03/05/2014

Pukarã/Piada

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS



Pukarã/Piada


Peteĩ oka’úva oguapy hina ha peichahágui ohasa henonde rupi peteĩ kuñakarai imembykuña reheve. /Um bêbado estava sentado e assim, onde estava passou em sua frente uma senhora com sua filha.
Oka’úva omaña porã pe mitãkuñáre ha upéi he’i: Kuñakarai, ivaietéiko ne membykuña./O bêbado olhou em para a moça e depois disse: “Sehora, é muito feia sua filha.”

 Kuñakarai ombohovái ichupe: Porãngue ha’e imba'e oguereko pype, karai. Upéva ohendúvo, oka’úva he’i kuñakaraípe: Eipiróna upéicharõ.A senhora respondeu-lhe: “Beleza é uma coisa que temos dentro, senhor.” Ao ouvir isso o bêbado disse à senhora: “Então descasque-a.”

Karia’y ha atau/O jovem e o ataúde #Aikuaave haguã/Para saber mais:

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS
Vídeo:  Rubén Rolandi - San Antonio
https://www.youtube.com/watch?v=rwncDPwzmkU




#Aikuaave haguã/Para saber mais: 


Recopilación: Domingo Adolfo Aguilera
Versión al español: Feliciano Acosta, Domingo Adolfo Aguilera y Carlos Villagra Marsal.
·       No texto há vários empréstimos linguísticos, marcados em vermelho.


 Oĩngo peteĩ ka’aguy jovái iñypytũva, amo Kira’yty jahasávo ko’a gotyo. Ou ndaje hína upérupi peteĩ karai peteĩ pyhare, Kira’ytýgui. Ha oĩ peteĩ yvype ipo’iveha la tape. / Havia, em frente, uma mata espessa e escura, ao passar de Kira’yty até aqui (é alguém narrando). Dizem que, uma noite, vindo de Kira’yty passava por ali, certo cavaleiro. E havia um lugar onde o caminho se estreitava.
Guembe guasu hamba’e henyhẽte la tape rembete guive, ha iñypytũve voi upépe. Ha oikévo la karai upépe ndaje, ojuhu peteĩ atau puku guasu atravesádo, la tape omboty chugui hína. / Plantas de guaimbê e plantas parecidas enchiam suas encostas e por isso, o lugar era ali mais sombrio. E dizem que, o senhor ao entrar nesse trecho, topou com um grande caixão de defunto (ataúde), atravessado no caminho e fechando a passagem.
Ndajeko ñasaindy porã, ha oñemo’aguĩ chugui la karai, ohecha porãve haguã. Ojero’a nunga hi’ári ha omaña la hyepýre ha ohecha la morotĩva pype. / Dizem que havia um lindo luar e o homem se aproximou dele (do caixão) para ver melhor. Inclinou sobre o féretro e observou que adentro havia algo branco.
 Oĩla oĩva pype. Oñeno hína. Ha la kavaju ndaje oñembo’y heseve, ndohasa mo’ãi voi mba’eveichavérõ. / Dentro havia algo. Estava deitado. Dizem que então o cabalo corcoveou e por nada no mundo passaria aquilo.
 Ha la kavaju okyhyjéma ramo ndaje, okyhyjéma la karai avei. Ha ojevy. Oho ótro tape rupi, osẽ Chararã puévlope, upérupi ou haguãicha la hógape. / E dizem que o cavalo assustou-se e o senhor assustou-se também. Retrocedeu. Foi por outro caminho, saiu no povoado de Chararã, que do mesmo modo ia para sua casa.
Ha ohasapávo la puévlo, oĩ peteĩ porton guasu. Upépe osẽvo ndaje, oguejy la henda árigui ha ojuhu peteĩ kuñakarai karape’i oguapy la portónpe hína. / Ao passar pelo povoado, havia um grande portão. Dizem que ao chegar lá, apeou do cavalo e encontrou uma senhora baixinha, sentada no portão.
Rejere reíko, he’i ndaje ichupe la kuñakarai. Ejevy jevy, eho jevy pe nde hapykuerére. / Em vão voltaste. Contam que lhe disse a senhora. Retorne, Volte outra vez, por aonde vieste.
La karai nopenái la kuñakaraíre ha ndaje oñemo’aguĩ oheka la portónpa mba’éicha oipe’áta. Ojepovyvy ndaje ha ndojuhúi la jaipe’aha. Ojellavea, péro ndohechái imba’evéichagua kandádo. / O homem não se importou com a mulher e dizem que se aproximou e tentou achar como abri-lo. Dizem que apalpou e não encontrou a tranca. Estava chaveado, mas não viu tranca de nenhum tipo.
Pytũeterei voi upépe. Ha ndaikatu mo’ãingo la alámbre ahéno mba’e ombyai la ohasa haguã. / Então, havia escurecido muito lá. E, presumiu que não podia estragar o aramado alheio para passar.
Ndikatu mo’ãi rehasa. He’i ndaje ichupe la kuñakarai’i mimi (mokõima ndaje upérõ guarã). ― Ejevy jevy. He’i ichupe hikuái. / No poderás passar, contam que lhe disse a mulherzinha (dizem que já eram duas, até então). Retorne, elas disseram-lhe.
Ha ojevy mante hapykuerére la karai. Ha oho pukumívo ndaje, oñandu la oñeprende vevúiva ohóvo la iku’áre. Omaña ha ojuhu la kuñarai’i peteĩva ijapýri. / E o homem teve que voltar. E dizem que ao se afastar, sentiu que uma mão segurava-se levemente em sua cintura. Olhou e encontrou uma das mulherzinhas na sua garupa.

Upépe noñeñanduvéi la karai, ha la kavajúntema omoguahẽ ichupe heindykuéra rógape. Naimandu’ái mba’éichapa ohasa la atau ohecha hague rupi. / Ali o homem desmaiou e o cavalo, por sua conta, conduziu-lhe até a casa de suas irmãs. Nunca se lembrou de como passou o ataúde tinha visto.

28/04/2014

http://guaraniportugues.blogspot.com/ Dicionário Guarani / Português, Português / Guarani. Cecy Fernandes de ASSIS

Vídeo: ÑE'ÊPOTY - JEPE'E - PABLINO GÓMEZ VERA.3GP:





#Aikuaave haguã/Para saber mais: 


Káso ñemonbe’u/Cuentos para ser contados
Guaraní/ Español
Recopilación: Domingo Adolfo Aguilera
Versión al español: Feliciano Acosta e Domingo Adolfo Aguilera y Carlos Villagra Marsal

·       No texto há varios empréstimos linguísticos, marcados em vermelho.
·       O sufixio -ngo- é = NIKO. Partícula que reforça o vocábulo anterior. ex.:
·       Che niko = eu certamente.
·       Che kangy = eu certamente sou fraco.
·       Muito usada na linguagem oral.

 Oiko va’ekue peteĩ’ karai nahembirekói, nda’ita’ýrai,nda’itajýrai, mavavete ndoikóiva hendive. Ha upéi amo ipaha gotyoma, ogueru oiko hendive peteĩ mitã karia’y. Ha pe mitã karia’y oipytyvõ ichupe pe kokuére, oñangareko hymba vaka, ikavaju umíare./ Havia um senhor que não tinha esposa, nem filhos, nem filhas, ninguém vivia com ele. Então quase no fim da vida, trouxe um moço para morar com ele. O moço ajudava na chácara e no cuidado do gado, cavalos e demais.
Upéingo peteĩ árape, pe mitã karia’y ou omaña porã, ojesareko porã hese hína. Ohecha pe karai tujami oguapy, ha oñe’ẽ ha’eño hína, he’i he’íva hína upépe. Ha upéingo, peichahágui, osẽ oñembojape mitã karia’y ha oporandu ichupe:/ Então um dia, o jovem veio e olhou bem, observou-o bem. Viu o velho sentado e ele falava sozinho, diziam que ali ele conversava. E depois disso o moço saiu, aproximou-se e perguntou-lhe:
  Nde, don Vito, mba’éiko rejapo hína./ ― Tu, dom Vitó, que estás fazendo?
 Ha upéicha che añe’ẽ kuarahy ndive hína, he’i ichupe./ ― Pois estou falando com o sol, respondeu- lhe.
Ha omaña porã hese, opukavy pe mitã karia’y ha he’i ichupe:/ O jovem olhou-o bem, sorriu e disse-lhe:
Mba’éicha piko reñe’ẽta kuarahy ndive./ ― E como falarás com o sol?
  Mba’égui piko, chéngo añomongeta kuarahy ndive, he’i ichupe, añomongeta jasy ndive ha yvytu ndive avei. ― Por que não? Eu converso com o sol, disse-lhe e também com a lua e o vento.
Péva ko karia’y ndogueroviaséi./ Nisso o moço não quis acreditar.
 Ha upéingo heta ára ojuhu jevy karai tujami oñomongeta hína oñomongetávandi, ha ndaipóri mavavetéva ijerére./ E tempo depois. Muitas vezes voltou a encontrar o ancião falando com quem falava, sem que houvesse ninguém a seu lado.
Upéingo peteĩ ára pe mitã karia’y oñemboja he’i haguã pe karai tujápe ndopyta mo’ãiha pe árape omba’apo. Ou peteĩ karréta reve ha ogueru hikuái peteĩ hasy katúva pype hína. Ha osẽ pe karai oporandu ichupe:/ Então um dia o jovem aproximou-se para dizer ao velho que esse dia não ficaria no trabalho. Veio com uma carreta e trouxeram dentro um doente. O ancião saiu e perguntou-lhe:
  Ha mba’éreiko nderepyta mo’ãi, he’i ichupe./ ― E por que tu não vais ficar, ele disse-lhe?
Ha osẽ pe mitã karia’y he’i ichupe./ E saiu o jovem e disse-lhe:
  Amo karrétapengo rogueraha hína peteĩ hasykatúva. Rohóta távape, he’i ichupe, jahechápa noñepohanói amoite./ ― Na carreta levamos um doente. Iremos ao povoado, disse-lhe, vamos ver se lá podem curá-lo.
Haupémarõngo pe karai he’i ichupe:/ Então o ancião disse-lhe:
Ndikatúi piko jahecha hína, he’i ichupe. Ha oñemboja pe karrétare. Ha’e upéi omaña porã hese ha osẽ he’i ichupe:/ ― Não posso ver o doente? Disse-lhe. E aproximou-se da carreta. Observou o doente e disse-lhe:
 ― Kóango úna semána ha un día oikovéta. Ha opukavynte hese mitã karia’y ha ojupi karrétape ohopa hese. Ha upéi ou kuévo opyta jevy hikuái upépe. Ha osẽ pe mitã karia’y he’i ichupe:/ ― Este viverá uma semana e um dia. O moço apenas sorriu e subiu na carreta e s foram. De volta, pararam outra vez, na casa do velho. E saiu o moço e disse-lhe:
  Hechápa, don Vito, ndejapu hague, mba’e úna semána ha un día katu piko. Kóango doytor angete ome’ẽ ichupe pohã, ha oikóta tréinta, kuarénta áño, ãga omano meve, he’i ichupe./ ― Veja dom Vitó, tu mentiste? Que uma semana e um dia! Um doutor, há pouco, deu-lhe remédio e ele viverá, trinta, quarenta anos mais e por fim morrerá.
Ha upéingo oho ohasa./ Logo se foram.
Ambue árape ou jevy mitã karia’y omba’apo. Ha ohasa la úna semána ha un día. Ha la do día haguépe ou jevy pe mitã karia’y, voi porã ou, ombotáma voi okẽ (ne’ĩrã gueteri ni opáy porã don Vito). Ha osẽ he’i ichupe:/Outro dia voltou o jovem ao trabalho. Passou uma semana e um dia. Após dois dias, muito cedo, voltou o moço e bateu na porta dom Vitó, (ainda não tinha levantado). E disse-lhe:
  Añete, don Vito, la ere va’ekue! Kavalete la úna semána ha un diápe omano la karai, he’i ichupe./― Verdade, Dom Vitó, o que dissestes! Justo ao cabo de uma semana e um dia o doente faleceu, disse-lhe.
 Ha upéingo, ñande jaikuaaháicha ko’ápe, pya’e voi herakuã umi mba’e; opárupi rei ojekuaa. Ha’e upémarõ ou ñepyrũma hendápe la hénte./ Depois disso, como sabemos hoje, este tipo de noticias se transmite rápido, por todos lados já se sabia os acerto de dom Vitó. E assim, as pessoas, começaram a procurá-lo.
Ou, ou, ha ha’e he’i : “Nde un áño reikóta”, he’i peteĩvape, “ha nde, áño do mése; ha nde, áño do mése ha úna órá”, he’i la ouvakuérape, Vinham, vinham, e ele dizia: “Tu viverás um ano” dizia a um, “e tu, um ano e dois meses, e tu, um ano e dois meses e uma hora”, dizia aos que vinham.
Ha péicha, he’i hagueichaite oñekunpli, omanomba la hénte pe he’iha tiénpope. Ni peteĩ ndojavyi. Ha he’írõ la “
 okuerátá”, okuera. Ni peteĩ voi ndojavýi./ E assim como ele dizia se cumpria, a gente morria no tempo que ele dizia. Não errou nenhum. E se dizia o “fulano se curará” se curava. Não errava nenhuma.
 Ha upémaramõ osẽ pe mitã karia’y peteĩ ágape(?), oguapy hína mokõivéva- ha he’i karaípe:/ Então, um dia, o jovem quando estavam sentados os dois, disse-lhe:
Nde, don Vito, ndéngo oiméne revy’a, he’i ichupe./ ― Tu, dom Vitó, és feliz? Disse-lhe.
Ha mba’éreiko, che ra’y, he’i ichupe./ ― E por quê, meu filho? Disse-lhe
Ha ndéngo ndepo’a formal, he’i ichupe, ndéngo oiméne reikuaáma araka’épa remanóta hína./ ― Tens uma grande sorte, disse-lhe, talvez já saiba exatamente quando morrerás.
Ha hẽe, che aikuaa porã, he’i ichupe. ― Sim, sei bem, disse-lhe.
Upéicharõngo nde, trankiloma, he’i ichupe. Reguapytantema ko’ápe reha’arõ ne mano ou nde piári, he’i ichupe./ ― De tal modo, estás tranquilo, disse-lhe. Bastarás sentar-te aqui a esperar a hora em que a Morte venha buscar-te, disse-lhe.
Ndetavyraímango nde! he’i don Vito, ãga che piári ko’ápe ou vove che manóko, che mombyry asẽ guarã aha chugui, he’i./ ― Que tonto tu és! Disse dom Vitó, quando a morte vier me procurar aqui, hei de fugir muito longe dela, disse.
Upéingo peteĩ ára péicha, oguahẽ peteĩ semána ha pe mitã karia’y hetaiterei hembiapo ha opyta oke péicha vaka keha peteĩme, la don Vito rógape. Ha upéingo de madrugáda rei opu’ã pe karai ha oho omombáy ichupe:/ Depois disso, um dia em uma semana que o moço tinha muito o que fazer, ficou para dormir no estábulo, ao lado da casa de dom Vitó. Então, de madrugada, o velho levantou-se e foi despertá-lo:
Huláno, epáy ha embosako’i chéve che kavaju ha che aviorã, he’i ichupe. Pya’e asẽ guarã./ ― Fulano, acorda e encilha para mim meu cavalo e prepara-me uma matula, disse-lhe. Devo sair rápido.
Ipochy mitã karia’y, ni ndopáy porãi, he’i:/ Aborrecido o moço, ainda não tinha acordado bem, disse:
Mba’éreiko ange pyharéma ndeeréi chéve./ ― Por que não me o dissestes de noite?
Nahániri, angete ahecha che képe outaha che piarigua. La kuátro ka’aru oúta che piári che mano, he’i ichupe. Ha asẽta apiã chugui, aháta ko’águi, he’i./ ― Não, há pouco acabei de ver em meu sonho a que a (morte( já vem à minha procura. Ás quatro, em ponto, da tarde, morrerei, disse-lhe. E vou fugir dela, irei-daqui, disse.
Ha upépengo, opreparapaite ichupe la henda, ombosako’i ichupe la ijaviorã entéro. Ha ojupi ha oho heseve, kavaju porã ári./ Assim então, depois de preparar-lhe o cavalo, colocou no alforje toda a comida. Este montou no seu bom cavalo e se foi.
Oho, ohasa kuánto oĩmíva guive, mombyry formálmango oho. Ohasa asaje pyte, ohasa la úna, la do, la tre. Mombyryetereíma./ Se foi, passando ao largo de quantos lugares havia. Realmente foi longe. Passou o meio-dia, a uma, as duas, as três. Já estava muito longe.
La kuátro ka’aru rupi oguahẽ ohóvo peteĩ ysyrýpe. Ha oguahẽvo upépe, opyta. Ndikatúi ohasa. Ipypuku. Ha oñepyrũ oho pe y rembe’ýre, ha ojeporeka hína moõ rupipa ikatu ohasa./ Às quatro da tarde chegou a um rio. Ao chegar à margem, parou. Não pode passar. Era fundo. Começou a andar nas margens do rio, buscando por onde poderia passar.
 Ha upéingo oguahẽ peteĩ hendápe, ha upépe vaicha ichupe ikatúta ohasa./Até que chegou a um lugar e pareceu que poderia cruzar.
Ha oike ñepyrũ rehe la henda pe ýpe, opo sapy’a peteĩ ju’i pégui ha omondýi la kavajúpe./ E quando começou a entrar seu cavalo na água, de repente, uma rã saltou e assustou o animal.
Ha ho’a la karai opóvo la henda. Ho’a ha ogueraha pe iñakã peteĩ itáre. Ha upépe omano./ E com o salto do cavalo o senhor caiu na água. Caiu batendo a cabeça em uma pedra no meio do rio. Lá morreu.
Haosẽ upépe Ñandejára ánhel, Ñandejára remimbou ja’éva ñande, opuka puku hese ha he’i ichupe:/ Lá saiu, então, o anjo do Senhor, o enviado de Deus, como nós dizemos, rindo muito e dizendo-lhe:

 ― Nde Vito, nde piko reimo’ã che chetavyeterei. Chéko ko’ápente voi roha’arõ hína kuri, he’i ichupe./ ― Tu Vitó, acaso tu acreditas que sou muito bobo? Eu, exatamente aqui, estava esperando-te.