18/09/12

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / 
Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS




 Ka’a ohechakuaa pe Avare ndojamo’ãihavoi hese. Upémarõ ha’e oñembopy’apeteĩ ha oñemboja hendápe, ojejavo’ói hese ndijavýi peteĩ ysypo pajé. Ha oimo’ã’ỹhágui ohetũmánera’e ichupe ijuruetépevoi. Ombosope ichugui peteĩ jurupyte kane’õ sapy’ami, umi jahasakuévo guáichagua. Pe Avare oñandu opupu pe huguy ha ine’ã operere ambue. Ho’ávaicha hese pytũ. Ome’ẽ ichupe peteĩ hýi ha oipyhy pe itamarã oguerekóva iku’áre ha upévape oñakanupã pe mitãkuñáme. / Ka'a percebeu que o homem não iria aproximar-se. Então ela resolveu e encostou-se, e como um cipó enfeitiçado envolveu-o. E inesperadamente o beijou na boca. Roubou-lhe um beijo na boca, desses que se dá ao passar. O Padre Mbyá sente seu sangue ferver e seu coração bate como nunca. Como se a noite caísse sobre ele. Deu-lhe um desejo, e pegou seu machado de pedra que levava na cintura e com ele bateu na cabeça da jovem.
Ho’a upépeKa’a, ojepyso pe kapi’ipépe, ochivivi pe inakãgui tuguy mimbi. Guyratapiaiténte omoirũva ichupe oñepyrũ operere ha oisu’u pe Avarépe, opyta ajakóva omaña mombyry atã ku itavýaicha. Ka’a huguypa... Omano pe henondépe. Ha’eopáyvaicha upe rire ha omaña hembiapokuére... Ndogueroviaséi... Itĩndyreiopytávo... Ojaho’i ichupe peteĩ angata ha vy’a’ỹ apyra’ỹ. / Lá caiu Ka'a, ficou estendida em um capinzal, escorrendo sangue brilhante da cabeça. O pássaro, que sempre lhe acompanhava, começou a tremer e bicou o padre, enquanto este olhava fixamente ao longe, como um demente. Ka'a sangrou-se... Morreu ali na sua frente. Ele, depois, como se acordasse, contemplou sua obra... Não quis acreditar... Ficou cabisbaixo... Cobriu-o uma preocupação um mal-estar infinito.
 Peteĩ kirirĩ pypuku herunguáva, ojepyso ko yvy apére. Mombyry ojehecha tatarendy ojapóva omondýi haguã ãngue vai ha mymba ka’aguy. Mavaveaite ndoikuaái peteĩ mitãkuña omano ramoite hague karia’y ha’e ohayhúva pópe. / Um profundo e misterioso silencio se estendeu por toda terra. Ao longe se via uma labareda levantada feita para espantar os maus espíritos e animais selvagens. Ninguém podia acreditar que uma bela jovem enamorada acabara de morrer nas mãos do homem a quem amara.
Upeichaháguinte, pe Avare ojetyvyro sapy’a, heta oheja rire oisu’u ichupe pe guyra Ka’a rymba. Oñepyrũ pe guyra opopo henondépe ha oñe’ẽ; ha’ete vaicha he’íva: "Huguypa Ka’a"... "Huguypa Ka’a". Avare ombohovái ichupe: - Héẽ, che añakã joka ko itamarãme ha ajuka. Chetévoi ambogue che rataindy araka’eve hendyve’ỹ haguãicha. / De repente, o Padre Mbyá sacudiu-se rápido, depois de deixar que o pássaro de Ka’a mordesse-o. O pássaro começou a saltar na sua frente e grasnar; como se dissesse: Huguypa Ka'a... Huguypa Ka'a. Ka'a sangrou totalmente. O sacerdote respondeu-lhe: - Sim, quebrei-lhe a cabeça com este machado de pedra e a matei. Eu pessoalmente apaguei minha chama para sempre que nunca mais brilhe.
 Upépe omombo ijitamarã ha oity henonde gotyohi’áva hũ puku oñomi haguã pe hova. Oñemoĩ oñani ñu ha ka’aguýre, poyvi hũvaicha omboveve ohóvo inakãrague puku reheve. Opytájepi sapy’ánte ha ojepy’amongeta. Ojapokóivaicha iñe’ãre pe mitãkuña rova ra’anga ogueraháva iñapytu’ũ kuápe ha ombyasy avei ipy’aite guive hembiapo vaikue. / Lá atirou seu machado de pedra e jogou a cabeleira negra para ocultar o rosto. Pôs-se a correr assim por campos e florestas, com a cabeleira solta como hasteando uma bandeira negra. Detinha-se, às vezes, e pensava. Como se agarrasse em seu coração a imagem do rosto da jovem que levava na mente e sentia na alma o crime que cometera.
 Heta ary ohasa, ha upéinte peteĩ tujami oguahẽ oúvo Ka’a oiko hague rupi. Ojekuaa gueteri hese hete po’i joja porã hague. Ha jahecha avei gueteri hováre ipukavy ha hesa rory ymave guare. / Muitos anos se passaram, e um dia um ancião chegou ao lugar em que Ka'a vivia. Notava-se, ainda, no seu corpo espigado como fora lindo quando jovem. E também ver, ainda, no seu rosto o sorriso e os olhos alegres de antes.
Oho oiko mbegue pe yrembe’ýre, oguata upe rupi ku henondera’ỹvaicha, ha upéicha háguinte, ojávo peteĩ itavera guasu ypýpe, ou ichupe peteĩ guyra tuicháva, ku hesakuapérõ guáicha ombeti pe hováre, oisu’u vaipa ichupe, operere aja pukukue hese pe guyra he’i jevy jevy: "Hypa Ka’a"... "Hypa Ka’a". / Foi caminhando devagar  pela margem do rio, caminhou por ali sem rumo fixo e, de repente, ao chegar a uma enorme pedra brilhante, atacou-lhe um grande pássaro negro, como se estivesse cego, investia contra seu rosto, mordendo-o, enquanto repetia: Hypa(Secou-se) Ka'a... Hypa Ka'a...
O homem tentou por todos os modos perdoar e acalmá-lo. Parecia que depois das bicadas dadas, o pássaro encontrou uma paz muito boa. E por fim entraram no bosque; como procurando algo; o pássaro estendia o pescoço como para escutar algum ruído no correr das águas dos riachos.
O ancião, por seu lado, espiava por trás das pedras, ou pelos bosques, ao lembrar-se de seus passos juvenis, esperando ver o rosto luminoso e belo da jovem que teve diante de si antes de matá-la.
 Okañy kañyvo kuarahy akutinígui, oho oguapy peteĩ yvyra ra’yrusu rakã guýpe, ha omyandy vaicha hováre umi ijyvoty pytã ojehe’ávo araresáre. Upépe oñetĩupi ha ohetũ peteĩ mba’e ryakuã porã ombopy’a rorýva ichupe pe ka’aguy mbytépe ha oñandu vaicha oĩha imoirũhára upe jave. / Como se escondendo do sol cortante, foi sentar-se sob as ramas de uma árvore, e como se sentisse em seu rosto suas frutas vermelhas misturadas com os raios de sol. Ali, ele sentiu um perfume e cheirou um aroma bom que lhe enchia de alegria no meio da selva e sentiu também que alguém lhe acompanhava.
Ojesareko atã umi hogue rehe; ha ikatupyrýramo jepe ha’e ko’ã mba’épe, ndaikatúi oikuaa mba’e yvyrápa pe hogue porãitéva ha omokuarahy’ã piro’ýva ichupe. Opu’ã upémarõ, oñembojave umi hakãre, ha oipo’o umi hogue rovyũ kyrỹi guasu; oipokyty porã ha omoĩnge ijurúpe; oisu’u ku petỹ jaisu’úrõ guáicha ha oñandu pe hykuere, irõnungáramo jepe, heterei ichupe, opoñývaicha huguýre. / Observava detidamente as folhas da árvore; e mesmo sendo muito conhecedor das coisas da selva, não podia saber que planta era essa que suas folhas lhe davam tão boa sombra. Levantando-se então e aproximou-se das folhas e arrancou algumas das mais ternas; amassou-as bem e meteu-as na boca; mastigou-as como se mastigasse um pedaço de folha de fumo e sentiu que o suco, mesmo meio amargo, tinha um gosto tão agradável que serpenteava pelo seu sangue.
Hetaiterei ary vaicha oikoveve oisu’u aja pe yvyra rogue, ha katu, sapy’aitérõ guarã omonga’u ichupe. Oñepyrũ ohecha ku ikepeguara moguáicha peteĩ Tupão omimbipáva pe ka’aguy mbytépe. Ojesareko porã hese ha ohecha hyepýpe peteĩ mitãkuña, Tupãsýicha omimbi ha ojajáiva hína upépe. / Sentiu reviver muitos anos enquanto mascava essas folhas; mas por uns instantes, ficou como ébrio. Começou a ver, como se fosse um sonho, um templo resplandecente no meio do bosque. Observando-a melhor, viu em seu interior uma moça, que irradiava beleza, como se fosse a Virgem Maria.
Tujami oñemondýi, opyta iñe’ẽngúrõ guáicha ijurujái pe mba’e neporãmbajepéva rehe. Heta oñeha’ã rire osẽ sapy’a ichupe mokõi ñe’ẽ ha he’i mbeguekatumi: "Ka’a porã"... "Ka’a porã"... Ha upépentemavoi ipy’amano"... Ho’a, noñeñanduvéi. Mborayhu pavẽ, ñembyasy puku ha mba’eporã oñombyaty hikuái upe asajépe omoirũ haguã pe Avare tujamíme omano mboyve. / O velhinho, assustou-se, perdeu a fala, ficou aturdido diante de tão grande beleza. Depois de muito esforço, logo pode articular duas palavras que disse em voz baixa: - Ka'a porã... Ka'a porã... E ali logo caiu desmaiado. Caiu, não se sentiu mais. Amor infinito, imensa tristeza e uma beatitude, uniram-se nessa sesta para acompanhar o velho padre antes de morrer.
 Javorái ojeréva pe yvyra rakãre ndaje omombe’u ñandéve hasyhántevoi peteĩ mitãkuña mborayhu ojehe’ávo Avare mborayhúre. Ha pe guyra katu ndaje, he’i kuévo "Hypa ka’a", oñangarekóta tapiaite péva pe yvyra rakã rehe, oipysyrõ haguã yvyporakuéragui, ani haguã oiko oikytĩ, ohovere ha omyangu’i pe hogue. Upéicharõmante ndaje ka’aguýre ndopamo’ãi ka’a porã Paraguái retã.  / Dizem que o matagal que cobria os galhos da árvore, conta-nos o difícil amor entre uma jovem e um padre. E que o pássaro, ao repetir Hypa Ka'a diz que cuidará para sempre dos galhos dessa planta para defendê-la dos homens, não cortarão suas folhas, serão secadas e moídas. Dizem que somente assim esta benéfica erva não acabaria nas selvas paraguaias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.