07/08/2010

Ita: Ñesë ypy - Pedra: derivação


Ita - Pedra: derivação.

Ita - (subst.) (geol.) pedra, matéria mineral dura e sólida.

  • Ita ape. Chapa de metal.

  • Ita aty. Um monte de pedras.

  • Itagui. Objeto ou coisa feita de pedra.

  • Itahai, haiha ita. Giz.

  • Itahaimbe, itaky. Pedra de amolar, esmeril.

  • Itahũ. Lousa, quadro-negro.

  • Itaju. Ouro.

  • Itakái. Cal.

  • Itakua. Cova, caverna, gruta.

  • Itamaraka. Pedra que soa, por extensão, sino.

    • Itamembe. Estanho, chumbo.

  • Ita mbeju. Pedra chapada, laje descalvada.

  • Itangecha. Espelho.

  • Itañe'ẽ. Pedra que fala.

  • Itaovapeguy. Cova de pedra em um declive.

  • Itapehengue. Pedaço de seixos, de cascalho.

  • Ita poty. Líquen.

  • Itapu. Sino, campânula.

  • Itapu'i. Campainha.


  • Itasy. Enxofre.

  • Itatĩ. Mármore branco.

  • Itatĩ. Prata.

  • Itaty. Pedreira.

  • Itavera. Cristal, vidro de muita transparência.

  • Itaveraite, itaite. Diamante, mineral de carbono puro, a mais dura das pedras preciosas.

  • Itaveraitekuéra opave'ỹva. Os diamantes são eternos.

  • Itavera pytã. Rubi, pedra preciosa de cor vermelha.
Ita, eta, heta - (suf. át.) suf. significando muito, bastante.

  • Heko eta rei. Vive muito preocupado.

  • Ipy'a heta. Está muito ansioso.
Itaguapy, amyndajái - (subst.) (entom.) insetos flutuantes.
itaiĩ - (subst.) (utens.) nome do machado de pedra dos Guarani(s) No seixo rolado de basalto era esculpido o gume e polido. A lâmina seria engastada no cabo do machado através da abertura de uma cavidade em um galho de árvore jovem, deixando-a ali até que ela fosse apertada pelo crescimento do galho. O galho era cortado, alisado com plaina de cacos de moluscos.
Itajere - (subst.) roda, anel, cinto, círculo, peça ou máquina simples, de formato circular.
Itajeresoha. Moinho, moedor.
Itakype, itakipeku'i - (subst.) (geol.) caco, calhau, seixo.
Itapa - (subst.) (transp.) balsa, espécie de jangada grande, usada para transportar cargas pesadas.
Itapa rerekua. O encarregado da balsa, balseiro.
Itapesy - (subst.) (utens.) louça, vasilha.
Itapoty - (subst.) (bot.) (Briófitas) musgo, líquen, designação comum a todas as plantas da divisão das briófitas.
Ita pytã - (subst.) (zool.) (cnidários, antozoários) coral, nome comum de animais cnidários, antozoários.
Itasã - (subst.) corrente, grilhão, argolas ligadas, feitas geralmente de ferro.
Itatata, itarata, ita ne ratãva - (subst.) isqueiro, objeto provido de pederneira, a qual, ao ser atritada, produz fagulhas.
Itaveraryru - (subst.) (utens.) caixa de jóias, estojo.

05/08/2010

Guarani. Guyra jarýi

http://guaraniportugues.blogspot.com/
Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani

Ta'anga / Foto: José Marcos
http://br.olhares.com/andorinha_tesourinha_foto2460537.html
Guyra purahéi / Canto de pássaros:


Peteĩ pyhareve aitykuávo ka’ay taita guasúpe, omombe’u oréve, hemiaryrõnguéra, káso ymaguare, tio Luchi rembiasakue.
Uma manhã, ao encher o mate para meu avô, contou-nos, seus netos, um caso antigo, a história de tio Luiz.
Asajepyte isy ha itúva oke aja, tío Luchi vokóike oñembosako’i oho haguã ka’aguýre, tuguái jetapa rekávo, guyra hemíva ndajeko.
Uma tarde, enquanto sua mãe e seu pai dormiam, tio Luiz, de repente, foi brincar no mato, procurando tesourinha (Tyrannus savanna), dizem que é ave muito saborosa.
Vy’ápe ha hondíta ikuãre, vodóke atýra ivokópe oho ka’aguýre. Omaña opárupi; ápe, arasa rakã; amógotyo taruma (Vitex montevidensis); pégotyo tajy (Tabebuia) ha tatarẽ (Chloroleucon tortum); upépe juasy’y (Celtis pubescens). Upeichahágui hesahóma pykasúre; oha’ã ha ojapi, mokõi ombyaty, kyre’ỹme oike oikeve ka’aguýre.
Alegre e com estilingue nos dedos, um monte de bodoque no sapicuá, foi para o mato. Olhou por toda parte; aqui galho de araçá; lá tarumã; mais além, ipê, cambará, esporão de galo. Então viu a pomba; calculou e atirou, recolheu duas, rápido entrou mais para dentro do mato.
Ohecha amo yvate, ohecha peteĩ tuguái jetapa. Guyra tuichapa jepéva ha iporãrasáva, oñemboja mbegue katu oha’ã haguã ha ova ova ichugui; upéicha omuñahápe ika’arupytũ.
Olhou para cima, viu uma tesourinha. Ave muito grande e que era muito bonita, aproximou-se devagar para calcular e segui-la; continuando assim até o anoitecer.
Imandu’a sapy’a itúva ñe’ẽngue: "aníke guyra porãite ha tuichapa jepéva remuña ka’aguýre, upéva guyra ijarýi, hapykuéri rekañỹ ha ndetarováne".
De repente lembrou-se das palavras de seu pai: “Não persigas aves muito bonitas e muito grandes na mata. Essa ave é a fada do bosque, no seu rastro perdes-te e enlouquecerá.”
Pirĩndajeko oho’i tío Luchípe ha vokóike oñani hapykuerére. Juku’a ha py’a tarovápe osapukái ohopytývo kokue akã.
Dizem que um calafrio cobriu Tio Luiz e logo retrocedeu. Cansado e com o coração enlouquecido gritou, alcançando a roça.
Ohecha isy ha itúvape, ha’ekuéra angekóipe aréma oheka ichupe. Vendo sua mãe e seu pai, eles, há muito tempo, já estavam preocupados de procurá-lo.
Tío Luchi tuicha oñemondýi. Tasẽ sorópe ha oho oñañuã hogayguakuérape ha ojerure oñyrõ haguã ichupe. Upete guive opaite mitã akãhatã, asajekue iñe’ẽ rendu’ỹva.
Tio Luiz se assustou muito. Chorou muito e foi proteger-se com seus familiares e pediu perdão a eles. Desde então, na hora da sesta, vozes de todas as crianças teimosas não são ouvidas.

04/08/2010

Jaguarete ha ka’i - A onça e o macaco

http://guaraniportugues.blogspot.com/
Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.

Ta'anga / Imagem: Adam Koford

Jaguarete ha ka’i - A onça e o macaco

Relato de Andreza Sousa - Kaiwá / Guarani - Amambaí, MS
Terra Indígena - Wilson Galhego Garcia

Jaguarete jeko ho’úse tapia ka’i. Ymaguare ha’e ojeka mba’éichapa ho’u haguã ichupe. Ha ka’i ningo ndaitavýi voi. Peteĩ ára, ka’aguýpe, kuarahy ijyvate jevýma hína, jaguarete ohendu sapi’a peteĩ toc, toc. Peteĩ tekove ombota oĩ hápe yvyra oikytĩ haguã. Upemáramo he’i ojeupe: - Che aháta ahecha máva piko ojapo hína upéa.
Dizem que a onça sempre quis comer o macaco. Há muito tempo ela procurava um modo de comê-lo. Mas o macaco não é bobo. Um dia, na mata, o sol já estava alto, de repente a onça ouviu um toc, toc. Alguém estava golpeando uma árvore para cortá-la. Então a onça falou consigo: - Vou ver quem está fazendo isso.
Ha oho. Oguahẽ ka’aguýpe ha omaña ka’ípe. Ha’e nipo oikytĩ oĩ hápe yvyra ojapo haguã hógarã. Jaguarete oguahẽ upépe ha ojuhu ka’i omba’apo heta. Ha’e omboja’óse hína yvyra rehe. Ndohupytýi mba’eve. Ha’e peteĩmínte ningo ihácha. Ha jaguarete he’i ichupe: - Che ro’úta! Ko’agã che rou’úta! Ko’agã repagata odeve chéve.
E foi. Chegando à mata, a onça viu o macaco. Havia sido que ele estava derrubando uma árvore para fazer sua casa. E a onça chegou ali e achou o macaco trabalhando muito. Ele queria partir a madeira. Não estava conseguindo nada, ele só tinha um machado. A onça chegou e disse a ele: - Vou te comer! Agora vou te comer! Pagarás tudo o que me deves.
Ka’i pya’e voi oikuaáma mba’épa ojapota jaguarete rehe. Ha he’i ichupe: - Ko tembiapo kóva hasyeterei ijapópa. Ajerureta ndéve peteĩ mba’e. Epytyvõmi chéve amboja’o ko yvyra ha upéi che’u. Rejapo rejaposéva. Jaguarete oñembotavy kuri. - Iporã. Jaguarete he’i ka’ípe. Amboja’o haguã yvyra, tekotevẽ mokõi hácha. Peteĩ ohekýi aja ambue omoĩ pono oñemboty ichugui. Ka’i peteĩnte oguereko hácha ha upearã ndaikatúi ojoka. Ha upéarehe he’i jaguaretépe oipytyvõ haguã ichupe. Ka’i ningo ndaitavýi voi. Ha’e oikuaa mba’épa ojapota jaguarete rehe ndo’úi ichupe.
O macaco, logo, já sabia o que fazer com a onça e disse-lhe: - Este trabalho é muito difícil de realizar. Vou te pedir um favor. Ajude-me a partir está madeira e depois me comas. Faças o que queres fazer. A onça bobeou. - Está bem. A onça disse para o macaco. Para partir uma madeira precisa-se de dois machados. Quando um racha, o outro entra para não fechar a abertura. O macaco tinha só um machado e por isso não estava conseguindo rachar a madeira. Por isso pediu à onça para ajudá-lo. O macaco não é bobo. Ele sabe o que fazer para a onça não comê-lo.
Ka’i he’i jaguaretépe: - Ágã aitýta che hácha ko’ápe ha ko yvyra ojejurupe’a jave emoĩ mokõive nde po pono oñemboty. Upéicharamo mante japópa voíta. Upéi katu che’úta. Ha ka’i oity ihácha umi yvyra rehe. Pe yvyra ojejurupe’a porã. Ha’e he’i jaguaretépe: - Emoĩ katu nde po mokõive pe yvyra pa’ũme. Ani rehekýi nde po.
Disse à onça: - Agora vou cortar aqui com meu machado e quando abrir a brecha, tu pões tuas duas mãos para não fechar (o corte). Assim vamos acabar logo. Depois tu me comerás. O macaco enfiou seu machado na madeira. A madeira abriu-se bem. Então ele disse para a onça: - Metas tuas duas mãos no vão do pau e não tires dali. Jaguarete omoĩ ipo yvyra pa’ũme. Upe jave ka’i ohekýi pe ihácha. Ha yvyra oñembotýpe jaguarete po mokõive rehe hatã ojopy yvyrápe. Jaguarete opyta hasẽ hína upépe. Ka’i, katu opo yvyra rakã rehe ha oñe’ẽ: - Mba'éiko ojehu ndéve, che ryke'ými. Upéarehénte piko resapukai eterei? Uperõ ohoma yvyra yvate.
A onça colocou as mãos na fenda. O macaco tirou o machado. A madeira fechou-se e as duas mãos da onça ficaram bem presas na madeira. A onça ficou chorando ali. O macaco saltou em um galho de árvore e falou: - O que aconteceu contigo, meu irmãozinho! Apenas por isso estás gritando tanto? Então foi para o alto da árvore.
Aratirícha ipy’ae, ka’i okañy jevýma jaguaretégui. Jaguarete katu opyta upépe omba’apo oipe’a haguã ipo pe yvyra pa’ũmegui. Ka’i peteĩ jevy okañỹ Jaguaretépe ha ha’e ndo’úi ka’i.
Ka’i katu imba’ekuaáve (iletrado) jaguaretégui.
Rápido como um raio, o macaco escondeu-se, outra vez, da onça. A onça, ficou lá trabalhando para tirar as mãos do meio da madeira. O macaco, mais uma vez, escondeu-se da onça e ela não comeu o macaco.
O macaco é mais sabido que a onça.