06/12/12

EU MESMO – CHETE, Conto *saami ou lapão

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS

Conto *saami
 Guarani / Português
Ohai Guaraníme: David Galeano Olivera

EU MESMO – CHETE
Che niko peteĩ tetãitujavaygua, hi’arémava ko arapýpe. / Pertenço a um antigo povo, ancestral do mundo inteiro.
Añe’ẽ peteĩ ñe’ẽ avei itujaitereíva, che ñe’ẽ teete./ Falo em uma língua antiquíssima, minha própria língua.
Aiko peteĩ yvypehẽ itujávape, ne’ĩrã aiko ambue hendápe, chéngo pe yvy memby. / Vivo em um pedaço de terra ancestral, ainda não vivi em outro lugar, sou filho dessa terra.
Péicha niko che: che añomi. Cheñoite ko yvóra tuichaitépe. /Assim sou eu: sozinho. Sozinho estou no imenso mundo.
Cheñoite, che pehẽnguekuéra aréma oje’oihague, apyta cheñoite. / Sozinho estou, minha gente partiu faz tempo, eu fiquei sozinho.
Chénte añe’ẽ, che ñe’ẽ tujaite./ Sozinho eu falo, minha antiquíssima língua.
Aguata tekove rapére, upekuévo ha’u tembi’u che ajapóva, ha hay’u e chemba’éva./ Ando pelos sendeiros da vida, comendo minha própria comida, bebendo minha própria água.
Ahai ha amoñe’ẽ aranduka che ajapóva. / Escrevo e leio meus próprios livros
 Chete ajupi yvyty oĩva che róga kupépe, chete apirakutu ysyry che róga renondeguápe. / Eu mesmo subo nos serros situados atrás de minha casa, eu mesmo pesco os peixes no córrego em frente  a ela.
Ára ha ára ajupiyvytymimi ru’ãme añepy’amongetávo, cheño, chendivevoi. / Subo diariamente no topo das colinas para pensar, meditar; sozinho, sozinho comigo mesmo.
Heta ára chepore’ ỹrõguare, ahecha ambue tapicha, oujepeva’ekue oikuaávo che yvypehẽ. / Há muito tempo, quando estive longe,  vi outras pessoas, algumas vieram a minha terra.
Chemarangatúkuri hendivekuéra. Amongaru ha amboy’u, okejepékuri che rógape. / Fui bom com elas. Dei-lhes de comer e de beber, puderam dormir em minha casa.
Ha ko’ãga... Ou jave pytaguakuéra, he’i chéva mba’épa ha’ekuaa ha mba’épa ajapokuaa. / E agora... Quando os estrangeiros chegam, dizem que o devo e o que posso fazer.
Upeichavérõ jepe che ndachejárai, chetevoi che jára, che óga jára, che tapỹime. / Assim como se eu não fosse o dono, mas eu sou o dono, eu sou o senhor, eu estou em meu lar.
Kóva niko che retã tujaite, che ru ha che sy ypykue ha ypykuéra rekoha, ha’ekuéra oikohaguépe. / Esta é minha pátria ancestral, onde meus pais e os pais de meus pais viveram e moraram.
Kóva niko che retã, che rekoha, ha ápe aiko: cheño./ Esta é minha pátria, minha terra, e aqui vivo: sozinho.
*Saami, ou lapões formam um grupo étnico nativo da Lapônia, abrangendo as regiões setentrionais da Noruega, Suécia, Finlândia e da península de Kola, na Rússia.
É um dos maiores grupos indígenas da Europa:70 000 pessoas, das quais 17 000 vivem na Suécia, 35 000 na Noruega, 5 700 na Finlândia e 2 000 na Rússia.
A língua sami ou lapão, pertencem à família das línguas fino-úgricas, grupo linguístico raro, no qual se encontram o finlandês e o húngaro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.