26/04/2014

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS







Neste vídeo, o ex-cacique da aldeia de São Miguel,

 município de Biguaçu, SC/Brasil, Milton Moreira

 Wherá fala em seu idioma tribal, o guarani mbyá.

.
Confira. Gravação: Jornal Biguaçu em Foco. Site: 

www.jbfoco.com.br


Ka’i guasu póra/ O fantasma do grande macaco

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS

https://www.youtube.com/watch?v=Q2LxfRCBcjs

Rubén Rolandi - Haimete Ajekapa

http://www.portalguarani.com/578_carlos_villagra_marsal/17159_kaso_nemonbeu__cuentos_para_ser_contados__recopilacion_domingo_adolfo_aguilera__version_al_espanol_feliciano_acosta__domingo_adolfo_aguilera_y_carlos_villagra_marsal_.html


Káso ñemombe’u/Cuentos para ser contados
Guaraní/ Español
Recopilación: Domingo Adolfo Aguilera
Versión al español: Feliciano Acosta e Domingo Adolfo Aguilera y Carlos Villagra Marsal
Mbohasa portuge/Tradução ao português: Cecy Fernandes de ASSIS

*(Os compiladores usam vários empréstimos idiomáticos do espanhol. Em verde)

 Ócho família ndaje oĩ raka’e peteĩ ógape. Ha heko porã ndajeko enterove. Peteĩ oĩ enfermérava, ha otrokuéra omba’apo raka’e opa mba’épe. Ha pe enfermérantema ndaje la oikovéva, umi ótro omanombaitéma./ Contam que oito pessoas de uma família viviam em uma casa. E, dizem que todos eram bons. Dizem, que havia uma que era enfermeira e as outras trabalharam em várias ocupações. Dizem, que apenas a enfermeira era viva e que todos as outras pessoas já haviam morrido.
 Upéi ndaje osẽ la enferméra oiko puévlope. Ha opyta la óga nandi. Ha peteĩ ára ndaje ou peteĩ ivallegua he’i ichupe:/ Com o tempo, dizem que a enfermeira foi morar no povoado. E a casa da família ficou vazia. E dizem que E um dia, uma conterrânea veio ao povoado e disse-lhe:
― Nde, hulána, mávaiko oime oikóva pe pende róga kuépe./ Tu, fulana, quem está morando hoje na velha casa de vossa família?
 ― Mavave ndoikói./ Ninguém mora.
 Aikuaaséngo che upéicharõ mba’éichapa la káda ka’aru oĩ ojahe’óva la penderógape./ ― Então, gostaria de saber, como é que cada tarde alguém vem a lamentar-se, em voz alta, em vossa casa.
 ― Ha ndereikuaáipa araka’e ka’épa ―he’i ichupe la enferméra.― /E não sabes em que dias vem? ― Disse-lhe a enfermeira./
 ― Chéngo ahendu jepi jasyteĩ ha poteĩ ka’aru kue ha la oñelamentáva upépe./ ― Eu costumo ouvir as lamentações lá, nas tardes de segunda e sexta-feira.
 ― Eñatendemína ñandéve, osegípa upéicha, eikuaa porã ha eju cheavisa ―he’i ichupe./― Então, por favor, preste atenção, se continuar assim, verifica bem e logo venha avisar-me ―disse-lhe.
 Ha oho jevy la kuñakarai hógape. Oñemoĩ oñatende ha upe rire oho jevy la puévlope:/ E a senhora voltou para sua casa. Prestou atenção e depois voltou ao povoado.
 ― Ko semána entéro voi ahendu la oñelamentáva pende rógape ―he’i la enfermérape la ivesína. Upépe la óga jára osẽ oho meme pa’i rendápe, ha omombe’u ichupe. Ha pa’i katu he’i ichupe: "Chemomandu’a la péva pe diápe ha eju jaha"./ A semana inteira escutei esses lamentos em vossa casa disse sua vizinha à enfermeira. Então a dona da casa saiu depressa e foi à casa do sacerdote e lhe contou o caso. E o padre disse-lhe: “lembre-me no dia certo e acompanhe-me ao lugar”.
 Ha oguahẽvo la dia olehi va’ekue hikuái, la pa’i omonde ijao puku ha oho la kuñakarai ndive pe vesína rógape raẽ, ha upégui, ohendúma ramo la ojahe’óva. Oho mbohapyvéva la óga guasúpe ichupe./ Ao chegar o dia marcado, o padre vestiu a batina e junto com a senhora foram à casa da vizinha; e então já ouviram quem estava soluçando. Os três foram até a casa.
Ha pe kuarahy ojero’a, oike potaite rupi guive, onepyrũma la oñelamenta ha he’íva: “Ni peteĩvako ndarahái chendive!”/ E quando o sol enclinava no poente, já começava o lamento, e dizia: Nem um apenas posso levar comigo!
Oĩ peteĩ ysyry la óga renondépe, ha upe vahadaitépe oguejy va’erã hikuái, ha upéi oarriva oguahẽ haguã la ogaitépe./ Havia um córrego em frente da casa, e uma encosta que eles deveriam descer e depois subir para chegar à casa.
 Oguejyvo upépe pa’i umía katu, ohecha ócho lu hendy hína la ógape, ha la hasẽ soróva ndosói. Ojerepa ndaje la ógare la lamparakuéra, hendy porã mombyrýgui jahecha./ Quando começaram a descer, o padre e as mulheres viram oito luzes acesas ao redor da casa, e o choro estalava sem parar. Dizem que as luzes em torno da casa, brilhavam muito e podiam ser vistas de longe.
Ha ohasapávo la arrójo ha oarrivávo hikuái pe vahádagui ndaje, ohecha sínko lúntema hendy./ E quando eles passaram o córrego e começaram a subir a encosta, dizem, que viram apenas cinco luzes acesas.
 Ha upéi hi’aguĩve oúvo hikuái. Pe oike mboyve la trankérape, mokõintema hendy la lu. Ha ohasa la porton ha oikévo la korapýpe, peteĩntema hendy./ E depois, eles, se aproximaram da casa. Pouco antes de passar a porteira, as luzes já eram apenas duas. E ao cruzar o portão e entrar no pátio, já havia apenas uma luz.
Ha pe oguahẽnguetévo hikuái, sapikemíntema la lu, lampiũntema la hendy porãite va’ekue. Ha pe lampiũ ogue javéma, oike hikuái la óga guýpe./ E quando eles chegaram, a luz, que até poucos instantes brilhava, era agora um pequeno lampião. E este lampião já se apagou quando os três entravam na casa.
 Upépe opa la ojahe’óva ha ojuhu hikuái peteĩ ka’i alasan ojere hína la mesa ári. Oñembo’éma la kuñakarai mokõivéva ha la pa’íngo oiméne oñembo’éma avei ra’e./ Ali os soluços pararam e eles encontraram um macaco de pelo alazão, dando voltas sobre uma mesa. Já rezavam as duas senhoras e provavelmente, o padre também rezava.

 Tuichaiterei kuri la ka’i, ha upéi a medídake ojere, michĩ, michĩve, michĩve ohóvo. Ha pe michĩete jave, la pa’i he’i ichupe:/ O então, o enorme macaco, a medida que girava, foi diminuindo, diminuindo mais de tamanho. E quando já estava bem pequeno, o padre lhe disse:
― Ndéiko mba’e rejapo ko’ápe, mba’éiko la rembyasýva./ ― Tu, que estás fazendo aqui, o que é o que tanto te magoa?
 ― ¡Ni peteĩvako ndarahái chendive, siétema oho ha ni pe oikovéva na’iñesperánsai chéve! ―he’i la ka’i.― Infelizmente a nenhum pude levar comigo, sete já se foram e nem fica a esperança de que algum venha comigo! ―disse o macaco.
 ― Upéicharõ reikuaáma, he’i ichupe la pa’i. Terehókena ko’a guive ha anivékena reju tei./ ―Então, já o sabes― disse-lhe o padre. ― Vai-te daqui e não voltes nunca mais.
 Ha ojere jevy la ka’i, ha upéi peteĩ jerépe, oguahẽvo peteĩ la mesa eskínape, opo upégui pe okupe tapia gotyo okañy./ E o macaco outra vez girou e depois, em uma das voltas, ao e chegar no canto da mesa, pulou e depois sumiu na parede traseira da casa.

Ha pe opokuévo ―ohecha la pa’i umía― mbarakajaichamíntema tuicha la ka’i./ E ao pular ―o padre e as mulheres viram― que o macaco já era apenas do tamanho de um gato.
http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS

https://www.youtube.com/watch?v=EiVGTXA_8wE  

Káso ñemombe’u - Guaiguĩngue, Rubén Rolandi




Ñemombe’u ha’e marandeko iñasãimba hína opárupi. Ha pe yvypórakuéra omombe’u imandu’akuévo hembiasakue térã ambue hapicha rembiasakuére./ Oñepyrũ upéicha: amba’emombe’úta ndéve…Causo é uma história propagada em todos os lugares. E as pessoas contam as histórias de memória ou casos que aconteceram com outras pessoas.
Opaichagua káso niko oĩ ha ñahendukuaa péicha, póra, pombéro, pláta yvyguy, paje, Pychãichi ha Perurima umíva rehegua./Em geral, nos causos há e podemos ouvir isso: fantasmas, pombéro, tesouros enterrados, bruxa(o)s, Pychãichi e Perurima (personagens tipo Pedro Malasartes).
 Oĩ avei omombe’úva mba’éichapa heñóikuri tavakuéra, ỹramo oñe’ẽva guyra, mymba, térã ka’avokuéra rehe./ Há também causos que contam como nasceram as cidades e causos do tempo que os pássaros e animais falavam ou enfeitiçamentos.
Oĩ itie’ỹva, avei ñanembopukáva, ñanemongyhyjéva ha opaichaguáva./ Há os atrevidos, também os que nos fazem rir, os que nos assustam e de todo tipo.
 Upeichavérõ jepe, maymáva ñanerekombo’e ohechaukágui ñandéve pe ñande rekoite; avei oguerekógui upe arandu ka’aty oje’eha./  Assim sendo, a todos nos ensina nos mostrando o nosso modo de ser; também porque traz, como se diz, a sabedoria do homem do campo.
Ko’ãga rupi, yvypóra katupyry oñembyaty ha mbeguekatúpe ojehai ohóvo./Agora, pessoas capazes reúnem-se e bem devagar  começam a escrever os causos.

Káso ndaikatúi oĩ’ỹvo./ Causos não podem deixar de existir.
Heta kásokuéra oñemombe’u terere jerépe. / Muitos causos são contados na roda do tererê.

23/04/2014

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS



Héra/Nome: Gabriel José de la Concordia García Márquez
Ojehero Apelido: Gabo
Itúva ha isy/Pai e mãe: Gabriel Eligio García e Luisa Santiaga Márquez Iguarán. Oñemoarandu ypýkuri Barranquilla-pe, ohai ypyhaguépe iñe’ẽpoty tenondegua pukarãmeméva./Iniciou sua formação escolar em Barranquilla, onde escreveu seus primeiros poemas humorísticos.
Oike mitãrusumbo’ehaópe ary 1940 guive Hesuitakuéra mbo’ehaópe, hérava San José, upépe omyasãi’ypýkuri iñe’ẽpoty Kuatiapyre Juventud-pe. Omohu’ã upe ñemoarandu Bogotá-pe. Ary 1947-pe oñemoarandu ypýkuri tekomo’ãhararã Universidad Nacional de Colombia-pe./ Estudos secundários foram realizados a partir do ano de1940 no Colégio Jesuíta São José, ali publicou seus primeiros poemas na Revista Juventud. Concluiu seus estudos em Bogotá. Em 1947 iniciou seus estudos de Direito na Universidad Nacional de Colombia.
Haihára reko oñemombareteve ipype ha péicha ára 13 jasyporundy ary 1947-pe Kuatiahaipyre El Espectador omoherakuã imombe’u peteĩha: La tercera resignación. Ary 1948-pe oikókuri aipo Bogotazo ojejukávo Jorge Eliécer Gaitán. /Sua aptidão de escritor foi crescendo e no dia 13/09/1947 o jornal El Espectador publicou seu primeiro conto: La tercera resignação. No ano 1948 escreveu Bogotazo pela morte de Jorge Eliécer Gaitán.
Mbo’ehaovusu oñembotýkuri upehaguére ha García Márquez ova Universidad de Cartagena-pe, oñepyrũhaguépe hembiapo marandu myasãihárarõ El Universal-pe./A universidade fechou e García Márquez mudou-se para a Universidade de Cartagena, quando começou seu trabalho como jornalista do O Universal.
Ary 1950-pe oheja iñemoarandu tekomo’ahára rehegua ha omba’apóma marandu myasãihárõ. Ha ohojevy Barranquilla-pe, omba’apohaguépe Kuatiahaipyre El Heraldo-pe./ Em 1950 deixou seus estudos de direito e foi trabalhar no jornalismo. Voltou a Barranquilla e trabalhou no Diário O Heraldo.
Ary 1958-pe, Gabriel García Márquez ombojoaju hekove Mercedes Barcha rehe, hese ndaje omendasékuri 13 ary oreko guive./Em 1958, Gabriel García Márquez uniu sua vida a Mercedes Barcha, dizem que ele quis casar com ela desde os 13 anos.
Hendive oguerekókuri mokõi ñemoñare: Rodrigo ha Gonzalo. García Márquez oikojepékuri avei Nueva York, Paris, Bogota, Cartagena de Índias ha México-pe, ha’éva pe táva oiko areve haguépe. García Márquez niko Fidel Castro angirũetékuri. /Com ela teve dois filhos: Rodrigo e Gonzalo. García Márquez também viveu em Nova York, Paris, Bogotá, Cartagena de Índias e México, onde viveu a maior parte do tempo. García Márquez foi muito amigo de Fidel Castro.
Universidade de Nova York niko ohechakuaávo hekove ha hembiapokue ojapókuri chugui Tembikuaajára Haikuaápe. Oñeme’ẽjepékuri ichupe heta jopói ha jehechakuaa umíva apytépe, ary 1982-pe, Nobel Ñe’ẽporãhaipyre rehegua./ A Universidade de Nova York outorgou-lhe o título de Honoris Causa em Letras. Recebeu numerosos prêmios e reconhecimentos, mas se destacou, no ano 1982, com o Premio Nobel de Literatura.
Tembiasakue kuaa/Cronologia

*  1955:La hojarasca;
*  1961: El coronel no tiene quien le escriba;
*  1962: La mala hora;
*  1962: Los funerales de la Mamá Grande;
*  1968: Isabel viendo llover en Macondo
*  1968: La novela en América Latina: Diálogo (junto a M. Vargas Llosa);
*  1970: Relato de un náufrago;
*  1972: Ojos de perro azul;
*  1972: El negro que hizo esperar a los ángeles;
*  1973: Cuando era feliz e indocumentado;
*  1974: Chile, el golpe y los gringos;
*  1975: Todos los cuentos de Gabriel García Márquez: 1947-1972;
*  1976: Crónicas y reportajes;
*  1977: Operación Carlota;
*  1978: Periodismo militante;
*  1978: De viaje por los países socialistas;
*  1978: La tigra;
*  1981: Crónica de una muerte anunciada;
*  1981: Obra periodística;
*  1981: El verano feliz de la señora Forbes;
*  1981: El rastro de tu sangre en la nieve;
*  1982: El secuestro: Guión cinematográfico;
*  1982: Viva Sandino;
*  1986: La aventura de Miguel Littín, clandestino en Chile;
*  1987: Diatriba de amor contra un hombre sentado: monólogo en un acto;
*  1989: El general en su laberinto;
*  1990: Notas de prensa, 1961-1984;
*  1992: Doce cuentos peregrinos;
*  1995: Cómo se cuenta un cuento;
*  1995: Me alquilo para soñar;
*  1996: Noticia de un secuestro;
*  1996: Por un país al alcance de los niños;
*  1998: La bendita manía de contar;
*  1999: Por la libre: obra periodística (1974-1995);
*  2002: Vivir para contarla;
*    2010: Yo no vengo a decir un discurso.




Eduardo Galeano: sobre a morte de García Márquez:
“Há dores que se dizem calando.”/ Oĩ ñembyasykuéra he’íva ikirirĩ hína.
 http://www.lr21.com.uy/mundo/1169710-eduardo-galeano-dijo-tras-la-muerte-de-garcia-marquez-que-hay-dolores-que-se-dicen-callando 



21/04/2014

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS


https://www.youtube.com/watch?v=i0OQXmq_1rc

Oiméramo ohenóiva ne rokẽmeSe alguém bater em tua, porta,
Gabriel García Márquez

·      Ombohasa Guaraníme: David Galeano Olivera
·      Ombohasa potugépe: Cecy Fernandes de Assis

Oiméramo ohenóiva ne rokẽme, kuñami che angirũ,
Se alguém bater em tua, porta, minha amiga,

ha oĩramo otytýiva nde ruguýpe py’aguapy’ỹre
E algo em teu sangue late e não repousa

ha hakã hi’ypáva, oryrýivo,
E em seu talo de água estremecida


Aipóva hína peteĩ ña’ẽ henyhẽva tekokatúgui.
A fonte é uma líquida harmonia.


Oiméramo ohenóiva ne rokẽme
Se alguém bater em tua,

 Ha gueterei hemby ndéve pa’ũ reñemopora haguã
Sobra-te ainda um pouco de tempo para ser formosa

E cabe todo abril em uma rosa
Ha peteĩ rósape ijapaitérô jasyrundy

Ha pe rósa rupive ára oñehẽ tuguýgui.
E pela rosa dessangra-se o dia.

Oiméramo ohenóiva ne rokẽme peteĩ pyhareve
Se alguém chama a tu porta uma manhã

Pykasu ha itapu ryapúgui henyhẽva
Sonora de pombas e sinos

Ha rejeroviárõ gueteri py’arasy ha ñe’ẽpotýre.
E ainda crês na dor e na  poesia.

Oiméramo tekove ha’e mba’e añetegua ha ñe’ẽjoja oikovérõ.
Se ainda a vida é verdade e o verso existe.

Oiméramo ohenóiva ne rokẽme ha netyre’ỹ,
Se alguém chama a tu porta e estás triste,

Eipe’a, upéva hína mborayhu, kuñami che angirũ.
Abre-a, que é o amor, minha amiga.