11/09/12

Pehenguẽ 1 - Ka’a mombe’upy / A lenda da erva mate

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS


Versão para o Guarani - Lino Trinidad Sanabria
 Ka’a,peteĩ kuñataĩ iporãmbajepéva, heñóiva’ekue ysyry Apa rembe’ýpe. Amo hi’y ojerejepyvu hápe osyry mimbi haguã upéi hupa itavera ári. Peteĩ ituvyra’y, ohecharamopotávo, he’i ichupe pe hete ndaje ha’ete Tupã ojapo haguã ombyatypáva’ekue maymáva mba’e porã oĩva ko arapýre. Maymáva mba’e ipotapyrã iñasãiva yvytyrysýi mombyrýre, umi yvytypa’ũ rovyũre ha umi yvyku’i ñehẽ vera mimbíre.
"Ka’a" era uma mulher jovem, muito bela, que nasceu nas margens do Rio Apa. Lá onde seu curso detém-se em um remanso para logo seguir rodando em seu leito sobre pedras brilhantes. Um primo seu, admirando-a, disse-lhe que seu corpo, o próprio Tupã para fazê-lo reuniu todas as belas coisas que havia no mundo. As coisas mais desejadas das cordilheiras mais distantes, dos vales verdes e floridos e das brilhantes areias movediças.
Ka’a oñemoĩ y hovy kirirĩ renondépe omaña haguã ijeheha ohechakuaa upépe añeteha pe ituvyra’y he’íva’ekue ichupe. Ovy’a, ipy’akyrỹi asy, ojerovia ijehe ha osẽ oguata umi arapaha mombyrýre. Ha’eño oikose umi javorái ha ka’aguy vaíre, ndokyhyjéi mba’evégui. Peteĩ guyra hũ para mimbínte omoirũ ichupe uperupi. Oiko omono’õ umi itakuruvi ha jatyta pire opáichagua. Ombojoaju ha omyapesãmba umi yvoty iporãvéva iñakã jeguakarã.
"Ka'a" deteve-se em frente à água azul do rio para olhar-se e notou de que seu primo havia lhe dito a verdade. Alegrou e tremeu de gozo e confiando em si, saiu a caminhar por longínquos horizontes. Sozinha ela gostava de andar pelos bosques e matas, sem medo algum. Somente um pássaro negro, de plumagem brilhante matizado, acompanhava-a por todos os lugares. Ia juntando seixos e caracóis de todo tipo. Unia e entrelaçava flores, das mais formosas, para adornar sua cabeça.
 Upe ka’arúpe, heta oguata rire, oguahẽ sapy’a Ka’a yrembe’ýpe. Oguapy peteĩ itavera tũmby áriha oñemoĩ oñembosarái y ha yvyku’íre, ku oipapárõ guáicha hína umi itaju ku’i mimbi ojapajeréiva ipykuéra morotĩ kyrỹi apére. Upeichaháguinte, omopirĩ sapy’a ichupe pe guyraimoirũha ahy’opu.
Em uma tarde, depois de caminhar muito, Ka’a chegou à margem de um rio. Sentou-se em uma brilhante pedra violácea e pôs-se a brincar com a água e a areia, como se contando quantas pedrinhas douradas deslizavam sobre seu fundo e ternos peixinhos. De repente, estremeceu-se pelo grasnar do pássaro que lhe acompanhava. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.