13/09/12

Pehenguẽ 2 - Ka’a mombe’upy / A lenda da erva mate

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS


 Upe pyharépe, Ka’a ndaikatúi oke. Oguata heta ha ikane’õramo jepe, ndaikatúi ombogue pe kerasy: ojaho’íva ichupe pyhare aja pukukue. Ohecha vaicha mantérei pe karia’y ojayvýramo hi’ari ha ohapýtarõ vaicha ichupe ipytuhẽme. Heta oñorairo rire kerasy ndive opyta oke; ha ko’ẽvovemínte, opáy jevýma ohendúgui oñomongeta kyre’ỹ itúva ndive peteĩ karia’y ha’e oikuaa’ỹva. / Essa noite, Ka'a não pode dormir. Mesmo muito cansada de andar, não pode apagar a insônia: que a afetou a noite inteira. Parecia ver, sem cessar, o rosto do jovem se vagasse sobre ela queimando sua respiração. Depois de muito lutar com a insônia, dormiu; e ao amanhecer, acordou outra vez ao escutar que um moço desconhecido conversava animadamente com seu pai.
Pya’e ohechakuaa Ka’a peteĩ Pa’iha pe itúvandieoñomongetáva. Péva pe Pa’i, Mbya apytégui oúva, oiko itaju ha itavera hepyrekávo, omopu’ã haguã Tupão Mba’everaguasúpe. Umi mbya niko ndojehe’áiambue tekove Mbya’ỹ rehe; ndaikatúi omenda ndaha’éiriramo Mbya avei pe iñirũrã./ Ka'a percebeu que quem conversava com seu pai era um padre. Esse padre Mbya, que veio entre eles, estava à procura de ouro e pedras preciosas para construir uma igreja em Mba'everaguasu (Grande cidade cintilante). Os Mbya não se misturavam com indivíduos que não fossem Mbya; não podiam casar-se senão entre eles mesmos (com os seus companheiros).
Ha’ekuéra oimo’ã ndaijojahaiha ko arapýpe ha upévarendojehe’aséi ambuére. Kóva ko oimo’ãva hikuái hatãitereivéntema ipa’ikuéraakãme. Pa’ícha ojejoko kuaáva hasy jajuhu haguã. Ha’ekuéra ndaikatúi omenda, hakatu Ka’a iñakãku’e ko Pa’i rehe. / Eles acreditam que são iguais aos outros seres do mundo e por isso não querem se misturar com os outros. E esta crença é ainda mais forte na cabeça de um Pa'i Mbya. Inabalável como um Pa'i Mbya, é difícil encontrar outro. Eles não podem casar-se, mas Ka'a estava enamorada deste Pa'i Mbya.
Ára ha pyharépe Ka’a oikundaha umi ka’aguýre, umi yrembe’ýre, umi tape po’i ñemíre. Oiko oheka pytu’u’ỹre pe karia’y hesa rory ha ipukavy piro’ývape; ndahesaráiri ohecha ramo guare isyváre jaguarete’i pire pehengue oguerekóva iñakã jeguakáramo ha pe mba’ekarai ryru itajuguigua osãingóva ipyti’áre.
Dia e noite, Ka'a vagava pelas matas, pelas margens, pelos atalhos isolados. Sem descanso procurava o jovem com seus alegres olhos e a frescura de seu sorriso. Não se esquecia de quando viu na sua testa uma tira de pele de onça (jaguarete'i) que enfeitava sua cabeça e o amuleto de ouro que pendia de seu pescoço.
Ohechájepi ichupe, sapy’ánte, mombyry ha vokóike oñani hendápe, ha tuicha ipy’andýi jepi ohechakuaávo pe karia’y okañyha ichugui, ndojejuhukaséiha ichupe. Ha Ka’a omboguese, katuetei, pe tatarendýicha oipy’arapýva ichupe mborayhupavẽ. Peteĩ jevýnte oikuaa pe karia’y oho jevýtamaha Mba’everaguasúpe, ou haguéicha. Tuichaitereíre imborayhu, Ka’a oñembopy’apeteĩ ha oho oheka pe karia’ýpe. Hetaiterei ojeporeka rire hese, oho pe yrembe’ýpe, ohecha ypy haguépe ichupe pe karia’y Avare. /Ao descobri-lo, de repente, ao longe, logo correu apressada a seu encontro, e grande foi sua surpresa ao ver que o moço escondia-se dela, não queria encontrá-la. E Ka'a queria apagar, sem falta, a chama que sentia por tanto amor. Um dia soube que o jovem já tinha que voltar para a Grande Cidade Resplandecente, como veio. Como era tão forte o amor, Ka’a se decidiu e foi procurá-lo de novo. Depois de procurá-lo muito, foi na margem do rio, onde o jovem Padre Mbyá havia-lhe visto pela primeira vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.