07/02/13

Ñañe’ẽmi Guarani: ©Apohára: Miguel Angel Veron GÓMEZ, 2009

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / 
Português, Português / Guarani. 
Cecy Fernandes de ASSIS


Ko aranduka osẽ FONDEC/Fondo Nacional de a Cultura e as Artes pytyvõme.
Tradução para o português: Cecy Fernandes de ASSIS
O Livro, Ñañe’ẽmi Guarani, de Miguel Angel Veron Gómez contém aulas práticas e úteis de conversação e conhecimento da língua Guarani.
É um material ideal para as pessoas que não conhecem o Avañe’ẽ e que desejam aprendê-lo. Usa um método simples e eficaz.
Também será útil para os falantes do Guarani que desejam melhorar seu Guarani.
Maitei / Saudações
Mba’éichapa.
Oi, como estás (vais).
Iporãnte ha nde.
 Bem. E tu?
Iporãnte avei.
 Bem também.
Mba’éichapa reiko.
Como estás (vais)?
Iporãmínte ha nde.
 Estou bem (vou). E tu?
Iporãmínte avei.
 Estou (vou) bem também.








1. Ñañemongeta. / Conversação.
Mba’éichapa nderéra.
Como é teu nome?
Cheréra Miguel. Ha nde.
Meu nome é Miguel. E o teu?
Cheréra Ramona.
Meu nome é Ramona.
Moõguápiko nde.
De onde sois?
Che San Lorenzo-gua. Ha nde.
Eu sou de São Lourenço. E tu?
Che Luque-gua.
Eu sou de Luque.
Mbovy arýpa (ano) rereko.
Quantos anos tens?
Areko 25 ary (ano).
Tenho 25 anos.
Moõpiko remba’apo.
Onde trabalhas?
Amba’apo peteĩ hospital-pe. Ha nde.
Trabalho em um hospital. E tu?
Che amba’apo municipalidad-pe.
Eu trabalho na Prefeitura.
2. Reproduzir, em guarani, este diálogo:
-       Oi, Como estás (vais)?                                                 
-       Bem. E tu?                                                       
-       Eu estou (vou) muito bem também.                                                    
-       Onde trabalhas?                                               
3. Agora encontramo-nos com José, nosso amigo. Conversaremos com ele. Vamos cumprimenta-o e logo vamos perguntar-lhe de onde é e onde trabalha.
Mba’éichapa José. / Como estás (vais) José?                                                                     
 Jaikuaami / Para saber

Pronomes Pessoais, caso reto

Che

Eu

Nde

Tu

Ha’e

Ele, ela

Ñande (inclusivo)

Ore  (exclusivo)

Nós, nós

Peẽ
Vós

Ha’ekuéra

Eles, elas










Jesarekorã: / Atenção
A 1ª pessoa plural inclusiva (ñande) inclui todos os interlocutores.
A exclusiva (ore) exclui uma parte dos interlocutores.
Exemplo: Ore roguapy / Nós estamos sentados. Inclui apenas uma parte dos receptores, e exclui a outra.
Ñande jaguapy / Nós estamos sentados. Inclui a todos os interlocutores, tanto os emissores como os receptores. O bom uso de uma ou outra forma será  na situação comunicativa.
4. Jajojuhu jevy ñane angirũ José ndive. Ajapóta ko ñeporandukuéra,guaraníme. Encontramos outra vez nosso amigo José. Faremos estas perguntas, em guarani, com a ajuda dele.
-  Quantos anos tens?                                                                                                      
-  De onde sois?                                                                                                               
-  Como se chama tua mãe?                                                                                            
-  Quando é teu aniversário?                                                                                           
-  Onde estás trabalhando?                                                                                              
-  Para que vens?                                                                                                             
-  Onde morais?                                                                                                               
-  Que hora tens?                                                                                                             
5. Ko’ãga José ñandekuaase avei. Ñambohovaimi ichupe, guaraníme, ko’ã porandu: / Agora José quer saber também. Responderemos a ele, em guarani, estas respostas:
-  Como é teu nome?                                                                   
-  De onde sois?                                                               
-  Onde morais?                                                               
-  Quantos anos tu tens?                                                              
-  Onde trabalhas?                                                                       
-  Que hora tens?                                                             

Algumas palavras interrogativas:
Mba’e: que
Mba’épiko ere.
Que dizeis?
Mba’éicha: como
Mba’éichapa nderéra. 
Como é teu nome?
Araka’e: quando
Araka’épa ne’aramboty.
Quando é tu aniversário?
Moõ: onde
Moõpiko reiko.
Onde morais?
Mba’erã, ma’erã,
mba’upe: para que  
Mba’erãpa reju.
Para que vens?
Máva: quem
Mávapa ou.
Quem vem?
Mba’ére: por quê
Mba’érepa nderejúi.  
Por que não vens?
Mbovy: Quanto         
Mbovýpa rejogua.
Quanto comprou?
                                                           
6. Ñamoñe’ẽmi ko ñemongeta. / Leremos este diálogo. Atenção nas partículas em negrito.
- Mba’éichapa nderéra.                                 - Como és teu nome?  
- Cheréra Juana.                                             - Meu nome é Joana.
- Mbovýpiko ipapapy (número).                   - Qual é seu número?

Partículas interrogativas:
Para formular perguntas, em guarani, se utilizam as partículas sufixas pa, piko, pio, iko, tiko.
As mesmas vão pospostas à palavra interrogativa. O português não usa essas  partículas. Em português a interrogação expressa-se através da entonação, em a expressão oral, e por meio do sinal de interrogação (?), na expressão escrita.
As partículas pa e piko são as corretas do ponto de vista acadêmico, mas na fala coloquial se utilizam as formas pio, iko, tiko que são variantes de piko.
Em guarani, graça ao uso de partículas interrogativas específicas, não faz falta utilizar o signo de interrogação (?). Contudo, pode-se utilizar se desejar, para evitar confusão. Coloca-se no final da oração, como em o inglês ou português.
Techapyrã / Exemplo: Mba’éichapa nderéra.            Mba’éichapa nderéra?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.