01/11/11

Káso ñemombe’u: Kuña Póra – Causo: Fantasma da Moça

http://guaraniportugues.blogspot.com/
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS


Káso ñemombe’u: Kuña Póra – Causo: Fantasma da Moça
Ohai: David Galeano Olivera
 Karai Victorio Pirandello ha ita’ýra -pytagua mokõivéva- oúkuri Italiagui ha oġuahẽ rire ñane retãme ojogapo Ypakaraípe. Tuicha ndaje upe yvy ha’ekuéra ojoguava’ekue. Henyhẽte opaichaguã yvvrágui, upevakuére omba’apo hikuái yvyrañekytĩ ha jehepyme’ẽme.
Senhor Victorio Pirandello e seu filho – ambos estrangeiros – Vieram da Itália e depois de chegar a nossa pátria (Paraguai) Construíram sua casa em Ypacarai. Dizem que era muito grande a terra que eles compraram. Abarrotada de toda espécie de árvores, Assim ambos trabalharam no corte e venda de madeira.
 Tuichaitereígui upe yvy ojoguáva, ombovókuri hikuái heta hendápe, péicha oñepyrũ oityraẽ peteĩ hendápe ha upégui ohasa ohóvo ambuépe. Mokõivemínte omba’apo. Sapy’apy’a omoirũjepi ichupekuéra karai González ikarretami reheve.
Porque era muito grande a terra que compraram, dividiram-na em muitas partes, assim começavam a cortar em um lugar e depois passavam a outro. Só os dois trabalhavam. Às vezes, costumava reunir-se a eles senhor González com sua carreta.
 Peteĩ jevy ndaje, karai Pirandello ra’y opu’ãkuri ha ha’eño oho oity haguã yvyra. Upe ára, ha’e oike peteĩ tenda pyahúpe, oĩva peteĩ ysyrymi mboypýri. Oguejy hymba kavaju árigui, omosãingo vosa ogueruhápe hembi’urã, ha’e... upéi katu oiporavo yvyra oity haguã, ha ohoreíma heseve.
Dizem, que uma vez o filho do Senhor Victorio Pirandello levantou-se e sozinho foi para cortar árvores. Nesse dia, ele entrou em um lugar novo, que tinha do outro lado um córrego. Ele apeou do seu cavalo, pendurou sua bolsa que havia trazido com a matula, Ele… Depois escolheu as árvores para cortar e logo foi cortá-las.
 Oñepyrũndaje, ombota ha ombota, ha upeichaháguinte ohendu máva ombotáva avei ikupépe.Ojere, omaña ha... ndohechái mba’eve. Upémarõ, oñepyrũjevýkuri ombota, ombota, ha ombota, ha vokoike ohendujevy ombotáva, ko’ãga ijykére. Ojere, omañajevy, ha... ndohechái mba’eve.
Dizem que começou a golpear, golpear e nesse momento, ouviu que alguém a seu lado, golpeava também. Voltou-se, olhou e… Não viu nada. Então começou outra vez a golpear, golpear e golpear, e logo ouviu outra vez que alguém golpeava, agora ao seu lado. Voltou-se olhou outra vez, e… Não viu nada.
Oñembotavyeténte ha’e; ha ombojoapyjevýnte hembiapo. Ombota, ombota ha ombotajevy, ha neipamírõ guarã ohendujevyjevýkuri máva ombotáva avei, ágãkatu, henondépe. Upérõ jekoraka’e karai Pirandello ra’y ojesaupi, omaña henonde gotyo, ha... mba’eve ndohechái.
Sentiu-se enganado; e outra vez voltou a seu trabalho. Golpeou, golpeou e golpeou outra vez para então ouvir, outra vez, que alguém golpeava também, agora a seu lado. Então, dizem que o filho do senhor Pirandello olhando, olhou adiante, e… Não viu nada.
 Ñemondýi reheve ojupi hymba kavaju ári ha pya’épeko oipykúi hóga rape. Mba’evete nomombe’úikuri itúvape. “Añeñandu vai”, he’ínte ichupe.
 Ambue ára, opu’ã ha ohojevýkuri omba’apohaġuáicha. Oguahẽ upépe ha upeichaiténte avei oikojevy hese. Irundy ára pukukue javeve oikókuri upe mba’e karai Pirandello ra’ýre, ha upeichavérõ jepe, mba’evetevera nomombe’úi itúvape.
Com o susto montou em seu cavalo e rapidamente andou até o caminho de sua casa. Não contou nada a seu pai. “Ouvi mal”, disse consigo.
Outro dia, levantou-se e foi trabalhar como sempre, chegou lá e assim exatamente começou a trabalhar. Durante mais quatro dias o filho do Senhor Pirandello ouviu aquilo, mas então nada contou a seu pai.
 Upéinte niko, upe ára pohápe, oguahẽ ndaje oúvo karai González ikarretami reheve. Upe karia’y vaicháku ojeroviavéva hese ha omombe’u ichupe hembiasakue. “Oiméne niko póra mba’e, che ra’y”, he’íjekoraka’e ichupe karai González.
Só depois, no quinto dia, dizem, que veio o senhor González com sua carreta. Aquele jovem parece que confiava mais nele e contou-lhe sua história. “Talvez seja um fantasma, meu filho,” Disseram que lhe disse o que senhor González.
 Oho hikuái mokõive upe tenda peve. Oguejy hikuái. Karai Gonzalez oguapy ijypypete ohenduhaguáicha oimeraẽ mba’e. Mitãkaria’ymi katu, jepiverõguáicha, oñepyrũ ombota yvyra oity haguã. Ombota, ombota ha ombota, ha upeichaháguinte ohendu máva ombotáva ikupépe.
Foram os dois até aquele lugar. Ambos apearam. O senhor González sentou-se ao seu lado para, como para ouvir qualquer coisa. Mas o jovem, como tinha acostumado, começou a golpear madeira para cortar. Golpeou, golpeou e golpeou, e nesse momento ouviu que alguém golpeava atrás deles.
Opóvoi ha he’i karai Gonzálezpe: “Rehendúpara’e”. “Nahániri. Nahendúi mba’eve”, he’íkuri karai González, ha upéi ombojoapy: “Oiméne niko nderehe ojeroviave, upévare ndévente oñeñandukáhina”, ha upéi he’ive: “Jagueruva’erã karai Pa’i ha ñañembo’e hese”.
Pulou e disse ao senhor González: “Ouviste?” “Não. Não ouvi nada.” Disse o senhor González e depois acrescentou: Talvez ela confie mais em ti, assim, somente tu podes ouvi-la, E depois disse mais: Devemos trazer o senhor padre e rezar por ela.
 Karai Pirandello ra’y ombohováikuri kóicha: “Cherehénteramo ikatu jagueru, ágãkatu che ru ndoipotamo’ãi. Ha’e niko ndogueroviái ko’ã mba’e”. Oújeko mitãkaria’y hakarai González heta oñomongeta karai Pirandello ndive, ha heta oñomongeta rireosẽkuri omonei ichupekuéra.
O filho do senhor Pirandello respondeu assim: “Por mim, podemos trazer, mas acho que agora meu pai não vai querer”. Ele não vai acreditar nisso. Dizem que o moço e o senhor González conversaram muito foram conversar com o senhor Pirandello, e depois de muito conversar ele deu o consentimento a eles.
 Ko’ẽmi rehe oúma karai Pa’i ha hendive heta tapicha tekorei ha omomba’eguasúva umi mba’e. Oñembo’ejoaite hikuái, ha opakuévo ñembo’eguasu, Pa’i ohovasa upe tenda ha ohypýi ykaraipyrépe. Henonde, mokõive ijyke ha ikupe gotyo ohovasa ha ohypýikuri; ha upeichahápe ohecha hikuái mba’éichapa peteĩ hendápe otimbo pe yvy, hendy’imi tata, ha upéi katu ogue. Oguetevoi.
Bem cedo já veio o senhor Padre e com ele muitos companheiros desocupados para admirar aquela coisa. Rezaram juntos, e ao terminar a missa. O Padre abençoou o lugar e nele aspergiu água benta. Na frente (do lugar), nos dois lados e até atrás Abençoou e aspergiu; e assim eles viram, mais ou menos, um lugar uma fumaça na terra, um brilhinho de fogo, e e logo depois apagou, apagou por completo.
 Oñemboja hikuái, ha’e... mokõi kuimba’e ndaje he’i upérõ: “Jajo’óna, oiméne niko Pláta Yvyguy mba’e”. Oñepyrũkuri ojo’o ha oimo’ã’ỹre ojuhu hikuái peteĩ kuña rete kanguekue. Tuicha oñemondýi ha’ekuéra. Karai Pa’i he’íkuri: “Jagueraháta, ha’e ... ñañotỹta Tupão korapýpe”. Ha upeichaite jekoraka’e ojapo hikuái.
Uniram-se, eles… Dois moços, dizem que disseram então: Vamos cavar, deve ter algum enterro (tesouro). Começaram a cavar e inesperadamente eles acharam o cadáver de uma moça. Assustaram-se muito. O senhor Padre disse: Vamos levá-la… Enterraremos no pátio da igreja e exatamente dizem que assim fizeram.
 Ambue ára ko’ẽme, ohojevýkuri karai Pirandello ra’y oity haguã yvyra. Ombota, ombota, ha ombota, ha’e... oity yvyra. Mba’evéma nohenduvéi.
No outro dia bem cedo foram outra vez o senhor Pirandello e seu filho para cortar árvores. Golpearam. Golpearam, e golpearam, eles… Cortando árvores. Já não ouviram mais nada.

Um comentário:

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.