26/04/14

Ka’i guasu póra/ O fantasma do grande macaco

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS

https://www.youtube.com/watch?v=Q2LxfRCBcjs

Rubén Rolandi - Haimete Ajekapa

http://www.portalguarani.com/578_carlos_villagra_marsal/17159_kaso_nemonbeu__cuentos_para_ser_contados__recopilacion_domingo_adolfo_aguilera__version_al_espanol_feliciano_acosta__domingo_adolfo_aguilera_y_carlos_villagra_marsal_.html


Káso ñemombe’u/Cuentos para ser contados
Guaraní/ Español
Recopilación: Domingo Adolfo Aguilera
Versión al español: Feliciano Acosta e Domingo Adolfo Aguilera y Carlos Villagra Marsal
Mbohasa portuge/Tradução ao português: Cecy Fernandes de ASSIS

*(Os compiladores usam vários empréstimos idiomáticos do espanhol. Em verde)

 Ócho família ndaje oĩ raka’e peteĩ ógape. Ha heko porã ndajeko enterove. Peteĩ oĩ enfermérava, ha otrokuéra omba’apo raka’e opa mba’épe. Ha pe enfermérantema ndaje la oikovéva, umi ótro omanombaitéma./ Contam que oito pessoas de uma família viviam em uma casa. E, dizem que todos eram bons. Dizem, que havia uma que era enfermeira e as outras trabalharam em várias ocupações. Dizem, que apenas a enfermeira era viva e que todos as outras pessoas já haviam morrido.
 Upéi ndaje osẽ la enferméra oiko puévlope. Ha opyta la óga nandi. Ha peteĩ ára ndaje ou peteĩ ivallegua he’i ichupe:/ Com o tempo, dizem que a enfermeira foi morar no povoado. E a casa da família ficou vazia. E dizem que E um dia, uma conterrânea veio ao povoado e disse-lhe:
― Nde, hulána, mávaiko oime oikóva pe pende róga kuépe./ Tu, fulana, quem está morando hoje na velha casa de vossa família?
 ― Mavave ndoikói./ Ninguém mora.
 Aikuaaséngo che upéicharõ mba’éichapa la káda ka’aru oĩ ojahe’óva la penderógape./ ― Então, gostaria de saber, como é que cada tarde alguém vem a lamentar-se, em voz alta, em vossa casa.
 ― Ha ndereikuaáipa araka’e ka’épa ―he’i ichupe la enferméra.― /E não sabes em que dias vem? ― Disse-lhe a enfermeira./
 ― Chéngo ahendu jepi jasyteĩ ha poteĩ ka’aru kue ha la oñelamentáva upépe./ ― Eu costumo ouvir as lamentações lá, nas tardes de segunda e sexta-feira.
 ― Eñatendemína ñandéve, osegípa upéicha, eikuaa porã ha eju cheavisa ―he’i ichupe./― Então, por favor, preste atenção, se continuar assim, verifica bem e logo venha avisar-me ―disse-lhe.
 Ha oho jevy la kuñakarai hógape. Oñemoĩ oñatende ha upe rire oho jevy la puévlope:/ E a senhora voltou para sua casa. Prestou atenção e depois voltou ao povoado.
 ― Ko semána entéro voi ahendu la oñelamentáva pende rógape ―he’i la enfermérape la ivesína. Upépe la óga jára osẽ oho meme pa’i rendápe, ha omombe’u ichupe. Ha pa’i katu he’i ichupe: "Chemomandu’a la péva pe diápe ha eju jaha"./ A semana inteira escutei esses lamentos em vossa casa disse sua vizinha à enfermeira. Então a dona da casa saiu depressa e foi à casa do sacerdote e lhe contou o caso. E o padre disse-lhe: “lembre-me no dia certo e acompanhe-me ao lugar”.
 Ha oguahẽvo la dia olehi va’ekue hikuái, la pa’i omonde ijao puku ha oho la kuñakarai ndive pe vesína rógape raẽ, ha upégui, ohendúma ramo la ojahe’óva. Oho mbohapyvéva la óga guasúpe ichupe./ Ao chegar o dia marcado, o padre vestiu a batina e junto com a senhora foram à casa da vizinha; e então já ouviram quem estava soluçando. Os três foram até a casa.
Ha pe kuarahy ojero’a, oike potaite rupi guive, onepyrũma la oñelamenta ha he’íva: “Ni peteĩvako ndarahái chendive!”/ E quando o sol enclinava no poente, já começava o lamento, e dizia: Nem um apenas posso levar comigo!
Oĩ peteĩ ysyry la óga renondépe, ha upe vahadaitépe oguejy va’erã hikuái, ha upéi oarriva oguahẽ haguã la ogaitépe./ Havia um córrego em frente da casa, e uma encosta que eles deveriam descer e depois subir para chegar à casa.
 Oguejyvo upépe pa’i umía katu, ohecha ócho lu hendy hína la ógape, ha la hasẽ soróva ndosói. Ojerepa ndaje la ógare la lamparakuéra, hendy porã mombyrýgui jahecha./ Quando começaram a descer, o padre e as mulheres viram oito luzes acesas ao redor da casa, e o choro estalava sem parar. Dizem que as luzes em torno da casa, brilhavam muito e podiam ser vistas de longe.
Ha ohasapávo la arrójo ha oarrivávo hikuái pe vahádagui ndaje, ohecha sínko lúntema hendy./ E quando eles passaram o córrego e começaram a subir a encosta, dizem, que viram apenas cinco luzes acesas.
 Ha upéi hi’aguĩve oúvo hikuái. Pe oike mboyve la trankérape, mokõintema hendy la lu. Ha ohasa la porton ha oikévo la korapýpe, peteĩntema hendy./ E depois, eles, se aproximaram da casa. Pouco antes de passar a porteira, as luzes já eram apenas duas. E ao cruzar o portão e entrar no pátio, já havia apenas uma luz.
Ha pe oguahẽnguetévo hikuái, sapikemíntema la lu, lampiũntema la hendy porãite va’ekue. Ha pe lampiũ ogue javéma, oike hikuái la óga guýpe./ E quando eles chegaram, a luz, que até poucos instantes brilhava, era agora um pequeno lampião. E este lampião já se apagou quando os três entravam na casa.
 Upépe opa la ojahe’óva ha ojuhu hikuái peteĩ ka’i alasan ojere hína la mesa ári. Oñembo’éma la kuñakarai mokõivéva ha la pa’íngo oiméne oñembo’éma avei ra’e./ Ali os soluços pararam e eles encontraram um macaco de pelo alazão, dando voltas sobre uma mesa. Já rezavam as duas senhoras e provavelmente, o padre também rezava.

 Tuichaiterei kuri la ka’i, ha upéi a medídake ojere, michĩ, michĩve, michĩve ohóvo. Ha pe michĩete jave, la pa’i he’i ichupe:/ O então, o enorme macaco, a medida que girava, foi diminuindo, diminuindo mais de tamanho. E quando já estava bem pequeno, o padre lhe disse:
― Ndéiko mba’e rejapo ko’ápe, mba’éiko la rembyasýva./ ― Tu, que estás fazendo aqui, o que é o que tanto te magoa?
 ― ¡Ni peteĩvako ndarahái chendive, siétema oho ha ni pe oikovéva na’iñesperánsai chéve! ―he’i la ka’i.― Infelizmente a nenhum pude levar comigo, sete já se foram e nem fica a esperança de que algum venha comigo! ―disse o macaco.
 ― Upéicharõ reikuaáma, he’i ichupe la pa’i. Terehókena ko’a guive ha anivékena reju tei./ ―Então, já o sabes― disse-lhe o padre. ― Vai-te daqui e não voltes nunca mais.
 Ha ojere jevy la ka’i, ha upéi peteĩ jerépe, oguahẽvo peteĩ la mesa eskínape, opo upégui pe okupe tapia gotyo okañy./ E o macaco outra vez girou e depois, em uma das voltas, ao e chegar no canto da mesa, pulou e depois sumiu na parede traseira da casa.

Ha pe opokuévo ―ohecha la pa’i umía― mbarakajaichamíntema tuicha la ka’i./ E ao pular ―o padre e as mulheres viram― que o macaco já era apenas do tamanho de um gato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.