. Gonzalo Pereira (Bolívia, Universidad Mayor de San Andrés da Paz)
Prof. Germano Afonso (Brasil, Universidade Federal do Estado de Paraná.

Mba’épa - Assunto
Como todas as culturas indígenas americanas, os guarani(s) projetam seu ambiente não céu e trata assim, até agora, de explicar as estrelas e os fenômenos celestes.
Concebem assim a terra como uma ilha ou continente que flutua em um oceano plano e infinito. Existem tantos mitos como tribos.
Astros e fenômenos astronômicos dos guarani(s)
Arandu – O que compreende a mensagem dos astros.
Arasy – Mãe do céu, cuja morada é a lua.
Kuarajy - (Ku = o; + ára = dia, luz, mundo; jy < sy = mãe, origem, fonte de onde emana algo). Morada de Tupã, Deus supremo dos guarani(s).
Mbyja ko’ẽ – Planeta Vênus, quando aparece pela manhã.
Ñanderutenonde/Ñanderuvusu – O criador de todas as coisas existentes, é invisível, puro espírito e se manifesta por meio dos fenômenos naturais: trovão, raio, fogo, etc.
Tome / Tume - dizem ser uma personagem vinda de regiões remotas que ensinou aos guarani(s) a agricultura, como organizar-se socialmente, etc.
Logo se retirou, prometendo regressar. Tome / Tume, lembra Quetzaltcoal dos astecas, Kukulkan dos maias e a Wiracocha dos Andes.
Tupã - É a forma divina e próxima ao homem. Para algumas tribos é o trovão, para outras o sol ou o semideus da chuva e do granizo.
Jasy - A lua, deusa da fecundidade, dos amores sexuais, do crescimento das plantas, é mãe das estrelas. Origem da raça ou deidade que criou a raça guarani.
Jasytata – Estrelas, luz da lua. As estrelas brilham pela luz da lua.
Jasytata guasu – O planeta Marte, onde foi a viver o espírito luminoso de Tume / Tome-, quem antes de retirar-se, prometeu que um dia se comunicaria com eles.
Yva / yvága – O céu está formado por várias capas transparentes. A última se chama pytũmba / arakañy (escuro / céu perdido), é uma região onde a luz do sol não chega.

O dia:
Ára – Dia
Ko’ẽ – Amanhecer.
Ko’ẽ mbota – Cerca do amanhecer.
Ko’ẽ ju – Inicio do amanhecer.
Ko’ẽ pytã – Amanhecer, aurora, cor rosada.
Ko’ẽ tĩ – Amanhecer limpo e claro.
Ko’ẽ soro – Quando a luz do dia rompe a escuridão.
Ko’ẽ mbama – Amanhecer definitivo.
Pyhareve – Manhã, do amanhecer ao meio dia.
Asaje mbyte – Meio dia.
Asaje – Sesta, das 13 às 15 horas.
Ka’aru – Tarde (de 15 horas ao crepúsculo.
Ka’aru pytũ – Crepúsculo vespertino.
Pytũ – Escuridão.

As Estações do ano
Os guarani(s) sabiam que depois de 12 luas cheias voltava o mesmo clima. Eles não tinham noção do ano, mas sim que em junho, ao aparecer, Eichu, Plêiades, no horizonte Leste um pouco antes do sol, marcava o regresso do ciclo agrícola e o festejam até hoje com a festa do Arete guasu.
Kuarahy ára, ára haku – Tempo do Sol (verão)
Ro’y ára – Tempo do frio (inverno)
Ama ára – Tempo da chuva


Fases Lunares:
Jasy pyahu – Lua nova
Jasy kakuaávo – Quarto crescente
Jasy renyhẽ – Lua cheia
Jasy ra’y – Quarto minguante

 
Mborevi Rape - Via Láctea, para algumas tribos, é identificada como caminho da anta. Animal noturno que sempre trilha o mesmo caminho entre sua toca e um ponto onde encontra alimentos ou água. As folhas secas pisadas, dia a dia, pela anta brilham à luz da lua. Nossos ancestrais projetavam esse caminho na a Via Láctea.
Tape Kue - Para outras tribos, a Via Láctea era o velho caminho, por onde vieram seus antepassados do espaço. Por onde um dia todos regressaremos. Para indicar-nos o caminho, os antepassados deixaram duas fogueiras, Nuvem Maior de Magalhães e a Nuvem Menor de Magalhães.


Eclipse - Jaguarete hovy - tigre azul - Era um animal mítico que vivia no céu. Em certas épocas do ano ele engolia a lua ou o sol. Ao ver este fenômenos os indígenas gritavam: - Jaguarete ho’u jasy. O tigre comeu a lua, ou: - Jaguarete ho’u kuarahy. O tigre comeu o sol. Lançavam ao espaço, flechas e pedras para que assim o Jaguarete hovy, assustado, cuspisse na lua ou no sol e assim regressasse a luz.


Eichu - Plêiades: Para os guarani(s) da região oriental as Plêiades representa uma colmeia de vespas existentes na América pré-colombiana.
Oñembyatýva - Para os guarani(s) da região ocidental, e os agrupamentos que são iguais a este grupo de estrelas. Aparece ao Leste, um pouco antes do sol, nos primeiros dias de junho. Como é época de frio, viam nesta nuvem estelar uma família indígena abraçada e tremendo de frio no céu.
A saída de Eichu ou oñembyatýva marcava a volta do ciclo agrícola, mas ou menos, como nosso Ano Novo. Nessa data as aldeias faziam uma ruidosa comemoração: Arete guasu. Era acompanhada de flautas, mimby tarara, e tambores, angu apu.


Cinturão de Órion - As estrelas que compõem este agrupamento representava uma mãe viúva, acompanhada de duas filhas, também viúvas, por causa de uma guerra. Elas choravam sua solidão no céu.
Mendare joayhu - Cúmulo estelar Híades (Touro) - Os guarani(s) batizados pelos missioneiros, viam a Virgem. Como as viam sempre juntas chamavam-lhes, o amor de um casal recém casados.


Jasy tata repoti - Merda das estrelas - Fenômeno celeste de mal augúrio, anunciava a morte de um grande chefe, mburuvicha, uma guerra, ou doenças, dali vem seu pitoresco nome.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.