14/02/12

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 


 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.
 Cecy Fernandes de ASSIS



Narrativa muito antiga, talvez de origem europeia. pela repetição é uma espécie de parlenda.


Ypaka’a / Frango d’água (Gallinula chloropus) - Guyra oikóva y rendaha rupi térã ñu rehe, ndatuichái, oñe´ẽ jave oje´e okytaha.

Ypaka’a ipyratã heládape ha he’i: / O Frango d’água ficou com as patas congeladas pela Geada e diz:
¾ Mba’évapa, Heláda, nde pu’aka itéva! Ko ro’y che pykytĩva. / ¾ Como é, Geada, tu que és tão poderosa, vês que a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Kuarahy ko che mbohykúva. / ¾ Não sou eu a poderosa, pois o Sol costuma me derreter.
¾ Mba’évapa, Kuarahy, nde valetéva! Heláda rembohykúva; ha Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Sol, tu que és tão poderoso, pois tu derretes a geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi:Arai ko che mo’ãva. / ¾ Pois não sou eu o poderoso, porque a Nuvem costuma cobrir-me a cara.
¾ Mba’évapa, Arai, nde valetéva! Ko Kuarahýpe remo’ãva, Heládape Kuarahy ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva.¾ Como é, Nuvem, tu que és tão poderosa, pois cobres a cara do sol; e o Sol derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Yvytu ko che reraháva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa, porque o Vento me carrega.
¾ Mba’évapa, Yvytu, nde valetéva! Ko Arai remboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ha Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Vento, tu que és tão poderoso, pois tu carregas a Nuvem; e a Nuvem cobre a cara do Sol; e o Sol derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Tápia Mbyky ko che jokóva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa, porque a Parede Baixa me detém.
-Mba’évapa, Tápia Mbyky, nde valetéva! Ko Yvytúpe rejokóva; Araípe Yvytu omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; Heládape Kuarahy ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / Como é, Parede Baixa, tu que és tão poderosa, pois deténs o Vento; e o Vento carrega a Nuvem; e a Nuvem cobre a cara do Sol; e o Sol derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
 ¾ Che katu nda che valéi: ko Anguja ko che mbokuáva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa: a Rata me enche de buracos.
¾ Mba’évapa, Anguja, nde valetéva! Ko Tapia Mbyky rembokuapáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu araípe omboguatáva; Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Rata, que és tão poderosa, tu que enches a Parede Baixa de buracos; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol; e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Mbarakaja ko che juka che’úva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa: porque o Gato costuma me matar e devorar.
 ¾ Mba’évapa, Mbarakaja, nde valetéva! Ko Angujápe rejuka re’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva;
ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Gato, tu que és tão poderoso, que matas e devoras a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: ko Jagua ko che mbojupíva yvate. / ¾ Pois não sou eu o poderoso: porque o Cão me obriga a subir no alto.
-Mba’évapa, Jagua, nde valetéva! Ko Mbarakajápe yvate rembojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’upáva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Cão, que és tão poderoso, tu que obrigas ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Garrote ko che mopẽmbáva. / ¾ Pois não sou eu o poderoso: porque o Garrote me quebra os ossos.
¾ Mba’évapa, Garrote, nde valetéva! Ko Jaguápe remopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Garrote, que és tão poderoso, tu que quebras os ossos do cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Tata ko che rapypáva. / ¾ Pois não sou eu o poderoso: pois o Fogo me queima todo.
¾ Mba’évapa, Tata, nde valetéva! Ko Garrótepe ohapypáva; ko Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Fogo, tu que és tão poderoso, tu que queimas todo o Garrote, e o Garrote que quebra os ossos do Cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: ko Y ko che mboguéva. / ¾ Pois não sou eu o poderoso: pois a Água me apaga.
¾ Mba’évapa, nde Y, nde valetéva; Ko Tatápe remboguéva; ko Tata Garrótepe ohapypáva; ko Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Árai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Água, tu que és tão poderosa, tu que apagas o Fogo; e o Fogo que queima todo o Garrote; e o Garrote que quebra os ossos do Cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Guéi Tuja ko che’upáva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa: porque o Boi Velho me bebe toda.
¾Mba’évapa Guéi Tuja nde valetéva! Ko Y nde re’upáva; ko Y Tatápe omboguéva;
ko Tata Garrótepe ohapypáva; ko Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Boi Velho, que és tão poderoso, tu que bebes a Água toda; e a Água que ao Fogo apaga; e o Fogo que queima todo o Garrote; e o Garrote que quebra os ossos do Cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: ko Kyse Apĩko che jukáva. /¾ Pois não sou eu o poderoso: porque a Faca Afiada me mata.
¾ Mba’évapa, Kyse Apĩ, nde valetéva! Ko Guéi Tujápe rejukáva; ko Guéi Tuja ko Ýpe ho’upáva; ko Y Tatápe omboguéva; ko Tata Garrótepe ohapypáva; ko Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Faca Afiada que és tão poderosa, tu que matas ao Boi Velho; e o Boi Velho que bebe toda a Água; e a Água que ao Fogo apaga; e o Fogo que queima todo o Garrote; e o Garrote que quebra os ossos do Cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Herréro ko che apóva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa: porque é o Ferreiro que me faz.
¾ Mba’évapa, Herréro nde valetéva! Ko Kyse Apĩ nde rejapóva; ko Kyse Apĩ Guéi Tujápe ojukáva; ko Guéi Tuja ko Ýpe ho’upáva; ko Y Tatápe omboguéva; ko Tata Garrótepe ohapypáva; ko Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva; ko Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Ferreiro, que és tão poderoso, tu que fazes a Faca Afiada; e a Faca Afiada que mata o Boi Velho; e o Boi Velho que bebe toda a Água; e a Água que ao Fogo apaga; e o Fogo que queima todo o Garrote; e o Garrote que quebra os ossos do Cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che ko nda che valéi: la Muerte ko che reraháva. / ¾ Pois não sou eu o poderoso: porque a Morte me leva.
¾ Mba’évapa, la Muerte, nde valetéva! Ko Herrérope reraháva; ko Herréro Kyse Apĩ ojapóva; ko Kyse Apĩ Guéi Tujápe ojukáva; ko Guéi Tuja ko Ýpe ho’upáva; ko Y Tatápe omboguéva; ko Tata Garrótepe ohapypáva; ko Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ko Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ko Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva; ko Anguja Tápia Mbyky ombokuapáva; ko Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ko Yvytu Araípe omboguatáva; ko Arai Kuarahýpe omo’ãva; ko Kuarahy Heládape ombohykúva;
ha Heláda che pykytĩva. / ¾ Como é, Morte, que és tão poderosa, tu que levas o Ferreiro, e o Ferreiro que fabrica a Faca Afiada, e a Faca Afiada que mata o Boi Velho; e o Boi Velho que bebe toda a Água; e a Água que ao Fogo apaga; e o Fogo que queima todo o Garrote; e o Garrote que quebra os ossos do Cão; e o Cão que obriga ao Gato a subir no alto; e o Gato que mata e devora a Rata; e a Rata que enche de buracos a Parede Baixa; e a Parede Baixa que detém o Vento; e o Vento que carrega a Nuvem; e a Nuvem que cobre a cara do Sol, e o Sol que derrete a Geada; e a geada congela minhas patas.
¾ Che katu nda che valéi: Ñandejára ko che mboúva. / ¾ Pois não sou eu a poderosa: porque é Deus quem me manda.
¾ Ñandejára nipora’e, ko ivaléva: Ha’e la Muértepe omboúva; ha la Muerte Herrérope ogueraháva; ha Herréro Kyse Apĩme ojapóva; ha Kyse Apĩ Guéi Tujápe ojukáva;
ha Guéi Tujape ho’upáva; ha Y Tatápe omboupva, ha Tata Garrótepe ohapypáva; ha Garróte Jaguápe omopẽmbáva; ha Jagua Mbarakajápe yvate ombojupíva; ha Mbarakaja Angujápe ojuka ho’úva, ha Anguja Tápia Mbykype ombokuapáva; ha Tápia Mbyky Yvytúpe ojokóva; ha Yvytu Araípe ombokuapáva; ha Arai Kuarahýpe omo’ãva; ha Kuarahy Heládape ombohykúva; ha Heláda che pykytĩva! / ¾ Pois é Deus o poderoso: é ele quem envia a Morte; e a Morte carrega o Ferreiro; e o Ferreiro fabrica a Faca Afiada; e a Faca Afiada mata  o Boi Velho; e o Boi Velho que bebe toda a Água; e a Água que ao Fogo apaga; e o Fogo que queima todo o Garrote; e o Garrote que quebra os ossos do Cão e o Cão que ao Gato obriga a subir no alto; e o Gato que mata a Rata  e a devora; e a Rata a Parede Baixa a enche de buracos; e a Parede Baixa detém o Vento; e o Vento que a Nuvem leva; e a Nuvem que cobre a cara do Sol; e o Sol que derrete a Geada; e a Geada me queima as patas! 

Ypaka'a / frango d'água

G. chloropus
Gallinula chloropus
(Linnaeus, 1758)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.