14/01/2010

POMBÉRO OJEHECHAUKÁRÔGUARE



FOTO: http://images.google.com/imgres?imgurl=http://fc05.deviantart.com/fs44/f/2009/142/8/5/Mr__Pombero_by_phuk13.jpg&imgrefurl=http://www.taringa.net/posts/arte/2853447/Galer%25C3%25ADa-de-Arte-T!---Mes-de-Julio.html&usg=__8uSZHDT_-yyCdQhgverJVurcA7c=&h=816&w=885&sz=227&hl=pt-BR&start=255&sig2=HGhtiNgOhdNiiC8B1zdtDw&um=1&tbnid=4l_zw9FzsO9xAM:&tbnh=135&tbnw=146&prev=/images%3Fq%3Dpomb%25C3%25A9ro%26ndsp%3D21%26hl%3Dpt-BR%26rlz%3D1T4GGLJ_pt-BRBR317BR317%26sa%3DN%26start%3D252%26um%3D1&ei=ly5PS9K_FYG4lAf9pqCWCg

POMBÉRO OJEHECHAUKÁRÕGUARE

http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/pombero-ojehechaukaroguare
http://www.portalguarani.com/obras_autores_detalles.php?id_obras=9160

DAVID A. GALEANO OLIVERA


Mariscal López niko héra peteĩ tava'i opytáva Pirivevúi jerére. Upépe jeko oikova'ekue karai Vito, hembireko, itajýra ha ita’yrakuéra ndive. Mombyrymbyry opyta upégui ambue tapichakuéra róga, upéicharamo jepe, ha'ekuéra oguerekopaite upépe oikotevẽmíva guive: kokue, mymba, tembi’urã ha opa mba’e. Maymávante hesãi ha ijuruhe ijapytepekuéra

** Karai Vito okay’upa rire ndaje ohóma kokuépe omba'apo mokõive ita’ýra ypykue ndive. Hembireko, hérava ña Nati, opytánte ojapo tembi’u, ojaojohéi, oñangareko mitã’ikuéra rehe; ha omopotĩ hogami. Asaje ha pyharekue mante ojojuhupa hikuái karuhápe térã katu tataypýpe. Vito ha Nati hekopotĩ ha ikatupyry, akói omangakuaa mitã’ikuérape Hesu Kirito rapekue ohapykueho hağua. Upevarevoi niko oiméne ha’ekuéra ndogueroviái aipo Póra, Pombéro, térã Luisõ umíva oĩha, jepéramo ohendu hikuái hapichakuéra oñe’ẽrõ ko’ã mba’e rehe, ha’ekuéra oñembotavýnte ha ndogueroviái.

** Péicha jeko, peteĩ jey, ña Nati ojapóta jave karupyhare ohechakuaa opahague ichugui ryguasu rupi’a; upérõ ohenói imembykuña’i hérava Tavi ha he’i ichupe karai Sele rógagui ohomi hağua ojogua. Upe karai Sele róga ndaje opyta mombyrymi upégui, ha oñeğuahẽ hağua upépe ojehasamante’arã peteĩ ysyry.

** Ka’arupytữ ha ijaraipa, vaicháku tuichaiterei okýtavahina. Tavi oñembosako’i oho hağua, ha osẽta jave, isy omongavajumavoi ichupe: "Anikena reñembotavy ha aipo rekyhyjégui reju chéve ponandi reheve. Cháke tuichaiterei reipo’óta, ha nderekarupyharemo ãi hi’ariete".
** Osẽ Tavi ñanihápe oipykúi karai Sele róga rape. Uperireminte, oğuahẽvo tapeku’ápe, ohupytýma katu ysyry ohasáva’erã; ha oñepyrữta jave ohasa ysyry, ohecha sapy’a kuimba’e’i hữ, ivai ha haguepáva, ojoguáva karaja’ípe, oñemyatymóivahina upe ysyry rembe’ýpe. Tuicha oñemondýi Tavi ha pya’épeko osẽ upégui ha ojapijey hóga gotyo. Oğuahẽmbotávo hógape imandu’ajey sapy’a isy ñe’ẽnguére: "Anike reju chéve ponandi reheve". Upépe ohechakuaa oğuahẽramo hogamime ryguasu rupi’a ỹre tuichaiterei oipo’otaha. Oñepy’amongeta rire sapy’ami, osẽ ohojey karai Sele róga gotyo, Áğa katu, ambue tape rupi oho. Riremínte ohupi mokõi yvyrarakã’i ha ojapójeko umi mokõivégui peteĩ kurusu, ha péicha avei oñepyrữma oñembo’e oikuaamíva guive. Oğuahẽvo ysyry rembe’ýpe o juhujeýma kuimba’e’i, ha tuichavéntema oñemondýi ha oñani.

** Tesay kukúipe oğuahẽhógape ha oñemboja isy rendápe omombe’úvo ichupe ohechava’ekue. Ña Nati ndogueroviái mba’evete ha upepentema voi ohenóikuri Tavi kyvy ypykuépe, hérava Kalo’i, ha he’ikuri chupe: "Tereho ejogua ñandéve ryguasu rupi’a karai Sele rógagui pya’e porã che memby, ha aníke nde avei reñembotavy chehegui". Kalo'i osẽ mboyvemi Tavi oñembo ja ha omombe’ujey chupe upe ohechava’ekue. Upéicharamo jepe, Kalo'i oho ha oujey ryguasu rupi’a rehe ohecha’ỹre mba’eve. Upémarõ, ña Nati tuichavéntema oja’ókuri Tavípe, ha vokóikema ipojái typycha hữre. Hetaitereíanga ombyepoti imembykuña’ípe ijapuhaguére, ha karupyhare’ỹre omondo ichupe tupápe oke hağua.

** Tavi ndaikatuivoíkuri oke ha ombotysapy’amíramomba’e hesa, ohecha iképe kuimba’e’i vaietépe. Voi opu’ã ha pochy reheve oho tamói rógape omombe’úvo hembiasakue ichupe. Karai Noni, upéicha hérava’ekue Tavi ramói, ogueroviapaite umi mba’e ojehuva’ekue mitãkuña’ípe, ha upévare oúkuri hendive oja’o heta porã ña Natípe: “Ağante ojehechau-kánendéve avei ha upépe ae regueroviáne. Upévako reikuaaséramo ha’e karai Pombéro", he’ijekoraka’e karai Noni. Ña Nati katu ombohovái chupe pukavy pa’ữme ha jahéi nungápe: "Nangána taita, umi mba’e niko ndaipóri. Japureínteko".

** Ohasa rire peteĩ jasy, karai Vito oñepyrữ, karrétape, ogueroja Pirivevúi peve takuare’ẽ ohepyme’ẽ hağua. Ko tembiapópe ndaje oipurúmiva’ekue mokõi karréta, peteĩme oguerahákuri ysyry rembe’y peve ha upégui ombohasa ha ogueraha ambue karrétape. Ña Nati ndaje ndahekoreiséi ha oipytyvõségui iména ha imembýpe, ojupi karrétape, opikanea guéi tujakuéra, ha ogueraháma katu takuare’ẽ.

** Oğuahẽvo ysyry rembe’ýpe ohecha mboypýri ağuima ouhahina iména ha imemby ambue karréta reheve. Upémaramo ha omotenondesevégui tembiapo, omoĩkuri ijyvaguýpe takuare’ẽ aty ojejokuapáva ombohasahağuáicha ysyry, ha upe jave ohecha sapy’a upe kuimba’e’i hữ, ivai ha haguepáva, oñemyatymóiva ijykerete. Tuichaiterei jeko oñemondýi ha osapukái, omombopa takuare’ẽ ogueraháva ijyvaguýpe ha itavyraívaicha oho oñemombo iména Vito jyva ári. Vito ha imemby ndive oñemboja ysyry rembe’y peve ha ndojuhuvéima mba’eve.
** Oğuahẽvo hikuái itapymíme, Vito rembireko ohenói Tavípe ha mbarete porã oañuã ichupe ha kunu’ữ pa’ữme he’i ichupe: "Añetémbora’e upe remombe’uva’ekue chéve che memby, cheñyrõmina ikatúrõ". Upete guive ña Nati okyhyje ñepyrữ ha oguerovia aipo Pombéro ikatuha sapy’apy’a ojehechauk

De: JAKAVERE YPYKUE (Asunción: Serie Ateneo de Lengua y Cultura Guaraní U.N.A., Edisa, 1989)


Quando o pombero apareceu - Quando o pombero apareceu
Tradução para o português: Cecy Fernandes de Assis
http://guaraniportugues.blogspot.com/



** Marechal López chamava-se um povoado não muito longe de Piribebuy. Ali, dizem que morava o senhor Vitor com sua senhora, suas filhas e seus filhos. Mesmo morando longe de seus vizinhos, tinham tudo o que necessitavam: chácara, animais, comida, e muitas coisas mais. Todos gozavam de boa saúde e tinham bom apetite.
**Depois do mate, o senhor Vitor sempre ia à chácara com seus dois filhos mais velhos para trabalhar. Dona Nati (Natividade), sua esposa, ficava preparando a comida, lavando roupa, cuidando das crianças e limpando a casa. Apenas na hora da sesta e de noite todos se encontravam para comer na cozinha (perto do fogo).
Vitor e Nati eram pessoas limpas e trabalhadoras. Procuravam criar seus filhos segundo os ensinamentos de Jesus Cristo (para que seguissem o caminho de Jesus Cristo). Provavelmente por isso não acreditavam nas histórias que circulavam por ali sobre fantasma, Pombero Lobisomem. Quando eles escutavam os vizinhos falar de tais coisas, se faziam de tontos e não acreditavam..


** Assim, por exemplo, uma vez, quando dona Nati estava prepararando o jantar, percebeu que se acabaram os ovos (de galinha). Então chamou sua filha (adolescente) Tavi (Otaviana) e disse-lhe que fosse à casa do senhor Sele (Celestino) para comprar mais. Essa casa (do senhor Sele) ficava algo longe dali, e para chegar a ela deveria atravessar um r
** Era um entardecer escuro e nublado e parecia que viria uma chuva torrencial. Tavi se preparou para sair e quando estava por sair, sua mãe ameaçou-a dizendo-lhe: - “Não te faças de tonta e nem penses em voltar aqui por medo, com as mão vazias. Aviso-te que receberás um grande castigo e, além disso, não jantarás”.

** Tavi encaminhou-se de imediato até a casa de senhor Sele. Pouco depois, na metade de caminho, alcançou o rio que passaria. E quando estava por começar a travessia, viu logo um homenzinho escuro, feio e peludo, parecido a um macaco, que se embalava na margem do rio. Assustadíssima, Tavi logo deu volta para regressar a sua casa. Mas a ponto de chegar de novo ali, vieram à sua memória as palavras de sua madre: "Nem penses em voltar com as mão vazias ". Lembrou que se chegasse sem os ovos seria castigada duramente. Pensando um momento, decidiu ir outra vez até a casa de senhor Sele, mas por outro caminho. Também fez uma cruz com dois raminhos de uma árvore, e rezou todas as orações que sabia. Contudo, ao chegar ao rio, viu outra vez o homenzinho, se assustou e saiu correndo.
** Chegou em sua casa banhada em lágrimas e se aproximou de sua mãe para contar-lhe o que havia visto. Dona Nati não acreditou em nada e ali mesmo chamou a Kalo'i (Carlinhos), o irmão mais velho de Tavi, para dizer-lhe: "Vá rápido à casa do senhor Sele, meu filho, para comprar ovos, e não se faça de besta". Antes que Kalo'i se fosse, ela aproximou-se de Tavi e a repreendeu outra vez sobre que havia visto. Mesmo assim, Kalo'i foi e voltou com os ovos sem ver nada. Então dona Nati repreendeu duramente a Tavi, e pegando uma vassoura castigou-a por ter mentido e mandou-a para a cama sem jantar.


** Tavi não podia dormir e cada vez que fechava os olhos via o homenzinho feio. Levantou-se aborrecida e foi à casa de seu avô para contar-lhe o acontecido. Senhor Noni (?) acreditou em tudo aquilo que havia acontecido á menina e por isso acompanhou-a para dar uma boa reprimenda em dona Nati. "Agora, logo ele se apresentará a ti e só então acreditará que ele existe. Para que saibas, que é o senhor Pombero", disse-lhe o senhor Noni. Mas Nati respondeu-lhe entre sorrisos: "Besteira, avô, essas coisas não existem. Pura mentira.
** Depois de um mês, senhor Vitor saiu para Piribebuy em sua carreta, carregando cana-de-açúcar para vender e fazer algumas compras. Nesse tipo de trabalho usavam-se duas carretas, uma para chegar ao rio e a outra para completar a viagem até o outro lado. Dona Nati, para não ficar sem fazer nada e porque queria ajudar a seu esposo e a seu filho, subiu na carreta, guiou os bois (velhos), e levou assim a cana-de-açúcar.
** Bom, ao chegar à margem (do rio), viu do outro lado que se aproximavam seu esposo e seu filho com a outra carreta. Então, como queria adiantar o trabalho, pôs embaixo do braço um (feixe) atado de cana-de-açúcar para atravessar assim o rio. Foi então quando viu logo o homenzinho escuro, feio e peludo, que se mexia de um lado a outro. Assustou-se, gritou, jogou toda a cana-de-açúcar que levava sob o braço, e como enlouquecida atirou-se nos braços de seu marido Vitor. Com Vitor e seu filho aproximou-se então da margem, mas não encontraram nada.
** Ao chegarem à sua casa, Nati chamou a Tavi e a estreitou em um forte abraço. Ternamente disse-lhe: "Pelo visto era verdade o que me contaste, minha filha. Perdoa-me se puderes". Desde então dona Nati começou temer ao Pombero e crer que ele podia aparecer a qualquer momento.

Charge - Nicodemus Espinosa, Nico



Nico, jererohory. Parabéns!

13/01/2010

Guasu Ha Jatevu



Guasu Ha Jatevu

http://guaraniportugues.blogspot.com/


Peteĩ ára ndaje vichokuéra oñomboaty hikuái ka’aguýpe. Ha’e oñomongetase ha ombosako’i haguã peteĩ ñani guasu.
Guasu vicho oñanivéva ka’aguy pegua hína.

Ha umi ambue kuéra vicho okyhyje voi guasúgui.

Guasu oñani yvytúicha. Ha upéicha oikuaa jatevu.

Jatevu he’i ojeupe: - Che aha’ãta ko ñani guasu ha che aguahẽ mboyve guasúgui. Ha oho pe guasu rendápe oñemongeta haguã ha avei aha’ã haguã.

Jatevu heta ñembohovái. Ha guasukuéra katu opuka hese. Jatevu ningo ndoguata pya’éi. Upe jave, mba’éichapa ojapota ogana haguã guasúgui.

He’i jatevu guasúpe: - Che aguahẽ mboyve ndehegui amo ipahápe.

Ha upemáramo guasu he’i jatevúpe: - Iporã, ñande nãníta, jahecháta mávapa nãnive.

Ha jatevu ojuhu porã. Upéicha oguahẽ ára oiko haguã ñani guasu. Jatevu oguahẽ avei upepe.

Oñepyrũ ñani guasu. Jatevu opo guasu ruguái rehe ha ojoko upépe.

Guasu oñanive. Ha’e oguahẽ mboyve pe oguahẽ pahápe. Ha guasu oguahẽ rire ha oguapy opytu’u haguã peteĩ yvyra ho’a ári.

Oguapy jave upépe ha’e ohendu: - Ani reguapy che ári.

Jatevu one’ẽ upéicha. Ha omondýi guasúpe.

Jatevu oñe’ẽ upéicha oñembohovy guasu rehe. - Ani reñemondýi. Chénte oiko ko’ápe apytu’u hína. Che kane’õ aína. Che aguahẽ tenonde ndehegui.

Ha upéicha ogana guasúpe jatevu.

Ñani ha barajahápe, máñante ovaléva.


O Veado E O Carrapato
Tradução para o português: Cecy Fernandes de Assis

http://guaraniportugues.blogspot.com/


Dizem que um dia, os animais corredores se reuniram e decidiram realizar uma grande corrida entre eles.

O veado é o bicho mais corredor da floresta. E os outros bichos temem-no. Ele corre muito e não há ninguém que ganhe dele. Ele corre como o vento.
E o carrapato sabia disto. E disse ele consigo mesmo: - Vou apostar essa corrida com o veado e vou chegar primeiro.
Ele foi onde estava o veado para conversar e também para acertar a aposta. O carrapato foi muito cara de pau. Carrapato não corre rápido, então como ganharia do Veado?

O Carrapato disse ao veado: - Eu chegarei antes de vocês lá no fim.

E então o Veado disse-lhe: - Está bem, nós correremos e veremos quem é o mais rápido.
O carrapato achou que estava bem. E assim chegou o dia da grande corrida. O carrapato chegou também para a corrida. A corrida começou. O carrapato pulou no rabo do veado e ficou agarrado ali.
O veado foi o mais rápido e chegou em primeiro lugar no final da corrida. O veado, depois de chegar, sentou-se numa árvore caída.
Enquanto estava sentado ali ele ouviu: - Não sentes sobre mim.
O carrapato falou isto. O veado se assustou.
O carrapato zombou do veado: - Não te assustes. Só estou descansando aqui. Estou muito cansado. Eu cheguei na tua frente.

E foi assim que o carrapato ganhou do veado.

Em corridas de cavalo e jogo de baralho, só vale a esperteza.

12/01/2010

Mandi’o mombe’upy - Lenda da mandioca.



Mandi’o mombe’upy - Lenda da mandioca.
http://www.datamex.com.py/guarani/tembihai_aty/mombeupyra/origen_de_la_mandioca.html


Mitãkuña neporãva kasíke rajy, ijypykuéra ohayhuetereíva, pykasúicha imarã’ỹva ha py’a potĩ mbyechaukaha teetéva, ogueroko’ẽ sapy’a umi pore nañanembotavýiva ohechaukáva hyeguasuha.

Upe kasíke, ipochyetereihápe, oporandu randu reipa mávapa ojapo hese upe mba’e vaiete. Pe mitãkuña mba’eve ndikatúi omombe’u. Upéramo itúva oja’ovaihápe he’i ichupe ojukataha, ha upeichavérõ ndorekói ñe’ẽmbojevy.

Upémaramo mitãkuña ho’a itasãme ha oñemoangaipa.

Ha upe jejuka pyhare ambuépe, kasíke oreko kuri kerayvoty iñambuéva, ou ndaje ichupe ikérape peteĩ tete herunguáva, morotíva amangu’i ro’ýicha, yvytyrusúgui, he’íva ichupe ohecha va’erãha itajýrape imara’ỹramo, jepe hyeguasu hína.

- Ha’e naiñangaipái, naiñangaipáiko nde rajy. He’ije upe anga.

Upe túva ñemondýipe ojapo he’i haguéicha ichupe upe mba’e, ha ndojapoukái upe jejuka.

Mitãkuña omoheñói peteĩ mitãkuña’íme ha omano. Upe mitãkuña’i, hérava Mani, ombovy’a kuri oĩháicha avakuérape.

Ha’e yvoty ñúicha iporã kuri, hory guyra ka’aguýicha, ha akóinte opurahéi, ojeroky ha opuka, hákatu áina!, ndoikovéi heta ary isy’ỹre, ha pya’énteko ohóma avei ndouvéi haguãguihápe.
Upe ñemano hetaiterei ndaje oñembyasy kuri ijava retãme. Oñoty ichupe hikuái peteĩ yvyra ypýpe oíva ka’aguy rembére. Ndahetái ára uperire osẽ ityvy árigui heta yvyra ra’e rogue porã porã iñambuéva, avavete voi ndoikuaáiva upérõ mba’épa hína upéva
Okakua rire umi yvyra’i, avakuéra otopa hapo orekoha so’o morotĩ hetereíva, ha upe guive oikuaa hikuái ou hague Tupã remimondo hendápekuéra, ha upe teko ndojekuaáiva ome’e hague ko’ãnga ho’o mayma avakuérape guarã.

Upe yvyra ra’e oñembohéra kuri “Mani ro’o”, ha upégui ningo osẽ “Mani’o”, térã Mandi’o.


Tradução para o português: Cecy Fernandes de Assis
http://guaraniportugues.blogspot.com/


A bela filha de um cacique, adorada por seus pais, inocente como uma pomba pura e de verdadeira castidade, apareceu um dia com os sinais inequívocos que indicavam gravidez.

O cacique, preso de uma grande indignação, em vão perguntou quem era o causador de sua desgraça.

A jovem nada pode dizer nada. O pai então a ameaçou com a pena de morte, mas nem assim obteve resposta.

Então a jovem foi feita prisioneira e condenada.

E ocorreu que a noite precedente à execução, o cacique teve um sonho estranho, apareceu-lhe um ser misterioso, branco como a neve das cordilheiras, que lhe disse que deveria considerar virgem sua filha, apesar de sua gravidez.

- Ela não tem a culpa, não é culpada, tua filha! Disse-lhe a aparição.

O pai assombrado levou em conta as palavras da aparição e revogou a pena capital.

A moça deu a luz a uma menina e morreu. A criança, chamada Mani, foi a alegria de toda a tribo

Sua morte foi motivo de uma dor imensa para toda a tribo.

Sepultaram-na ao pé uma grande árvore nos limites da selva virgem.

Em pouco tempo apareceram sobre seu túmulo lindas folhas de uma planta estranha, completamente desconhecida até então.

Quando a planta cresceu, os índios descobriram raízes que tinham uma carne branca de sabor bom, e então compreenderam que a tribo havia sido visitado por um mensageiro dos deuses, e que esse ser misterioso estava oferecendo agora sua carne a eles.

A planta recebeu o nome de Maní ro’o, carne de Mani, e tal foi a origem de Mandioca.

11/01/2010

/ Antonio Ruiz de Montoya - Catecismo De La Lengua Guaraní- (texto histórico escrito em 1640)




Foto: San Ignacio Miní
/ Antonio Ruiz de Montoya - Catecismo De La Lengua Guaraní- (texto histórico escrito em 1640)
El Texto De La Doctrina Christiana Em Lengua Guarani Y Castellana - CEPAG - 2008

Transliteração do texto Guarani: Bartomeu Meliá e Angélica Otazu

http://guaraniportugues.blogspot.com/

Tradução para o português: Cecy Fernandes de Assis

Ave Maria


Tupã ta nde ra’arõ Maria nde rynyhẽ graça rehe,

Tupã, Ñande Jára, nde irũnamo oiko imombe’u katupýra nde kuña pavẽgui.

Imombe’u katupýra ave nde membýra Jesus.

Santa Maria Tupãsy marãne’ỹ mba’e,

eñembo’e ore iñañgaipáva rehe,

Ãng, ha’e ore manoha peve. Amém Jesus.


Deus te salve Maria, tu és cheia de graça,
O Senhor está contigo.
Bendita tu eres, entre todas as mulheres.
E bendito és o fruto de teu ventre Jesus.
Santa Maria, Mãe de Deus, roga por nós pecadores,

agora e na hora de nossa morte.

Amém Jesus

10/01/2010

Ka’aru kirirĩ - Tarde calada - Susy Delgado



Ka’aru kirirĩ - Tarde calada - Susy Delgado



http://www.antoniomiranda.com.br/Iberoamerica/paraguai/susy_delgado.html


Tradução para o português: Antonio Miranda




Upe ka’aru nomỹiri, te’onguetýicha kuri. Tã tã ipu mombyrýva mante oñehendu, itapu kororõ tujaguive.
A tarde estava calma como um cemitério. Só se ouvia, de vez em quando, o tantã distante de um rouco campanário.
Tavaguasu ojeaho’i reboso ñembyasýpe ha itindy, okirirĩ. Ha’ete ku hasẽva kirirĩháme, tesay’ỹme. Ikatu te’onguety voi ra’e.
A cidade, envolta de um rebuço triste, se agachava, calada. Parecia chorar em silêncio, sem lágrimas. Era talvez um cemitério.
Ha katu osoro sapy’a sapukái pyaupa kusuvi, ojokaitéva umi te’ongue angapyhy. Guyraita ratatĩ ojupi sarambípe, iñapañuái yvytu tarovárehe oguahẽ va’ekue hayhupára ñemyrõicha, ojasurúva opaite kuárape.
Mas surgiu de repente um torvelinho de gritos destemperados, quebrando por completo a paz daqueles mortos. E uma nuvem de pássaros se ergueu desordenadamente, enredando-se no vento enlouquecido que chegou como um amante despeitado, violando todos os vazios.
Yvytu pochy oinupa ha ombopepa yvoty ha tataindy, ha upérõ guarã mba’e sunu hatãvévape, oĩ osapukáiva ñembo’e ojekuaa’ỹva, oñohehápe opárupi mba’ery ka’urã hũ ha inéva, umi ita jehaipyre apytépe.

O furacão enlouquecido aplastava com palmadas certeiras as flores e as velas, quando no trono mais potente, alguém gritou uma oração estranha, espargindo um licor escuro e malcheiroso entre as lápides.

Peteĩ anguja ohua’ĩ te’ongue róga tujágotyo, ohekahápe ñemo’ã ha peteĩ tesapirĩ oikarãiva sununúpe, oveve kangy sapy’aitemi, tague hüngymíva, vevúi asy, yvytimbo sa’yju apytépe.

Um rato escapou na direção dos jazigos mais antigos buscando refúgio e em um segundo que marcou o estrondo, suspendeu um minuto, penugem gris, suave, entre a poeirada ocre.

Ha peteĩ mbarakaja ombohovái sapukáipe, guataha kyhyje, pya’e opiãva ka’arúre.

Um gato pôs um eco no grito, caminhante assustado, fugaz na tarde.

http://guaraniportugues.blogspot.com/