13/09/2012

Pehenguẽ 2 - Ka’a mombe’upy / A lenda da erva mate

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS


 Upe pyharépe, Ka’a ndaikatúi oke. Oguata heta ha ikane’õramo jepe, ndaikatúi ombogue pe kerasy: ojaho’íva ichupe pyhare aja pukukue. Ohecha vaicha mantérei pe karia’y ojayvýramo hi’ari ha ohapýtarõ vaicha ichupe ipytuhẽme. Heta oñorairo rire kerasy ndive opyta oke; ha ko’ẽvovemínte, opáy jevýma ohendúgui oñomongeta kyre’ỹ itúva ndive peteĩ karia’y ha’e oikuaa’ỹva. / Essa noite, Ka'a não pode dormir. Mesmo muito cansada de andar, não pode apagar a insônia: que a afetou a noite inteira. Parecia ver, sem cessar, o rosto do jovem se vagasse sobre ela queimando sua respiração. Depois de muito lutar com a insônia, dormiu; e ao amanhecer, acordou outra vez ao escutar que um moço desconhecido conversava animadamente com seu pai.
Pya’e ohechakuaa Ka’a peteĩ Pa’iha pe itúvandieoñomongetáva. Péva pe Pa’i, Mbya apytégui oúva, oiko itaju ha itavera hepyrekávo, omopu’ã haguã Tupão Mba’everaguasúpe. Umi mbya niko ndojehe’áiambue tekove Mbya’ỹ rehe; ndaikatúi omenda ndaha’éiriramo Mbya avei pe iñirũrã./ Ka'a percebeu que quem conversava com seu pai era um padre. Esse padre Mbya, que veio entre eles, estava à procura de ouro e pedras preciosas para construir uma igreja em Mba'everaguasu (Grande cidade cintilante). Os Mbya não se misturavam com indivíduos que não fossem Mbya; não podiam casar-se senão entre eles mesmos (com os seus companheiros).
Ha’ekuéra oimo’ã ndaijojahaiha ko arapýpe ha upévarendojehe’aséi ambuére. Kóva ko oimo’ãva hikuái hatãitereivéntema ipa’ikuéraakãme. Pa’ícha ojejoko kuaáva hasy jajuhu haguã. Ha’ekuéra ndaikatúi omenda, hakatu Ka’a iñakãku’e ko Pa’i rehe. / Eles acreditam que são iguais aos outros seres do mundo e por isso não querem se misturar com os outros. E esta crença é ainda mais forte na cabeça de um Pa'i Mbya. Inabalável como um Pa'i Mbya, é difícil encontrar outro. Eles não podem casar-se, mas Ka'a estava enamorada deste Pa'i Mbya.
Ára ha pyharépe Ka’a oikundaha umi ka’aguýre, umi yrembe’ýre, umi tape po’i ñemíre. Oiko oheka pytu’u’ỹre pe karia’y hesa rory ha ipukavy piro’ývape; ndahesaráiri ohecha ramo guare isyváre jaguarete’i pire pehengue oguerekóva iñakã jeguakáramo ha pe mba’ekarai ryru itajuguigua osãingóva ipyti’áre.
Dia e noite, Ka'a vagava pelas matas, pelas margens, pelos atalhos isolados. Sem descanso procurava o jovem com seus alegres olhos e a frescura de seu sorriso. Não se esquecia de quando viu na sua testa uma tira de pele de onça (jaguarete'i) que enfeitava sua cabeça e o amuleto de ouro que pendia de seu pescoço.
Ohechájepi ichupe, sapy’ánte, mombyry ha vokóike oñani hendápe, ha tuicha ipy’andýi jepi ohechakuaávo pe karia’y okañyha ichugui, ndojejuhukaséiha ichupe. Ha Ka’a omboguese, katuetei, pe tatarendýicha oipy’arapýva ichupe mborayhupavẽ. Peteĩ jevýnte oikuaa pe karia’y oho jevýtamaha Mba’everaguasúpe, ou haguéicha. Tuichaitereíre imborayhu, Ka’a oñembopy’apeteĩ ha oho oheka pe karia’ýpe. Hetaiterei ojeporeka rire hese, oho pe yrembe’ýpe, ohecha ypy haguépe ichupe pe karia’y Avare. /Ao descobri-lo, de repente, ao longe, logo correu apressada a seu encontro, e grande foi sua surpresa ao ver que o moço escondia-se dela, não queria encontrá-la. E Ka'a queria apagar, sem falta, a chama que sentia por tanto amor. Um dia soube que o jovem já tinha que voltar para a Grande Cidade Resplandecente, como veio. Como era tão forte o amor, Ka’a se decidiu e foi procurá-lo de novo. Depois de procurá-lo muito, foi na margem do rio, onde o jovem Padre Mbyá havia-lhe visto pela primeira vez.

11/09/2012

Pehenguẽ 1 - Ka’a mombe’upy / A lenda da erva mate

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS


Versão para o Guarani - Lino Trinidad Sanabria
 Ka’a,peteĩ kuñataĩ iporãmbajepéva, heñóiva’ekue ysyry Apa rembe’ýpe. Amo hi’y ojerejepyvu hápe osyry mimbi haguã upéi hupa itavera ári. Peteĩ ituvyra’y, ohecharamopotávo, he’i ichupe pe hete ndaje ha’ete Tupã ojapo haguã ombyatypáva’ekue maymáva mba’e porã oĩva ko arapýre. Maymáva mba’e ipotapyrã iñasãiva yvytyrysýi mombyrýre, umi yvytypa’ũ rovyũre ha umi yvyku’i ñehẽ vera mimbíre.
"Ka’a" era uma mulher jovem, muito bela, que nasceu nas margens do Rio Apa. Lá onde seu curso detém-se em um remanso para logo seguir rodando em seu leito sobre pedras brilhantes. Um primo seu, admirando-a, disse-lhe que seu corpo, o próprio Tupã para fazê-lo reuniu todas as belas coisas que havia no mundo. As coisas mais desejadas das cordilheiras mais distantes, dos vales verdes e floridos e das brilhantes areias movediças.
Ka’a oñemoĩ y hovy kirirĩ renondépe omaña haguã ijeheha ohechakuaa upépe añeteha pe ituvyra’y he’íva’ekue ichupe. Ovy’a, ipy’akyrỹi asy, ojerovia ijehe ha osẽ oguata umi arapaha mombyrýre. Ha’eño oikose umi javorái ha ka’aguy vaíre, ndokyhyjéi mba’evégui. Peteĩ guyra hũ para mimbínte omoirũ ichupe uperupi. Oiko omono’õ umi itakuruvi ha jatyta pire opáichagua. Ombojoaju ha omyapesãmba umi yvoty iporãvéva iñakã jeguakarã.
"Ka'a" deteve-se em frente à água azul do rio para olhar-se e notou de que seu primo havia lhe dito a verdade. Alegrou e tremeu de gozo e confiando em si, saiu a caminhar por longínquos horizontes. Sozinha ela gostava de andar pelos bosques e matas, sem medo algum. Somente um pássaro negro, de plumagem brilhante matizado, acompanhava-a por todos os lugares. Ia juntando seixos e caracóis de todo tipo. Unia e entrelaçava flores, das mais formosas, para adornar sua cabeça.
 Upe ka’arúpe, heta oguata rire, oguahẽ sapy’a Ka’a yrembe’ýpe. Oguapy peteĩ itavera tũmby áriha oñemoĩ oñembosarái y ha yvyku’íre, ku oipapárõ guáicha hína umi itaju ku’i mimbi ojapajeréiva ipykuéra morotĩ kyrỹi apére. Upeichaháguinte, omopirĩ sapy’a ichupe pe guyraimoirũha ahy’opu.
Em uma tarde, depois de caminhar muito, Ka’a chegou à margem de um rio. Sentou-se em uma brilhante pedra violácea e pôs-se a brincar com a água e a areia, como se contando quantas pedrinhas douradas deslizavam sobre seu fundo e ternos peixinhos. De repente, estremeceu-se pelo grasnar do pássaro que lhe acompanhava. 

10/09/2012

Vy’apavẽ / Felicidade

http://guaraniportugues.blogspot.com/ 
 Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS







Ohai Guaraníme: David Galeano Olivera
Ler original em: http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/felicidade-vy-apav
Antigamente, não começo dos tempos, reuniram-se vários demônios para zombar dos homens.
Peteĩva osẽ he’i: “Jahekyi’arãmo’ã peteĩ mba’e yvyporakuéragui. Ágã, mba’épa ikatu jahekýi ichuguikuéra” / Um deles disse: - “Deveríamos eliminar algo dos homens. Então, que eliminaremos?”
Heta oñepy’amongeta rire, ambue osẽ he’i “Aikuaáma, jahekýita ichuguikuéravy’apavẽ. Ágã pe che ndaikuaáivango moõpa ñañomíta ani haguã ha’ekuéra ojuhu…” / Depois de muito meditar, outro dentre eles disse: - “Já sei!, vamos diminuir a felicidade deles, mas não sei onde escondê-la para que não possam encontrá-la...”
Peteĩva osẽ he’i: - “Ikatúngo ñañomi pe yvyty ijyvatevévape oĩva ko yvórape” / Um deles sugeriu: “Poderíamos escondê-la na montanha mais alta do mundo.”
Ambue ohenduka hemiandu kóicha: - “Nahániri. Nemandu’áke ha’ekuéra ipu’akaha. Peichaháguiente peteĩ ojupíta ha ojuhúta. Pete ĩ ojuhúramo, opavavete oikuaátama mamópa o ĩ…” / Outro escutou e manifestou-se assim: - “Não. Lembre que eles têm força. De repente alguém pode subir  e achá-la. “Se um deles encontrá-la, já todos saberão onde está...”
Upéi ambue he’i: - “Upéicharõ ñañomiva’erã para ruguaitépe. Upépengo ndojuhumo’ãi hikuái…” / Logo outro disse: - “Então devemos escondê-la no fundo do mar. Ali não deverão encontrá-la…”
Ha ambue ombohovái: - “Nahániri. Nemandu’áke ha’ekuéra akóinte ojeporekaha.Oguahẽta peteĩ ára ha’ekuéra ojapotahápepeteĩ mba’yru oguejy haguã ha upéicha ojuhúta hikuái…” /  E outro respondeu: - “Não. Lembre que eles sempre estão procurando algo. Virá um tempo que eles construirão algum aparelho para poder descer  e então a encontrarão...”
Peteĩ osẽjevy he’i: - “Ñañomína peteĩ mbyjápe oĩva mombyryeterei ko Yvýgui”. / -Outro mais disse: “Vamos escondê-la em uma estrela muito longe da Terra.”
Ha… Ombohovái hikuái ichupe: -“Nahániri. Nemandu’áke iñaranduha hikuái ha peteĩ ára ikatu ojapo peteĩ mba’yruveve ha péicha ojuhúta hikuái pe mba’e oñemoñemíva. Péva ojehúrõ, opavavete hupytýta hikuái vy’apavẽ…” /  - E... Responderam-no: “Não. lembre que eles têm  inteligência  e um dia alguém construirão uma nave espacial na qual possam viajar  e conseguirão descobrir o mistério. Então, todos terão felicidade...”
Pe moñái pahague niko, kirirĩháme, ohendúkuri opavave iñirũ remiandu. Ohesa’ỹijókuri peteĩteĩ umi temiandu ha upéi ojerure ñe’ẽ: - “Aikuaáma moõpa ñañomikuaa.” / O caçula dos demônios que, em silêncio, escutava atentamente todas as propostas de seus colegas. Analisou cada uma delas e então tomou a palavra: -“Já sei onde escondê-la.”
Maymáva ojere ha oporandu oñondivépa: -“Mamópa” / Todos se voltaram  e preguntaram ao mesmo tempo: - “Onde?”
Moñai’i ombohovái: - “Ñañomíta ipypekueravoi. Ha’ekuéra oikóta oheka hikuái ijere ha opárupi ha araka’eve ndojuhumo’ãi” / O diabinho respondeu: -“Vamos escondê-la dentro deles mesmos. Estarão tão ocupados buscando-a fora, que nunca a encontrarão”
Opavavete omoñeíkuri ha upete guive ojehu péicha: yvypóra oikójepi oheka vy’apavẽ ijerére oikuaa’ỹre vy’apavẽ oñemohendahague ikorasõruguaitépe… / Todos concordaram e desde então tem sido assim: o homem passa a vida buscando a felicidade em sua volta sem saber que a felicidade situa-se no mais recôndito de seu coração...