10/05/14

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS
VÍDEO: https://www.youtube.com/watch?v=dsVNcx_OUc8

Bem didático em Espanhol e Guarani


*Ta'anga/Imagem: by Light-Schizophrenia Digital Art / Drawings & Paintings / Fantasy
# O Saci Pererê no Paraguai é louro, é  o quarto filho de Tau e Kerana.
Káso Ñemombe’u: Jasy Jatere niko hovatavy hína/ Causo: Saci Pererê se fazendo de bobo
Ohai/escreveu: David Galeano Olivera.
Mbohasa portugepe/Tradução ao português: Cecy Fernandes de Assis.
Ler original: http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/k-so-emombe-u-jasy-jate…

 Peteĩ karai, hembireko ha itayramimi oikova’ekue Ysyry Sakãme, tava’i oĩva Ka’asapápe. Upépe ojogapókuri hikuái ha omba’apo kokuépe./ Um senhor, sua esposa e filhos pequenos vivia em Ysyry Sakã, pequena cidade de Ka’asapa (localidades do Paraguai). Ali construíram sua casa e trabalhavam na roça.
Mbohapy mitã jeko oguereko, ha mbohapyve iñakãhatã, hetia’e ha hesãi. Kalo’i ndaje upe iñakãhatãvéva umi mbohapy mitã’i apytépe. Ndojoguaiete Robertito ha Maria’ípe; ko’ã mokõi katu imarangatuvevoi./ Dizem que eles tinham três filhos e os três eram teimosos, ativos e saudáveis. Dizem que Carlinho era o mais teimoso dos três meninos. Não se parecia com Robertinho e Maria;  esse dois eram mais obedientes.
Kalo’i ndopytái peteĩ hendápe. “Sevo’i”, he’imiva’erã ichupe umi iñirũmimi.Sapy’ánte katu okañýmiva’erã hógagui. Oho ha ka’arupytũ rupi oujevy./ Carlinhos não parava no lugar. Seus amiguinhos chamavam-no de lombriga. Há todo momento fugia da casa. Ia e só voltava pela noitinha.
Péicha jave ndaje heta oipo’ómi; isy ohogue’ómiva’erã hetyma ha heviro’óre typycha hũ. Upeichavérõ jepe, ndoúi ha ndohói Kalo’ípe, vaicháku noñanduivavoi isy térã itúva ñenupã./Assim, naquele tempo, costumava dizer, que sua mãe desfolhava chirca preta em sua perna e bunda (batia).
“Cháke, peichaháguinte Jasy Jatere ndereraháne ha nembotavyraíne.” He’ímiva’erã hikuái ichupe, omondýi haguã mitã’i akãhatãitépe./ “Cuidado, por causa disso, o Saci Pererê vai te levar e te deixar louco.” Ela costumava dizer a ele para assustar o menino muito teimosos.
 Upéinte niko peteĩ asaje, ohendu hikuái oturuñe’ẽ sapy’apyáva hóga jerére. Upe mba’e oñandu avei isy ha itúva. Ha ñembojaruhápe jeko he’kuri Kalo’ípe: “Háke, aipóva hína Jasy Jatere ndererahaséva. Aníke remýi ko’águi.”/ E então uma tarde eles ouviram, de repente, um assovio em volta da casa. Isso, sua mãe e seu pai ouviram também. E de brincadeira, disseram a Carlinho: “Cuidado, é o Saci Pererê que quer te levar. Não se mexa daqui”.
 Sapy’ami rire ndaje opu’ãkuri Kalo’i túva ha ndojuhúi ita’yra’ípe: “Moõjevýmapa oiméne oho. Pévape hi’ã chéve jajokuava’erã ani haguã omýi; upéicharõ añoite opytáta ogapýpe.” He’ijekoraka’e ndojuhúimarõ Kalo’ípe. Opu’ã avei upérõ karai rembirekomi ha mokõive oñepyrũkuri oheka Kalo’ípe./ Um pouco depois, dizem que o pai se Carlinho levantou e não encontrou seu filho: “Outra vez, aonde ele terá ido. Acho que deveria tê-lo amarrado para não se mexer, só assim ficaria dentro de casa.” Dizem que ele disse assim quando não encontrou Carlinho. Então a mulher do senhor também se levantou e os dois começaram a procurar Carlinhos.
 Okañyetékuri. Iñipytũma katu ha ne’írãnte ojuhu hikuái ichupe. Ndokéi ndaje upe pyhare. Hetaitereirasa oheka hikuái ha mamove ndojuhúi mitã’i akãhatãme./ Perdeu-se completamente. Começou a escurecer e ainda não tinham o encontrado. Dizem que não dormiram essa noite. Sem descanso eles o procuraram e ninguém achou o teimoso menino.
 Mbohapy ára haguépe ndaje, peteĩ karai oguahẽ ha omombe’u ichupekuéra moõpa ojuhúkuri peteĩ mitã’i ojoguanungáva Kalo’ípe./ Três dias depois, dizem, um senhor chegou à casa e contou a eles onde encontrou um menino que se parecia com Carlinho.
 Pya’épeko oho hikuái ipiári ha, añetehápe, ojuhúkuri Kalo’ípe itavyraiete, ojerejeko hína peteĩ yvyraróre, poñyháme. Ndaikatuvéi jeko oguata ha noñe’ẽkuaavéi avei. Naimandu’avéi itúva ha isýre./ Logo eles foram procurar e, na verdade, encontraram Carlinho completamente louco, apoiado em torno da raiz de uma árvore. Gatinhava. Não sabia andar e não falava também. Também não reconheceu seu pai e sua mãe.

 Ohupi karrétape ha ogueraha hikuái hógape. Ko’ãgaite peve péicha oiko. Ndokueravéi. Jasy Jatere ndaje oñembohorýkuri hese. Péicha he’i Ysyry Sakãygua ha…Upépe opa./ Subiram na carreta e levaram-no para casa. E desde então ficou assim. Não se curou mais. Saci Pererê, dizem, enganou-o. Assim contam os moradores de Ysyry Sakã e… E assim acaba. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.