07/06/14

Pyhare*nde áva kuehe guare!/Que noite agitada foi anoite passada

http://guaraniportugues.blogspot.com/Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani.Cecy Fernandes de ASSIS



* Nde áva (tuvicha, tuvicha guasu) é uma expressão idiomática, significando um grande distúrbio, alvoroço, agitação. Ex.: Ayvu nde áva./ Grande vozerio.  Ayvu nde áva ojapo hikuái oguahẽvo huvicha./ Gritavam vivas entusiasmadas ao chegar seu chefe

Ohai Guaraníme: David Galeano Olivera
Original://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/que-noche-la-de-anoche)

 
Aime ko’ápe,/Estou aqui,
Che rupápe, / Em minha cama,
Roguerekóngo che akãme./Com o pensamento fixo em ti.
Peteĩ mba’énte aipotavéva: roipyhyse/Só desejo uma coisa: agarrar-te.
Ha rojopy hatã porã mokõive che pópe, / E apertar-te duramente entre minhas duas mãos.
Otytýi gueterei cheakãme mandu’a ange pyhare guare/.Latindo ainda em minha cabeça a lembrança da noite passada.


Ko pyhare hakuvóvape, / Nesta noite sufocante,
Rojapyhyse mbarete porã/ Tenho ganas de pegar-te.
Ha’e haguã ndéve opaite mba’e añandúva. / Para dizer-te tudo o que sinto.
Pe mandu’a arekóva ndehegui chemoingo asy. / Tua lembrança me deixa angustiada.
Ne apysẽ… ha upéi reguékuri. / Tu apareceste... e desapareceste.



Opaite mba’e oikókuri upe pyhare ha ko tupamíme. / Tudo aconteceu naquela noite e nesta cama.
Jereviápe rejákuri cherehe. / Com confiança aproximaste de mim.
Retĩ’ỹre mba’evégui,/Sem pudor nenhum.
Rejángo che rete opívore./Tu colaste em meu corpo nu.
Rehechakuaávo noroñanduiha, / Percebendo minha indiferença,
Reja rejavékuri…/ Aproximaste mais e mais...




Reisu’upániko ko che retemi…/ Mordeste por todo meu corpo...
Remomba’eguasu’ỹre mba’eve…/ Sem importar-te com nada...
Chembotavyraiete. / Deixas-te me louca.
Aikuaa’ỹre mba’épa ajapóta / Não sabia o que fazer,
Ajehekýi haguã ndehegui. / Para livrar-me de ti.


Hasypeve… Akékuri. / Por fim... Adormeci.
Ko ára, apáyvo, / Hoje, quando acordei,
Roheka chetarovaite. / Procurei-te desesperadamente.
Jepémo po’a’ỹre./ Contudo não tive êxito.
Ndorojuhuvéima. / Não te encontrei mais.


Nereimevéima. / Já não no estavas.
Rehojepéma. / havias partido!
Ahoja tuichakue javeve, / Em todas as cobertas,
Opyta mba’e ojehuva’ekue rapykuére. Havia rastro do ocorrido.
Che retére reheja nde rapykuére tapiaite guarã. / Em meu corpo deixas-te marcas para sempre.
Rapykuére pypuku péicha péichante ndokueramo’ãiva/ Marcas intensas que parece que não vão sarar
Ha heta ára ojekuaátava cherehe. / E por muito tempo serão percebidas em mim.


.
Ko pyhare voi añenóta ha roha’ãrõta. / Esta noite deitarei cedo e vou esperar-te.
Reguahẽ vove…/ Quando chegares...
Ndaikuaaseivoi mba’épa ojehúta… /Não quero imaginar o que irá acontecer...
Ajeitýta nde ári./ Vou lançar-me sobre ti.
Ku leõ ñarõite ojeityháicha ambue mymba ári./ Como o leão feroz se lança sobre outro animal.
Ha nderehomo’ãvéima./E já não poderás partir.
Ndaikatumo’ãvéima regue chehegui. / Já não poderás escapar de mim.


Rojopyvaipáta añendu meve nde rete ruguy. / Vou apertar-te até sentir o sangue de teu corpo.
Péicha añoite ikatúta apytu’u ndehegui: / Somente assim poderei descansar:

Ñati’ũ, añamembyreikóva! / Pernilongo, filho de uma puta!


Um comentário:

  1. Muito bom!!!! Parabéns pelo seu trabalho, está me ajudando muito a redescobrir nossa história.

    ResponderExcluir

Aguyjevete ne ñe'ë. Obrigada pelo teu comentário.