26/04/11

JATA’Y: A lenda

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.



JATA’Y: A lenda
Ohai: David Galeano Olivera

       Peteĩ jarýi Kapi’atãygua omombe’úmi chéve ndaje yma, ymaite, táva guasu Paraguay ypýpe; oñemohendahague peteĩ tekoha Guarani, omyakãva Mburuvicha hérava Kapi’i’atã, kuimba’e ojehayhu ha ojehecharamóva hekohápe. 
Contava-me uma avó nascida em Kapiatã que antigamente havia nas arredores de Assunção, capital do Paraguai, uma aldeia Guarani cujo chefe chamava-se  Kapi’i’atã, querido e respeitado pela sua comunidade.
Upépe oikoraka’e hikuái tekokatúpe ha ñande sy guasu, yvy, ome’ẽ chupekuéra opaite hemikotevẽ: ka’aguay kakuaa, y potĩ sakã, pira, eirete ha opaichagua yvy’a: avati, mandi’o, kurapepẽ, pakova, mbokaja, arasa, avakachi, yvapovõ, yvapurũ, pakuri, jakarati’a hamba’e.
Eles viviam ali em harmonia e a nossa grande mãe, a terra, dava-lhes todo necessário para sua subsistência: imensos bosques, água limpa e cristalina, peixes, mel, e todos os frutos da terra: milho, mandioca, abóbora, banana, coco, goiaba, abacaxi, yvapovõ, jabuticaba, pacuri, jacaratiá, etc.
Ha’ekuéra niko oiko jekopytýpe ha akóinte omomba’eguasu tekove ha upévare o’aguyjeme’ẽ hikuái Ñande Rúpe ha hérape oñombyaty hikuái pyharekue, opýpe, oñembo’ejerokývo, upépe kuimba’ekuéra ombarakapu ha kuña katu otakuapu.
Eles viviam em solidariedade e celebravam a vida agradecendo a Ñande Ru e reuniam-se a noite, no opy, para ali  rezar, dançar e cantar ao som das maracás dos homens e o som das taquaras das mulheres. 
Peteĩ ára, peteĩva tapỹime, heñói peteĩ mitãkuña’i iporãitereíva oñembohérava Jata. Upéi okakuaáva oiko peve ichugui peteĩ kuñataĩ neporãmbajepéva ha hetaiterei kuimba’épe oipy’ara’ãva. Ha’éniko oiko isy ha itúva ndive ha tapiaite heko ha’eño. Pe iporãngue niko oñemoherakuãkuri ambue tekoha rupi.
Um dia, em uma das famílias, nasceu uma menina muito linda a quem deram o nome de Jata. Quando cresceu transformou-se em uma lindíssima mulher e foi desejada por muitos homens. Ela sempre viveu com sua mãe e seu seus pai e sempre andava sozinha. A fama da beleza de Jata espalhou-se por outras aldeias.
Ainda que muitos homens quisessem protegê-la, Jata sempre encontrava algum caminho para desviar-se deles.
            
Peteĩ ára, oguahẽ Mburuvicha Kapi’i’atã tekohápe peteĩ guarini hérava Tekoñarõ oúva mombyrýgui oñemomba’évo Jata mborayhúre, taha’éjepe mbaretépe.
Ha péicha, peteĩ pyhareve avakuéra oĩ aja amandajépe, Tekoñarõ oñemboja Jata tapỹi oĩha meve, upépe oĩhina isy ha itúva, iguãigui ha itujamímava hikuái ha ndoguatakuaavéimava. 
Tekoñarõ, ñe’ẽ pohýi reheve, he’i mokõivépe: “Che aju pende rekohápe aguerahávo pene ñemoñarépe, che rembirekorã”.
 Ohendúvo upéva, tujami osẽ ombohovái ichupe: “Hetámako oĩ, nde reju mboyve, he’iva’ekue upeichaite avei ha ndohasáiva upégui. Che ndaroviái nde ikatutaha rejapo upe mba’e ha hi’ariete ndéngo peteĩ kuimba’e nderekomarãva”.
Upe karaimi ñe’ẽ ndo’aporãi Tekoñarõme ha kóva he’i’ỹre mba’evete, ojuka upe karaimi ha hembirekópe.
Um dia chegou à aldeia do Chefe Kapi’i’atã um guerreiro de nome Tekoñarõ
decidido a conquistar o amor de Jata, mesmo que fosse à força.
E assim uma manhã, enquanto o povoado achava-se reunido em uma assembleia, Tekoñarõ aproximou-se da choça de Jata, onde se encontravam seus velhos pais, que já não podiam caminhar.
Tekoñarõ, com voz violenta, disse aos dois: “Eu vim à sua aldeia para raptar a sua filha, para convertê-la em minha mulher”.
Ao que o pai da jovem respondeu: “Muitos, antes que ti, disseram e tentaram o mesmo e não conseguiram. Não creio que tu possas fazer isso. Ademais tu és um homem mau”.
As palavras do ancião enfureceram o guerreiro, quem sem mediar mais palavras, matou o pai e a mãe de Jata.
Kóva oñemboja Jata renondépe, hasẽsoróva, ha he’i ichupe: “Neremanoséirõ ha’ekuéraicha, eñeme’ẽnte chéve, eju chendive ha ajapóta ndehegui che rembireko”.
Jata osapukái ichupe: “¡Porojukahára!, araka’eve ndahamo’ãi nendive” ha osẽ oñani. Tekoñarõ omuña ichupe ha ojapi ichupe peteĩ yvyra’akuápe ha ojuka upe kuñataĩ porãitépe. Upe jave, oguahẽ upépe Mburuvicha Kapi’i’atã ha iguarini ha oñondivépa ojuka hikuái Tekoñarõme.
            Terminada a assembleia, Jata regressou a sua choça e encontrou seus pais mortos e parado ao lado viu a Tekoñarõ.
Este se aproximou de Jata, envolta em pranto, tomou-a nos braços e disse: “Se não queres morrer como eles, melhor entregar-te, vem comigo e te farei minha mulher”.
Ela gritou-lhe: “Assassino!, jamais serei tua mulher” e saiu  correndo. Tekoñarõ a seguiu e acertou-a com uma lança que matou a bela Jata. Nisso chegaram ao lugar o chefe Kapi’i’atã e vários homens, que mataram Tekoñarõ. 
 Upe guarini hekomarãvape oñotỹ hikuái peteĩ ka’aguy mombyrýva upégui ha Jatápe katu oñotỹ hikuái peteĩ ysyry iporãva rembe’ýpe.
Uperiremínte, heñói ha okakuaa upe Jata oñeñotỹhaguépe, peteĩ ka’avo hatĩmbáva, ojoguáva mbokajápe, ndatuicháiva ha uperupigua ombohérava Jata’y (ko’ãga ojekuaáva Jata’ípe), ogueromandu’áva upe kuñataĩ porãite rekove, jepémo omano ha hatĩmbáva, ko’ãgaite peve ndohejáiva, péicha péichante, avave oñemboja hese.
Enterraram o guerreiro mau em um distante lugar na floresta, e a Jata, enterraram-na à beira de um lindo riacho.
Tempo depois, nasceu e cresceu no lugar de seu túmulo, uma planta espinhosa, parecida com o bocajá, mas pequena, a qual chamaram Jata’y (hoje conhecida como Jataí), que lembra a formosa mulher, que embora morta é cheia de espinhas e que jamais permitiu, até hoje, que ninguém se aproxime facilmente dela.
Ko’ãgite peve oĩ Kapi’atã Távape peteĩ tavapehẽ hérava Jataity (Jata’yty) ogueromandu’áva kuñataĩ Jata réra. Ñe’ẽ Jata’yty he’ise “tenda oĩháme heta Jata’y”. Ohasávo ára, ko ka’avo iñasãi Paraguay retã tuichakue javeve, ha ko’áĝa rupi, jajuhukuaa heta táva, tavapehẽ ha jeikoha, hérava Jataity.
Até hoje existe no Distrito de Kapi’atã uma associação chamada Jataity (Jata’yty) que perpetua o nome da jovem Jata.
“A palavra Jata’yty quer dizer: o lugar onde abundam as plantas de Jatai”. Com o tempo esta planta cresceu em todo o Paraguai, e na atualidade, é fácil encontrar várias cidades, companhias e bairros, que se denominam Jataity. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.